Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Depoimento à Polícia

Leia trecho de depoimento em que juiz diz que matou acidentalmente

“Ao tentar entrar no supermercado, fui abordado pelo vigia, que não me permitiu entrar. Naquele momento me identifiquei como juiz de Direito e ele me disse que eu poderia ser juiz lá no foro, mas ali eu não iria entrar. Depois de alguma insistência, o gerente veio e permitiu minha entrada. O vigia me acompanhou e me destratou algumas vezes enquanto me dirigia às compras. Tentei chamar a Polícia e o adverti que poderia mandar prendê-lo. Em seguida houve um bate-boca e a arma acabou disparando acidentalmente”.

A afirmação foi feita pelo juiz Percy Araújo, que matou o vigia José Renato, em Sobral (Ceará), no dia 27 de fevereiro. Trechos do depoimento do juiz foram publicados no jornal Diário do Nordeste.

O depoimento de uma das testemunhas contradiz a versão da defesa de que o juiz de queria apenas prender o vigia e de que o tiro teria sido disparado acidentalmente, segundo o site Espaço Vital. “Ele falou assim: você me humilhou. Ele respondeu que não humilhou que era o trabalho dele. Pediu para que não matasse ele, mas o cara diz que ia matar e pronto, chegou perto, pegou o revólver e matou ele”.

A Polícia de Ceará está analisando novos trechos das imagens do circuito interno do supermercado. As imagens mostram o juiz momentos antes de cometer o assassinato.

De acordo com o delegado regional de Sobral, Runanir Pontes Filho, a perícia do local onde o vigia foi assassinado ficou comprometida. O circuito interno de TV registrou, antes da chegada da Polícia Civil, a limpeza da área em que aconteceu o crime.

Segundo o delegado, o crime aconteceu por volta das 22h e a perícia chegou ao supermercado por volta da 0h30. Porém, antes disso, por volta da 0h10, o corpo foi levado ao Instituto Médico Legal. A cena do crime foi desfeita entre 22h e 0h10. Além dessas constatações, as imagens do vídeo reforçam a tese de que o crime foi cometido intencionalmente pelo juiz.

Pouco antes do disparo, Percy Araújo aparece na porta do estabelecimento ao lado de duas mulheres e, mesmo depois de discutir com o vigia, se mostra calmo e fala com alguém pelo celular. Araújo vai até o carro e volta para o supermercado. As imagens mostram ainda o comerciante Carlos Sotero Pessoa próximo do juiz.

Revista Consultor Jurídico, 7 de março de 2005, 11h12

Comentários de leitores

3 comentários

Lamentável e estarrecedora cena que não permite...

Stanley Marx (Advogado Associado a Escritório)

Lamentável e estarrecedora cena que não permite outra interperetação que não ao do homicídio doloso perpetrado por um ser humano cônscio do ato. O Brasil padece com o comportamento inceitável de alguns seres que se acham deuses por exercerem uma função pública. Nesse sentido, não apenas juízes, mas inúmeros agentes políticos. A miséria nacional clama por mudança de paradigma, porquanto, nada obstante o leniente comportamento ora existente, caminha, gradativamente, a sociedade para a conturbação social que já envia anúncios mil... O julgamento deste cidadão há de servir de exemplo para toda a sociedade, mormente no que concerne à mitigação da corrupção que se alastra e consolida aimpressão de que estaremos retornando ao estágio da autotutela. Espera-se vergonha!

ou o juiz acha que somos burros ou que temos de...

Guilherme Antonio Archanjo (Advogado Autônomo - Civil)

ou o juiz acha que somos burros ou que temos deficiencia visual, pois seu depoimento alem de ser um ato de desespero, beira o ridiculo, pois o mesmo esta brigando contra as imagens que mostram o contrario do que ele disse. até quando pessoas como ele estarão convivendo na nossa sociedade?

O vídeo exibido por diversas emissoras de TVS, ...

Ageu de Holanda Alves de Brito (Professor Universitário - Empresarial)

O vídeo exibido por diversas emissoras de TVS, mostram o Juiz empunhando uma arma e apontando para a cabeça da vítima, porém, o fato da arma disparar não é culpa ou dolo do Juiz. Que absurdo, hein?

Comentários encerrados em 15/03/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.