Consultor Jurídico

Nomes iguais

Fabricas de cosméticos brigam pela marca Fructis no RS

A empresa de cosméticos SGM deve retirar de circulação os produtos com a marca Frutas, considerada um plágio da marca Fructis, da Garnier. A decisão é da desembargadora Ana Beatriz Iser, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul que, decisão anterior, já havia proibido a SGM de usar a marca Frutis, pelo mesmo motivo.

Para contornar a proibição da justiça, a SGM substituiu os rótulos com a marca Frutis por outro semelahnte com o nome Frutas. A desembargadora entendeu que a marca Frutas é semelhante e continua imitando o produto da Garnier. Além disso, Ana Beatriz declarou que deverá ser retido 30% da renda líquida diária da empresa para compor o pagamento da multa pelo descumprimento da ordem judicial que proibia os cosméticos de circulação.

A empresa de cosméticos Garnier — representada pelo advogado Alexandre Lyrio, do escritório Castro & Barros — moveu ação com pedido de indenização para que fosse retirado do mercado os shampoos e demais produtos lançados pela SGM contendo a marca Frutis. Alegou uma escancarada imitação,com a marca Fructis da Garnier e pediu que fosse proibida a produção e comercialização dos produtos.

A primeira instância negou o pedido alegando que a Garnier deveria ter comprovado que a SGM tinha condições de suportar a medida. A Garnier entrou com o Agravo de Instrumento e a desembargadora Ana Beatriz Iser concedeu a tutela requerida para proibir a SGM de produzir, distribuir e comercializar quaisquer produtos com a marca Frutis sob pena de pagamento de multa de R$ 10.000,00 por dia, além de exigir a retirada imediata daqueles produtos do mercado.

A decisão de retirar os produtos foi desobedecida pela SGM. A Garnier obteve notas fiscais de compras entre 8 de junho de 2004 e 16 de outubro de 2004 que comprovavam que produtos da SGM com a marca Frutis ainda estavam sendo vendidos.

Nessa ultima decisão, Ana Beatriz Iser não só determinou novamente a apreensão dos produtos, mas também a penhora de parte da renda líquida da empresa como pagamento pela desobediência da ordem judicial.

AI 70.008.967.366




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 30 de maio de 2005, 18h53

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.