Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fitas da verdade

MPF vai à Justiça para ter fitas da entrevista de Duarte à Veja

O Ministério Público Federal vai requisitar por via judicial que a revista Veja entregue as fitas com o conteúdo integral da entrevista que o ex-presidente do IRB — Instituto de Resseguros do Brasil, Lídio Duarte, concedeu ao repórter Policarpo Júnior.

A entrevista serviu como subsídio para a reportagem “Uma mentira contada na PF”. Na reportabem, Veja desmente depoimento de Duarte à Polícia Federal, no qual ele disse que as informações publicadas pela revista a respeito do esquema de corrupção no IRB para favorecer o PTB eram inventadas.

Em ofício encaminhado à semanal, na segunda-feira, (6/6), o procurador da República no Distrito Federal Bruno Acioli solicitou à direção da sucursal em Brasília a íntegra original do áudio. A Editora Abril, responsável pela publicação de Veja, enviou apenas parte do material, além de cópia da íntegra dos arquivos contidos na reportagem e as transcrições das partes da entrevista veiculadas nas páginas e no site da revista.

Veja alega sigilo da fonte para não atender ao pedido do procurador. Diz também que só identificou Duarte como fonte das informações sobre o IRB, porque ele próprio quebrou seu compromisso de sigilo. “A revista, cumprindo o compromisso do off, no qual a fonte conta o que sabe sob a promessa de não aparecer como origem das informações, não noticiou que o esquema dos 400.000 reais fora revelado por Duarte. Só o faz agora, nesta reportagem, por considerar que Duarte quebrou sua parte no compromisso, ao tentar desmentir a revista”.

Para Bruno Acioli, ao revelar sua fonte na reportagem, o sigilo deixa de ter finalidade. “O áudio é a prova da materialidade do crime de falso testemunho de Lídio Duarte, o qual manteve relações com Henrique Brandão, amigo do deputado Roberto Jefferson e suspeito de captar recursos públicos para fins políticos”, afirma o procurador da República.

Acioli e os demais procuradores da República que integram a equipe de investigação das irregularidades nos Correios intimaram Policarpo Júnior a prestar depoimento nesta quarta-feira (8/6), às 15h, na sede da Procuradoria da República no Distrito Federal.

Revista Consultor Jurídico, 7 de junho de 2005, 18h16

Comentários de leitores

2 comentários

O nobre advogado faz um comentário que nada mai...

Augustus (Outros - Consumidor)

O nobre advogado faz um comentário que nada mais representa do que o próprio papel dele na defesa de seus costumeiros e ilibados clientes. Dr. Félix, SEU TEXTO SIM É UMA PIADA. E a lei jamais deve ser um escudo para criminosos. Nem o direito a propriedade é absoluto, o que dizer do sigilo da fonte. Jamais entrarei num site de um advogado q fala tanta besteira...

Piada ainda maior é a utilização de subterfúgio...

Natalie Braz Ponsoni (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Piada ainda maior é a utilização de subterfúgios, com absoluta má-fé, a fim de não obter punição adequada aos criminosos mais perigosos do nosso país: os criminosos de colarinho branco.

Comentários encerrados em 15/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.