Consultor Jurídico

Contra a Super-Receita

Técnicos da Receita começam greve com 90% de adesão

Os técnicos da Receita Federal do Brasil, conhecida como Super-Receita, começaram nessa segunda-feira (19/9) uma nova greve em protesto contra a unificação da Secretaria da Receita Federal e da Receita Previdenciária. Segundo a assessoria de imprensa do Sindireceita — Sindicato Nacional dos Técnicos da Receita Federal, a paralisação tem adesão de 90% da categoria em todo o país.

A Super-Receita foi instituída pela Medida Provisória 258, que entrou em vigor no dia 15 de agosto. Desde então, é alvo de constantes protestos de advogados, procuradores, auditores fiscais e técnicos da Receita, que questionam a unificação das duas secretarias.

Esta é a segunda paralisação dos técnicos da Receita Federal, que já haviam parado as atividades em julho e agosto. A previsão é de que a greve se estenda até o dia 1º de outubro.

“O texto da MP não reconhece nem mesmo parte das nossas atividades profissionais. Continuamos qualificados de forma genérica, o que não confere identidade ao nosso cargo, desestimula os seus membros, compromete o futuro da carreira e prejudica a Instituição. A proposta de alteração apresentada pelo governo para a nossa categoria apenas troca o termo ‘auxiliar’ por outros que têm o mesmo significado”, disse o presidente do Sindireceita, Paulo Antenor de Oliveira. “Só retornaremos ao trabalho após obtermos garantias formais de que teremos nosso trabalho reconhecido”, conclui.

Conseqüências

Para o presidente do Sescon — Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo, Antônio Marangon, a paralisação dos técnicos da Receita Federal do Brasil aumenta ainda mais o atraso no atendimento de mais de 40 dias. O principal afetado é o contribuinte.

“A greve agrava ainda mais os problemas de atendimento do órgão que já estava praticamente paralisado, em especial, no atendimento ao registro e liberação do CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, entre outros serviços, que corresponde à abertura, cancelamento, baixa e alteração de dados cadastrais”, diz. Segundo ele, por exemplo no caso do CNPJ, muitas empresas que já estão constituídas ficam impossibilitadas de funcionar por não conseguirem a liberação do documento necessário.

O Sescom enviou ofício ao superintendente da Receita Federal em São Paulo, Edmundo Spolzino, no último dia 15, apontando as reclamações que o sindicato recebe dos associados. Segundo Marangon, os empresários acabam responsabilizando os contadores pela paralisação do atendimento da Receita.

“Certos estamos de que o cidadão brasileiro que paga seus impostos em dia, e de maneira exacerbada, como todos sabemos, merece respeito e consideração.”




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de setembro de 2005, 17h36

Comentários de leitores

3 comentários

A greve dos técnicos não é por aumento de salár...

Rodrigo (Funcionário público)

A greve dos técnicos não é por aumento de salário e sim por reconhecimento das funções da categoria na lei.

É um ótimo momento para exonerar/mandar prá cas...

Ezequiel (Contabilista)

É um ótimo momento para exonerar/mandar prá casa a maioria dos técnicos deste e de outros órgãoes públicos que via de regra possuem muito tempo de carreira e já passou da hora de dar lugar para outros brasileiros muito mais qualificados do que os que aí estão. Abaixo a estabilidade privilegiada. O Brasil não pode suportar tanta imconpetência por muito mais tempo. Renovação já. Qualificação já.

Servidor público toma posse num dia, e no dia s...

Mguima ()

Servidor público toma posse num dia, e no dia seguinte já está reclamando de tudo, diz "nossa função é tãããão importante para a sociedade, mas a gente ganha tãããão pouco". Nunca passa pela cabeça deles que eles têm um trabalho muito mais fácil do que quem está na iniciativa privada: eles têm estabilidade, podem cumprir seu horário à risca (deixam cair a caneta no fim do expediente), ausentam-se da repartição quando bem entendem, normalmente têm um chefe benevolente, não têm metas e objetivos definidos para cumprir. Tudo na vida tem suas compensações, e mesmo se o salário deles fosse baixo (e na verdade não é!), o fato é que o trabalho deles também não é tão desgastante quanto o trabalho na iniciativa privada.

Comentários encerrados em 27/09/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.