Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

Concordo com o comentário feito pelo Dr. Andreu...

Angela (Advogado Associado a Escritório)

Concordo com o comentário feito pelo Dr. Andreucci.

Eu mandei email pra OAB paulista e nada de resp...

Priscila -JFSP (Outros)

Eu mandei email pra OAB paulista e nada de respostas. Um bando de inútil, só sabem cobrar anuidades, ferir o art. 5º XX da CF, que dispõe que "ninguém será completido a associar-se ou a permanecer associado" !!! Pra eles, violar direitos e garantias individuais é normal mesmo....

Mesmo fazendo ressalvas sobre os métodos como f...

Órion (Oficial de Justiça)

Mesmo fazendo ressalvas sobre os métodos como foi feito o referendo, reconhecendo inclusive que deve ser debatida a criminalidade no Brasil e reconhecendo que o tráfico ilegal de armas contribui para armar o crime organizado, a OAB/SP se posiciona a favor do SIM. Ainda acrescenta: “O debate sobre o referendo não pode ficar no campo ideológico, uma vez que para toda população, as grandes causas que precisam ser defendidas são a redução da violência, a preservação da vida e a valorização da cidadania.” Imaturo e precipitado o posicionamento.

MARCELO RIBEIRO VETA TRECHO DE PROPAGANDA DO RE...

João Luís V Teixeira (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

MARCELO RIBEIRO VETA TRECHO DE PROPAGANDA DO REFERENDO Brasília, 10/10/2005 - O ministro Marcelo Ribeiro deferiu em parte medida liminar para suspender a veiculação do trecho da propaganda gratuita da frente parlamentar "Por um Brasil Sem Armas" onde diz que é permitido a qualquer proprietário de arma de fogo comprar munição. A decisão é válida até o julgamento final da representação 818. Segundo o ministro do TSE a pergunta e a resposta, como divulgadas, veiculam, informação sabidamente inverídica. Ao julgar a representação ajuizada pela frente "Pelo Direito da Legítima Defesa", o ministro do TSE observou que a resposta sem qualquer ressalva quanto ao adquirente, induz a população ao erro. Ele explicou que "somente as pessoas e entidades indicadas no artigo 6º do Estatuto do Desarmamento poderão, caso aprovada a proibição constante do artigo 35 da referida lei, comprar munição. Isto está claro na redação do próprio artigo 35". Em sua decisão, o ministro Marcelo Ribeiro determina a imediata suspensão da veiculação do trecho do programa em que se formula a pergunta: quem já possui uma arma poderá comprar munição? e a respectiva resposta. No mesmo despacho, o ministro negou liminar para conceder direito de resposta à frente "Pelo Direito da Legítima Defesa".

A matemática é simples: menos armas nas mãos do...

Andreucci (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

A matemática é simples: menos armas nas mãos dos cidadãos honestos=mais criminosos audazes e destemidos=mais criminalidade=mais clientela para os advogados. Viva o Brasil!

Comentar

Comentários encerrados em 18/10/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.