Consultor Jurídico

História de sucesso

Tozzini conta na Senalaw como se cria um escritório de sucesso

Por 

A história de sucesso do escritório Tozzini, Freire, Teixeira e Silva Advogados foi contada por um de seus sócios fundadores na II Senalaw- Seminário Nacional de Administração de Escritórios de Advocacia e Jurídicos. Na palestra A História de um escritório: sua cultura, filosofia e estratégia de crescimento. Syllas Tozzini falou sobre a trajetória do escritório que na prática coincide com a trajetória de sua própria vida.

O escritório, com 29 anos, tem hoje 57 sócios, 323 advogados, 341 estagiários e 10 unidades. Para Syllas Tozzini a estratégia de sucesso veio com a idéia era focar determinados nichos e mercados. “Caso contrário você tenta fazer de tudo um pouco e acaba não fazendo tudo bem”.

No início 1976, o escritório tinha somente o nome Tozzini, contava com dois advogados e um estagiário. A partir de 1990, com a participação no Programa Federal de Privatização da Usiminas, o escritório acelerou o ritmo de crescimento e mudou de configuração. Em 1995, tinha 32 advogados, número que triplicou nos três anos seguitnes e que ultrapassou as duas centenas em 2002.

“No ínicio os advogados se utilizavam somente do Direito. A partir de 90 começamos a adquirir o know how, equipe multidisciplinar e multiplicidade de informação. A gente sempre se pautou por criatividade , seja profissionalmente, na interpretação do Direito, seja na administração do escritório” afirma Tozzini.

Para ele, o escritório nunca teve preocupação com o número de advogados. O mais importante sempre foi em garantir uma estrutura sólida e de qualidade. “Tínhamos que ser gigantes porque gigante atrai gigante”. Tozzini conta que chegou a perder cliente que olhou a biblioteca do escritório que, na época, só tinha 200 livros. “Ele tinha 8 mil em Nova Iorque.”

Um dica de sucesso, ele ensina, está na idéia de ambicionar um grande negócio “Não temos aquela culpa católica de que vamos abrir um pequeno escritório, resolver alguns casos e pronto. Não. Trato o escritório como uma empresa de serviços jurídicos, voltada para ganhar dinheiro. Criamos o escritório para ficar rico”. E completa, sem complexos: “Ganhar dinheiro é bonito, é gostoso e eu me dou muito bem com dinheiro.”

Outro aspecto importante para o sucesso, está na preocupação de construir uma boa relação e boa imagem com outros escritórios, já que eles são os grandes indicadores de clientes.

Nada disso terá resultado, diz, se os advogados não estiverem realmente dispostos a trabalhar muito, a se dedicar totalmente e a desenvolver uma cultura de qualidade total dentro do escritório.E o mais importante de tudo: jamais perder o foco no cliente. “O cliente precisa ser encantado. Imagine o cliente como uma mãe. A mãe que você adora, é claro”.




Topo da página

 é repórter do jornal DCI.

Revista Consultor Jurídico, 17 de junho de 2005, 19h20

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.