Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reação imediata

PT reage a reportagem sobre ligação de militantes com as Farc

A reportagem que aponta ligações entre militantes petistas e as Farc -- Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, publicada pela revista Veja que chegou às bancas neste sábado (12/3), provocou reação imediata da cúpula do partido. Em nota oficial, o PT declarou repúdio ao texto da semanal.

O presidente do partido, José Genoíno, que assina a nota, afirma que “o Partido dos Trabalhadores não tem e jamais teve relações financeiras com as Farc”. Segundo ele, o PT também não apóia “qualquer saída para a longa situação de beligerância vivida pelos colombianos que não esteja baseada em um acordo democrático, pacífico e constitucional”.

Segundo a reportagem de Veja, um dos documentos da Abin -- Agência Brasileira de Inteligência obtidos pela revista mostra que, em dia 13 de abril de 2002, um grupo solidário com as Farc fez uma reunião numa chácara nos arredores de Brasília.

O texto informa que “na reunião, que teve a presença de cerca de trinta pessoas, durou mais de seis horas e acabou com um animado forró, o padre Olivério Medina, que atua como uma espécie de embaixador das Farc no Brasil, fez um anúncio pecuniário. Disse aos presentes que sua organização guerrilheira estava fazendo uma doação de 5 milhões de dólares para a campanha eleitoral de candidatos petistas de sua predileção”. A reportagem lembra que faltavam menos de seis meses para a eleição.

A revista descreve que, dos seis documentos obtidos, três fazem menção explícita à doação de US$ 5 milhões. O texto ressalta que a apuração comprovou que a reunião de fato ocorreu. Mas, apesar de a doação financeira ser dada como realizada pelos documentos da Abin, a reportagem não achou “indícios suficientemente sólidos de que os 5 milhões de dólares tenham realmente saído das Farc e chegado aos cofres do PT”.

Leia a íntegra da nota

Nota oficial

1 - O Partido dos Trabalhadores vem a público declarar seu repúdio à matéria de capa publicada pela revista Veja desta semana, intitulada “Tentáculos das Farc no Brasil”. A referida reportagem, ao arrepio da verdade, trata de estabelecer supostos vínculos financeiros entre petistas e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. Esta intenção inescrupulosa está registrada sob o título: “Espiões da Abin gravaram representante da narcoguerrilha colombiana anunciando doação de 5 milhões de dólares para candidatos petistas na campanha de 2002”.

2 - A matéria tem como única fonte um lote de supostos documentos da Abin, eventualmente elaborados por agente infiltrado em uma festa, na qual o padre Olivério Medina, apresentado como “embaixador” das Farc em território brasileiro, teria declarado sua intenção de apoiar financeiramente candidatos petistas nas últimas eleições gerais. Não há, no entanto, reprodução de algum destes documentos: a revista alega, segundo consta do próprio texto, que foi esta a pré-condição para que tivesse acesso às presumidas “informações secretas”. Tampouco qualquer das testemunhas presentes à festa citada, das diversas ouvidas por Veja, corrobora o fato narrado pela revista, sequer apelando para o sigilo de uma declaração em off.

3 - Não bastasse a irresponsabilidade no levantamento dos fatos, que são levados ao leitor sem evidências ou provas sustentáveis, a reportagem fica definitivamente desmascarada quando revela, com todas as letras, a revista “não encontrou indícios suficientemente sólidos de que os 5 milhões de dólares tenham realmente saído das Farc e chegado nos cofres do PT”. Logo a seguir, o artigo assinado por Policarpo Jr. esclarece o que entende por “suficientemente sólidos”, ao deixar claro que “a investigação de Veja não avançou um milímetro” na comprovação desta suposta movimentação financeira. Mesmo assim, os editores da publicação não hesitaram em estampar, na capa da revista, como um fato averiguado, que o representante das Farc anunciou a doação milionária para petistas.

4 - Vale lembrar que a exploração deste tema, as relações da guerrilha colombiana com o PT, não é uma novidade. Nas eleições presidenciais de 2002 o então candidato do PSDB, José Serra, também foi por este caminho, em seu programa de televisão. O Tribunal Superior Eleitoral considerou denúncia vazia sua desesperada tentativa eleitoreira, concedendo imediato direito de resposta ao nosso partido. Também não se deve esquecer que os supostos documentos que teriam inspirado a revista Veja foram datados em 25 de abril de 2002, quando era presidente da República o sr. Fernando Henrique Cardoso e muitos arapongas andavam como serpentes pelo país, em busca de alguma situação que pudesse impedir a livre vontade do povo brasileiro de votar por mudanças.

5 - Por fim, em respeito à opinião pública, reiteramos que o Partido dos Trabalhadores não tem e jamais teve relações financeiras com as Farc. Tampouco apóia, no país vizinho, qualquer saída para a longa situação de beligerância vivida pelos colombianos que não esteja baseada em um acordo democrático, pacífico e constitucional. O PT tem posição histórica contra o terrorismo de Estado ou de grupos armados. No mais, são inumeráveis as provas de que a política do PT é marcada pelo respeito à auto-determinação dos povos e à soberania das nações, a partir de uma política de não ingerência nos assuntos internos de cada país. Em nenhuma hipótese aceitaríamos, portanto, que nossa vida política sofresse a interferência de governos ou grupos estrangeiros de qualquer origem.

6 - Consideramos a reportagem da revista Veja, pelo motivos apresentados, uma agressão à verdade dos fatos, à honra do Partido dos Trabalhadores e à ética jornalística. Aventuras deste naipe prejudicam a vida democrática de nosso país.

São Paulo, 12 de março de 2005

José Genoino Neto

Presidente Nacional do Partido dos Trabalhadores

Revista Consultor Jurídico, 12 de março de 2005, 19h51

Comentários de leitores

5 comentários

"O PT tem posição histórica contra o terrorismo...

Tiago Borges dos Santos (Estagiário - Empresarial)

"O PT tem posição histórica contra o terrorismo de Estado ou de grupos armados." Bom, o MST pode ser classificado como o quê? Realiza invasões a propriedades particulares e públicas, toma reféns em agências bancárias e sedes regionais do INCRA, realiza bloqueios em estradas (cobrando pedágio para liberar onibus de turismo), descumpri ordens judiciais e reage com força armada à reintegrações de posse. E tudo isso com o respaldo de Brasília, que assiste com conivência à esses atos. Não é necessário traçar um paralelo entre o MST e o atual Governo Federal. É fato notório.

O curioso é que Nixon foi forçado a renunciar p...

João Paulo da Silva (Estudante de Direito)

O curioso é que Nixon foi forçado a renunciar porque colocou a CIA e o FBI para arapongar a oposição (Partido Democrata). Já aqui...

Não é a divulgação de fatos relatados em docume...

lmgá pr (Advogado Autárquico)

Não é a divulgação de fatos relatados em documentos que afetam a democracia nacional, como alega o PT. Ao contrário, a sua publicação em uma revista como a Veja traz à tona o que todos os cidadãos brasileiros anseiam por saber: realidade política nacional. Está áí uma das razões pelas quais o governo petista fez inúmeros contorcinismos pela aprovação legislativa do Conselho Nacional de Jornalismo: para abafar casos como este, e punir quem se atreve a publicá-los. É o retorno à ditadura!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/03/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.