Consultor Jurídico

Mensalão de Rondônia

Fita revela que governador de RO tentou comprar deputados

O caso do mensalão de Rondônia deve sofrer uma reviravolta e transformar de acusador em acusadoo o governador do estado, Ivo Cassol (PSDB). Fitas apreendidas pela Polícia Federal na casa de Ivo Cassol, e das quais o jornal eletrônico Rondoniagora obteve uma cópia, mostram o governador fazendo propostas de pagamento aos deputados em troca de apoio: “A proposta de oportunidade é única, R$ 50 mil para cada deputado”, oferece Cassol ao deputado Amarildo Almeida.

As fitas apreendidas pela PF estão em estado bruto, sem edição. No dia 15 de maio, o Fantástico, da Rede Globo, mostrou uma série de imagens de uma fita editada e entregue pelo governador, em que deputados apareciam pedindo o pagamento de propina em troca de apoio ao governo. No dia da exibição, uma liminar concedida pela Justiça de Rondônia a um grupo de deputados impediu a divulgação das cenas de corrupção explícita no estado.

O que se revela agora, com as imagens originais gravadas pelo próprio governador, é que a iniciativa do suborno partiu dele e que a edição do Fantástico cortou as imagens que poderiam comprometê-lo ou atenuar a participação dos deputados.

Segundo o Rondoniagora, na fita original, o dialogo entre Cassol e Almeida termina com o deputado recusando a oferta: "Então se tem um acordo dessa natureza, o senhor já pode contar com R$ 50 mil a menos". Na fita divulgada pela Globo, o deputado Chico Paraíba aparece como um dos que teriam tentado extoquir o governador. Na fita original, Cassol revela a vários parlamentares que Chico Paraíba não pediu dinheiro, mas sim emendas para sua região: "Risca esse aqui que já conversei com o Chico ontem", diz o governador. Esta parte do diálogo foi cortada na edição da Globo.

De acordo com outro jornal de Porto Velho, Folha de Rondônia, em depoimento à Comissão de deputados que investiga as denúncias de corrupção contra os deputados, Cassol teria confirmado que Amarildo Almeida e outros dois parlamentares que aparecem na lista de corruptos divulgada pelo Fantástico não lhe pediram dinheiro, mas a liberação de verbas para projetos de interesse de seus eleitores.

Confira um trecho do diálogo de Ivo Cassol e o deputado Amarildo Almeida, que não foi ao ar

Cassol — Estamos conversando com os demais, ai temos que ver uma proposta ai. A proposta de oportunidade é única, R$ 50 mil para cada deputado. Os 14. Aí quero trabalhar com cada um em separado...

Interrompido por Amarildo — Governador deixa eu falar um negócio pro senhor. Numa proposta dessa eu nem iria vir falar com o senhor porque pra mim não serve. Estou sendo sincero com o senhor. Não, estou sendo sincero com o senhor. Eu pra sair com uma proposta dessa... Se um deputado falar pro senhor que um deputado chegar ne mim e dizer que estou vindo aqui para arrochar o senhor dizer que eu vim pra cá, não. Eu quero espaço de trabalho eu não venho pra cá. Venho pelo mandato que fui eleito. Eu tenho meus problemas, tenho. Agora por exemplo eu vou resolver meus problemas de acordo com meu salário.

Cassol — Tá certo

Amarildo — Então se tem um acordo dessa natureza, o senhor já pode contar com R$ 50 mil a menos. Agora um senhor tem um grupo lá dentro?




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de junho de 2005, 23h01

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.