Consultor Jurídico

Tráfico de drogas

Onde não há vara federal, juiz estadual pode julgar crime federal

A Justiça estadual tem competência para julgar crimes federais quando o município onde o crime foi praticado não tiver vara da Justiça Federal. Com esse entendimento, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou Habeas Corpus a um nigeriano preso por tráfico internacional de drogas em uma cidade do interior paulista onde não existe vara federal. No recurso, ele pedia a nulidade da sentença que o condenou alegando que foi interrogado por um juiz estadual e sentenciado por um juiz federal. As informações são do site do STJ.

Tobias Ama Anozie foi condenado pela 4ª Vara Criminal Federal de São Paulo a sete anos de reclusão, em regime integralmente fechado, e a 117 dias-multa. Inconformada, sua defesa impetrou HC no Tribunal Regional Federal da 3ª Região argumentando ser nula a sentença que o condenou em razão da incompetência da Justiça Federal e por ausência de interrogatório feito pelo juiz natural. O pedido foi negado.

Em nova tentativa de Habeas Corpus, dessa vez no STJ, a defesa sustentou os mesmos motivos para a nulidade da sentença, acrescentando que a não-realização de interrogatório pelo juízo federal acarretou prejuízo a Anozie, "pois o magistrado sentenciante confundiu pessoas dos acusados e as suas condutas, suas personalidades e seu estado de ânimo nos fatos".

No recurso, os advogados do nigeriano pediram que o julgamento fosse convertido em diligência, para que ele pudesse ser interrogado pelo juiz natural (da vara federal) e, assim, apresentasse suas teses defensivas. Dessa forma, alegaram, o juízo de segunda instância poderia avaliar melhor a participação do acusado no crime.

A relatora do HC, ministra Laurita Vaz, não avaliou a possível "confusão" na sentença alegada pela defesa, por tratar-se de reexame de prova, o que é vedado nesta instância, sendo ainda possível em apelação ao TRF-3. O ato se caracterizaria, afirmou, como supressão de instância.

Segundo Laurita, a lei permite a delegação da competência para o juiz estadual em se tratando de crime praticado em município que não seja sede de vara da Justiça Federal. Isso, segue a ministra, não transmuda a natureza da competência em razão da matéria (esta absoluta) para territorial (por sua vez relativa), já que o juiz estadual atua investido de jurisdição federal.

No caso em questão, a ministra Laurita afirmou que o juiz estadual era o competente para julgar o feito, já que a cidade de Itapecerica da Serra (SP), onde ocorreu o crime, não é sede de vara da Justiça Federal. No entanto os autos foram remetidos ao juiz federal, e a questão passou a ser de incompetência relativa. Ainda que incompetente em razão do local, o juiz federal é competente para julgar a ação em razão da matéria — daí a necessidade de argüição de incompetência relativa, o que não ocorreu no momento processual oportuno, tornando válida a prorrogação da competência.

Quanto à hipótese de cerceamento de defesa por Anozie não ter sido interrogado por juiz federal, a ministra afirmou que o juiz estadual detinha ambas as competências (pela matéria e pelo local) e seu ato foi ratificado pelo juiz que sentenciou o estrangeiro. Ressaltou que, no processo penal brasileiro, não vigora o princípio da identidade física do juiz. A ministra Laurita citou ainda precedentes da 5ª Turma no mesmo sentido. Seu entendimento foi seguido por unanimidade pelos demais ministros do órgão julgador.

HC 38.922





Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de junho de 2005, 18h55

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 28/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.