Consultor Jurídico

Artigos

Triste tradição

Abuso no uso de algemas pela PF não traz efeito esperado

Comentários de leitores

9 comentários

É muito fácil tecer um comentário contra as for...

Papa-Figo (Funcionário público)

É muito fácil tecer um comentário contra as forças policiais quando não há empatia. Muitos são os exemplos em que cidadãos comuns e sem antecedentes criminais matam o próximo, seja no trânsito, em uma festa, dentro de sua própria casa, etc. A gente nunca sabe do que o próximo é capaz. Qual a garantia que um desses pacatos cidadãos quando detido não vai ter um surto de desespero e colocar em risco toda uma guarnição dentro de uma viatura policial? E se ele resolve empreender fuga correndo pela rua e ao tentar ser parado for derrubado, machucando-se no chão (coitado do policial...). Ele tem que ser imobilizado sim, para ser impedido de qualquer ato que ponha em risco a si mesmo e ao policial que o está conduzindo. O que deve ser combatido são os excessos e não o procedimento normal. Só para lembrar, o policial também é um cidadão, pai de família, que sai de casa para trabalhar na defesa da sociedade. Fica aí uma série de coisas nas entrelinhas.

De um aparato repressivo que faz desaparecer de...

Fróes (Advogado Autônomo)

De um aparato repressivo que faz desaparecer dezenas de quilos de cocaína apreendida a traficantes, assim como milhões de reais, além de ter sido muito bem utilizado pelo período ditatorial, na repressão a patriotas que lutavam contra o fascismo tupiniquim, essa questão de algema passa a ser até prosaica.E dar espaço a tipos como o policial Garisto é perda de tempo. Melhor seria a imprensa apontar o ridículo das roupas pretas e óculos escuros usados pelos nossos "camisa negras". Plínio Salgdo deve estar dando pulos de satisfação em seu túmulo! Anauê.

Comentarios hipocritas!Nao e atoa q o Brasil es...

cana (Investigador)

Comentarios hipocritas!Nao e atoa q o Brasil esta deste jeito.Criminoso e criminoso,nao importa de e empresario,gerente,politico ou um simples favelado.Algema foi feita pra bandido,pra segurança dele e das forças policiais.Concordo com que a PF faz estardalhaço com suas operaçoes,nao passa de jogadas de midia,querm fazer sua propaganda.Mas criticar o uso de algemas e demais.Por isto que no Brasil vençe a impunidade.Entao quer dizer que se um empresario vai preso,nao pode algemar o "doutor",porque ele e melhor que os outros,porque tem dinheiro.Bobagem...preso e preso.Tratamento igual para qualquer um.Isto e procedimento padrao.Mas fazer oque?Se no Brasil bandido vira artista.Fica famoso.

SEMPRE UM BLA... BLA.. BLA... DAS COISAS... SO...

SDCCTBA (Comerciante)

SEMPRE UM BLA... BLA.. BLA... DAS COISAS... SOU TOTALMENTE CONTRA O USO INDISCRIMINADO DAS ALGEMAS, ACHO UM INSTRUMENTO MEDIEVAL, QUE É USADO PELAS POLICIAS MAIS COMO INSTRUMENTO VEXATÓRIO DO QUE PARA A SEGURANÇA (SEJA DO PRESO OU DA POLICIA). SIMPLES ENTÃO, AO INVÉS DE SEMPRE SE CRIAM A POLÊMICA A CERCA DE TAIS FATOS, SERIA REGULAMENTAR O ARTIGO 199, DA LEI 7210/84 (LEI DE EXECUÇÃO PENAL), E PRONTO!!!

Nosso sistema penal adota a teoria mista, ou se...

Gomes (Procurador do Município)

Nosso sistema penal adota a teoria mista, ou seja, da pena como retribuição, correção e outros efeitos. A previsão legal - essencial no direito penal - manda: cometer tal crime, pena: x a y anos de detenção. Fora os efeitos primários e secundários da sentença, o cidadão nada mais deve à sociedade. De forma que a exibição de degradação e humilhação a presos: a) viola garantias do art. 5º da CF; b) expõe o cidadão a um "plus" de punição fora da previsão legal; c) dá matéria para promoção ao jornalismo sensacionalista e à ascenção político de "xerifes da lei". Diga-se que a prisão e o inquérito policial são a fase mais sórdida e obscura do aparelho estatal. Comungo com a repulsa do nobre colega a esse tipo de "xerifagem".

Aplaudo de pé o posicionamento, ao qual me fili...

não possuo (Advogado Autônomo - Civil)

Aplaudo de pé o posicionamento, ao qual me filio, dos críticos do uso abusivo de algemas. Eles estão conscientemente colocando-se contra aquilo que tem mais nojento e que vem se constituido numa vergonha nacional: a truculência com que pessoas, até que se prove o contrário,de bem, são abordadas e expostas pelos, não raras vezes, "bruta-montes", não só federais, mas também policiais civis e militares de todos os Estados da Federação, sem exceção! É hora, de nesta mesma esteira, darmos um basta à midia televisiva que consente em mostrar esses exageiros. Não se trata de leniência e muito menos de concessão alguma.É hora de exercitarmos a cidadania e vivenciarmos o verdadeiro e tão decantado Estado Democrático de Direito.

A prisão com algemas é medida extrema de segura...

Ottoni (Advogado Sócio de Escritório)

A prisão com algemas é medida extrema de segurança e não instrumento de punição moral, de aviltamento do do cidadão que. siquer, é objeto de acusação formal. A autoridade policial deve ter cautela quando incumbir seus agentes de tal diligência, pois, serão necessários equilíbrio e ponderação na adoção da medida extrema, virtudes nem sempre presentes em funcionários mal recrutados através de salários inadequados para atrair candidatos com condições culturais para possibilitar a opção indicada a cada caso. É comum, quando os detidos são policiais ou equivalentes, a dispensa da medida. Um mero instrumento de garantia não pode ser transformado em símbolo de opróbrio para encenar shows de péssimo gosto.

Não conheço o projeto-de-lei do Deputado Wagner...

Julius Cesar (Bacharel)

Não conheço o projeto-de-lei do Deputado Wagner Rubinelli, mas acho oportuno a regulamentação do uso de algemas. Sem lei regulamentadora, cabe ao policial usá-las segundo o seu bom senso. Na minha opinião, acusados primários, com emprego e residência permanente no municipio há mais de cinco anos, não devem, em princípio ser algemados. Mas, se resistem a prisão, se oferecem perigo aos agentes policiais, se há fortes razões de que possam fugir, devem ser algemados. Já, presos em flagrante delito e acusados não -primários devem ser algemados.

Recentemente, vimos dois casos de prisões arbit...

Lourenço Neto (Advogado Assalariado - Administrativa)

Recentemente, vimos dois casos de prisões arbitrárias que atingiram inocentes. Um senhor sexagenário, preso na Operação Curupira, por dez dias, e uma jovem, que fazia vestibular, injustamente acusada de fraudar a prova. Sequer alguém apareceu para assumir tais erros, ou comentá-los. Estas pessoas foram execradas em público tanto pelo erro, como pelo uso de algemas. Para o Estado, criou-se um passivo, pois certamente terá que indenizar os inocentes molestados injustamente.

Comentar

Comentários encerrados em 2/08/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.