Consultor Jurídico

Corrupção no Congresso

Leia a íntegra da defesa de José Dirceu nas CPMIs

Por 

O advogado Rogério Lanza Tolentino e o Sr. Ivan Guimarães, demais personagens que participaram da compra e venda do imóvel, excluíram publicamente o Requerente de qualquer participação no episódio, desvinculando-o por completo de uma eventual ligação com o Sr. Marcos Valério.

9. Roberto Marques:

A inaceitável seletividade com que o relatório parcial desfila as provas fica evidente ao mencionar “a coincidente referência a Roberto Marques, seu assessor, em remessa de numerário a São Paulo, pela SMP&B” (os grifos são dos signatários).

A aparição do nome do Sr. Roberto Marques, amigo do Requerente e não assessor, não reflete coincidência, mas sim clara armação para atingi-lo, e que contou com um sem número de falsas informações irresponsavelmente veiculadas na imprensa.

Um dos integrantes da CPMI dos Correios, o Deputado Carlos Abicalil, explicitou, em nota divulgada em 30 de julho, que o suposto documento usado para envolver o Sr. Roberto Marques, e, de quebra, atingir o Deputado José Dirceu, possui sua autenticidade sob suspeição:

“NOTA À IMPRENSA

Em face à publicação da reportagem "Aonde Dirceu vai... Bob vai atrás", publicada na edição desta semana da revista Veja, faço os seguintes esclarecimentos:

1) a revista não publicou o inteiro teor de minhas explicações sobre o documento em que consta o nome Roberto Marques como autorizado a sacar dinheiro enviado pela empresa SMPB no Banco Rural;

2) a autenticidade de tal documento está sob suspeição pelos seguintes motivos:

a) não guarda nexo com os saques e a movimentação bancária;

b) as assinaturas de autorização não conferem com o padrão das demais autorizações;

c) não consta entre os papéis outro documento que confirme a condição de sacador pela pessoa supostamente autorizada;

3) por essas razões, a CPMI não considera tal documento como válido para dar suporte às constatações sobre os saques.

Carlos Abicalil” (os grifos são dos signatários).

Salienta-se, ainda, que a diretora financeira da SMPB Comunicação, Sra. Simone Vasconcelos, ouvida na CPMI dos Correios, negou eventual envolvimento do Sr. Roberto Marques.

É inaceitável que o relatório parcial seja tão contraditório a ponto de ignorar as contundentes ressalvas de seus próprios membros e trabalhos, insistindo em transformar um papel flagrantemente suspeito e sem valor numa prova contrária ao Requerente.

10. Furnas:

O relatório parcial aceita as inventivas palavras do Deputado Roberto Jefferson para imiscuir o Requerente em um esquema de desvio de recursos de estatais, citando especificamente um suposto episódio ligado a Furnas.

O Deputado Roberto Jefferson narrou um encontro com o diretor de Furnas, Sr. Dimas Toledo, que lhe teria detalhado o suposto esquema de desvio de “Furnas”, que movimentaria três milhões de reais por mês. O Sr. Dimas Toledo, erigido ao cargo de diretor de “Furnas” por indicação do governador Aécio Neves (PSDB/MG), negou em absoluto tal fato.

Mas não foi apenas o Sr. Dimas Toledo que negou as acusações do ex-presidente do PTB. Integrantes de seu próprio partido desmentem o Deputado Roberto Jefferson, como se vê das declarações do deputado Osmânio Pereira ao jornal “O Globo”:

“Na conversa, em abril, foi Jefferson quem pediu ao Dimas recursos para campanhas eleitorais. Dimas não concordou. Agora, Jefferson inverteu a história — afirmou Osmânio, ao retrucar acusação de ser um dos deputados que receberia dinheiro desviado de Furnas” (os grifos são dos signatários).

A estatal de “Furnas” realizou sindicância interna e apurou que os gigantescos desvios de três milhões de reais mensais nunca existiram e, ainda mais, são inexeqüíveis. Os resultados foram publicamente divulgados em 15 de julho:

“Nota Oficial

A Comissão de Sindicância Interna, formada por empregados de carreira de FURNAS, entregou ontem, 14 de julho de 2005, ao presidente da Companhia, José Pedro Rodrigues de Oliveira, os cinco volumes que integram o relatório final sobre a apuração das denúncias acerca da existência de eventuais "sobras financeiras" alimentadoras de atividades político-partidárias, veiculadas em órgãos de imprensa nacional.

A Comissão concluiu, por meio de relatos testemunhais de Diretores e Superintendentes, análises de dados e exposições relativas à sistemática de licitações, contratos e pagamentos, que fica expressa a "impraticabilidade de transferência de recursos da tesouraria da Companhia para qualquer beneficiário interno ou externo, assim como a possibilidade de superfaturamento".

Este relatório será entregue a partir de segunda-feira, 18 de julho de 2005, à Eletrobrás e ao Ministério de Minas e Energia, assim como a autoridades dos Poderes Judiciário, Legislativo e à Comissão de Ética Pública do Governo Federal.” (os grifos são dos signatários).




Topo da página

Leonardo Fuhrmann é repórter da revista Consutor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 9 de setembro de 2005, 17h46

Comentários de leitores

5 comentários

Este partido chamado "PT", deve ser exonerad...

Vidal (Professor)

Este partido chamado "PT", deve ser exonerado, devido as más qualidades de desenvolvimento, oriundo de pessoas que vieram de asilos politicos e conviveram com o terrorismo contra a Nação, O Dirceu, como foi mostrado sua ficha, para retornar ao Brasil teve que fazer operação plástica, Genoino foi preso na guerrilha, mas através de um militar todos foram absolvidos, ainda por cima o Brasilileiro está tipo criança quando começa a andar e falar, faz tudo através dos mais velhos (pais) que vão ensinando os comportamentos e deveres e atitudes. Estas pessoas que se dizem que lutam pelo trabalho é só um espelho, este "PRESIDENTE", em comicios fez tantas declarações, que hoje está uma "NEGAÇÃO", portanto o "BRASILEIRO" não deve copiar igual aos EUA e sim olhar ao seu redor, ver; analizar; agir, nunca andar na reta, sempre verificando o seu pizar e ao subir fazer os seus galhos.

Senhores, eu votei no PT e já fiz de vontade pr...

JPLima (Outro)

Senhores, eu votei no PT e já fiz de vontade própria até, 1989, propaganda para o PT. Hoje, eu afirmo e uso no meu carro Slogan "PT nunca mais" com toda consciência do erro cometido. O sonho acabou, ou melhor acabaram com nossa esperança, o próprio PT. Acreditar que esse "Bando" que o Lula colocou no Planalto para Governar o País iria realizar as mudanças necessarias para diminuir as desigualdades foi Utopia. Concordo com o comentário do Dr. Itamar. Por fim ainda bem que o Zé Dirceu é candidato pelo Estado de SP, e não de um Estado da Região Norte ou Nordeste. Se não for cassado, eu acredito que será, vamos esperar pela Justiça dos eleitores paulista em 2006. PT nunca mais.

A peça dos advogados deve ser indeferida. Pr...

itamar (Advogado Autônomo)

A peça dos advogados deve ser indeferida. Primeiro, por excesso; quem se explica muito é porque não tem razão. Segundo, porque não esclarece por que o deputado Dirceu saiu do Ministério após o deputado Jefferson dizer: "Zé, sai daí, e sai rápido". Terceiro, por desconhecer que o julgamento político não exige prova inatacável. Quarto, por pedir depoimento na CPMI, para se defender; CPMI não é foro para se defender; foro político para se defender é a Comissão de Ética.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/09/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.