Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prestação jurisdicional

Desembargador aplica regra da reforma e concede HC em restaurante

O julgador não pode se negar a analisar pedido urgente independentemente de estar ou não no tribunal. Caso contrário, é responsável por dano eventualmente causado pela demora na prestação jurisdicional. A regra, prevista na reforma do Judiciário, foi aplicada pelo desembargador André Fontes, da 2ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

Ele concedeu liminar em pedido de Habeas Corpus ajuizado pelo empresário Francisco Recarey para revogar a ordem de prisão expedida pela primeira instância do Rio de Janeiro. A liminar foi dada depois do expediente do desembargador em um restaurante da capital fluminense, onde ele foi encontrado pelos advogados do empresário. A informação é do site do TRF-2.

Para o desembargador, os pedidos de Habeas Corpus -- principalmente quando envolvem o direito constitucional de ir e vir -- têm de ser analisados o mais rápido possível. Segundo ele, o juiz não pode se omitir, sob qualquer justificativa, de proferir decisão para impedir que o cidadão sofra dano de difícil reparação.

O desembargador determinou que o empresário entregasse seu passaporte à Justiça e o impediu de sair do Rio de Janeiro sem autorização judicial.

Ele lembrou que o acusado foi condenado em primeira e segunda instâncias a uma pena restritiva de direitos de três anos por crime contra a ordem tributária. Segundo ele, não se justificaria que ficasse restringida, por decisão monocrática, sua liberdade -- já que nem no julgamento do mérito o réu foi condenado a prisão.

Revista Consultor Jurídico, 8 de março de 2005, 13h26

Comentários de leitores

2 comentários

Parabéns ao Ilustre Magistrado e que seu exempl...

Ayrton José Cabral (Advogado Autônomo - Tributária)

Parabéns ao Ilustre Magistrado e que seu exemplo seja seguido pelos demais.

Atitude exemplar a ser seguida por todos os mag...

Gilwer João Epprecht (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Atitude exemplar a ser seguida por todos os magistrados. Uma resposta especialmente dirigida aos afetados com a síndrome da juizite que se negam a receber e atender os advogados no exercício de sua função, como demonstrado no último boletim de nossa gloriosa AASP. Este ilustrado e culto membro de nosso poder judiciário não se sentiu incomodado com a presença de um advogado até fora de seu ambiente de trabalho. Atendeu seus reclamos com a maior presteza em defesa de seu cliente. Parabens Sr. Desembargador, sua atitude dignifica a justiça e faz reviver o direito que nossa classe tanto luta para ver prevalecer.

Comentários encerrados em 16/03/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.