Consultor Jurídico

Rondônia em crise

Afastamento de governador de RO em caso de denúncia é legal

O dispositivo da Constituição de Rondônia que determina que o governador do estado seja suspenso de suas funções se o Superior Tribunal de Justiça receber a denúncia ou queixa-crime contra ele no caso das infrações penais comuns, é constitucional. O parecer é do procurador-geral da República, Claudio Fonteles, que opinou contra a Ação Direta de Inconstitucionalidade que questiona o artigo 67 da Constituição de Rondônia.

A ação, com pedido de medida liminar, foi proposta pelo governador de Rondônia, Ivo Cassol (sem partido). Para Fonteles, a medida estadual não viola a Constituição Federal e a ADI deve ser declarada improcedente. As informações são do Ministério Público Federal.

Cassol argumenta que o artigo 67 da Constituição estadual dispõe sobre direito penal e processual, matéria de competência privativa da União, de acordo com o artigo 22 da Constituição Federal.

O procurador-geral da República afirma, entretanto, que a norma de Rondônia não possui caráter penal ou processual. Isso porque o dispositivo não implica nenhuma inovação ou interferência na ordem penal e processual vigente.

“A regra produz efeitos apenas no âmbito político-administrativo. Seu conteúdo constitui mera reprodução da regra inscrita no artigo 105, I, a, da Constituição, que atribui ao STJ competência para processar e julgar, originalmente, os governadores de estado nos crimes comuns”, diz o procurador-geral. O parecer de Fonteles será analisado pelo ministro Marco Aurélio, relator do caso no Supremo Tribunal Federal.

ADI 3.427





Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de junho de 2005, 14h35

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/07/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.