Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

A "santa" inquisição tb tinha seus defensores. ...

BASILIO (Advogado Sócio de Escritório)

A "santa" inquisição tb tinha seus defensores. A ditadura militar até hoje conta com ferrenhos defensores. Faz parte do regime democrático. Nós advogados não temos armas, não temos a polícia, alíás, nós não temos é absolutamente nada, nem o judiciário, pelo contrário. Mas temos coragem ! E quem tem coragem não teme o arbítrio, trata-o como inimigo. (p.s.: será q o digno procurador sabe da história da cafeira apreendia num escritorio de advocacia, com "ORDEM" JUDICIAL????)

Com a devida licença, o palavreado utilizado pe...

Não à Hipocrisia (Outros)

Com a devida licença, o palavreado utilizado pelo insigne Procurador da Repúlica é em tese tão ou mais "ofensivo" que os protestos feitos pelos advogados. O comentário enviado pelo Dr. Luciano Busato acima ilustra essa constatação, uma vez que o causídico manifesta toda sua indignação com as declarações dadas pelo Procurador. Ora, se o ilustre representante do MPF em Taubaté entende ser necessária a instauração de inquerito civil público para apurar "se houve ou não uma agressão à instituição" (referindo-se à Justiça e à Policia Federal), deveria ele, também, pôr "a mão na consciência" e lembrar que qualquer cidadão (autoridade ou não) está sujeito a ter de reparar os danos morais causados a instituições, indivíduos ou coletividades - dentre os quais a OAB e os próprios advogados. Assim, sugerimos que instaure um Inquérito Civil para apurar "se houve ou não uma agressão à instituição" (OAB e advogados) em razão das expressões por ele utilizadas ao fazer referência à OAB, aos advogados e seus escritórios.

Neste momento delicado, onde exemplos de autori...

Ottoni (Advogado Sócio de Escritório)

Neste momento delicado, onde exemplos de autoritarismo marcam até as atividades sempre distinguidas pela defesa do Direito e da cidadania, não consigo afastar da memória a figura inesquecível de Raimundo Pascoal Barbosa. Advogado e tribuno cuja coragem marcou sua época na advocacia dos negros anos de chumbo, quando atuou na defesa de inúmeros colegas, perseguidos pela ignorância da ditadura. Era uma figura maiúscula, cuja presença no cenário político da época certamente impediu violências como as que se perpetram agora, com a invasão de escritórios de advocacia. Nosso ministro da Justiça, outro destemido advogado de perseguidos políticos naquela obscura época, também vítima de um absurdo processo perante a Justiça Militar derivado do exercício impávido da advocacia, foi defendido por Raimundo Pascoal Barbosa. Naquela ditadura, graças a esses e outros advogados, nenhuma autoridade teve o atrevimento de invadir os arquivos invioláveis da advocacia. Que falta o cearense nos faz agora!!!

Se de fato esse representante do Ministério Púb...

Felipe (Advogado Autônomo - Criminal)

Se de fato esse representante do Ministério Público estiver falando em nome de toda a instituição, devemos ter esperança e fé para que eles nunca consigam o direito de investigar suspeitos como se polícia civil ou federal fossem. O Estado Democrático de Direito sofreria um colapso, pois teríamos um quarto Poder. Mas o piór não é isso. Esse "quarto poder" entenderia não ser necessário conviver harmonicamente com os demais e com as outras instituições, afinal, na visão deles, somente o MP é que defende os interesses sociais. Que absurdo... Como cidadão não tenho visto o MP atuar como um representante dos interesses coletivos da sociedade. Apesar de respeitar demais o trabalho dos promotores, acho que as vezes eles confudem as coisas. Espero, sinceramente, que este procurador não esteja falando em nome de toda a Instituição.

Comentar

Comentários encerrados em 5/07/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.