Consultor Jurídico

O gato comeu...

Rocha Mattos acusa direção de presídio de furtar comida de presos

Por 

Mas, fato é que nem essa possibilidade de correr risco de vida importa a este magistrado quando vê tamanho crime cometido pela mais cruel desumanidade em detrimento daqueles que estão custodiados pelo Estado e indefesos diante das falcatruas cometidas por aquela Direção.

Em decorrência da ciência de que tem a direção do estabelecimento de que o magistrado é conhecedor dos crimes que são cometidos naquele sistema tem provocado afirmações mentirosas, imputando crimes ao juiz para, além de denegrir a sua imagem, angariar antipatia do próprio Tribunal de São Paulo, autoridade competente para custodiá-lo a ponto de subjugá-lo ao cárcere por castigo, como vem, reincidentemente, fazendo.

Ora, a perseguição tem sido acirrada. O Senhor Idalécio, diretor da disciplina tem ameaçado presos, cujos nomes são: HARLEY, FABIANO e SANDRO para confirmarem uma história mentirosa plantada por esse diretor em conluio com outro preso, MARCELO TADEU BORROZINE, que o magistrado estaria tramando “matar a Desembargadora Therezinha Cazerta” e que caso os presos não confirmassem a afirmativa perante a Polícia Federal, seriam-lhes arranjado um “bonde” com a desculpa de irem transferidos para o Espírito Santo quando então iriam para a “morte”; seriam mortos!

Os custodiados estão com muito medo das represálias, Senhor Governador!

O fato é escabroso. O magistrado e os presos têm sofrido represálias em decorrência desses fatos dos furtos cometidos por aquela direção porque têm experimentado revista na cela e na rouparia onde trabalhava e que, agora, juntamente com os outros que lá trabalhavam, não trabalham mais por medo, porque a revista tem sido uma constância sem a devida presença do custodiado, na tentativa de plantar alguma situação ilícita.

Sem exclusão, tal como noticia o documento juntado, os Senhores PAULO HENRIQUE BARBOSA DE SOUZA e WELLINGTON DE TOLEDO SALES têm sofrido represália através de revista pessoal indevida durante a visita dos familiares, tal como noticiado ao magistrado pelo documento acostado e situação essa que se arrasta nessa pressão psicológica há mais de um ano e meio, na tentativa única e exclusiva, de deixar “vendidos” os custodiados àquela direção, a fim de alcançar que os custodiados mintam em favor da direção daquele estabelecimento prisional.

Fato é que a última invenção mentirosa por parte da direção em conluio com o preso MARCELO TADEU BORROZINE, (“matar a Therezinha Cazerta”) que tem o hábito de agir conivente com a direção dos estabelecimentos prisionais para ter alguma regalia e favor, ter a situação prisional melhorada, age como olheiro e mentiroso em favor da direção quando esta precisa de um depoimento a favor da “casa”, encontrando no MARCELO seu melhor gancho de mentira travestida de verdade em malefício de outros presos, a verdade dos fatos em favor do magistrado vem à tona.

O custodiado FABIANO DE OLIVEIRA COSTA, pressionado a dizer mentiras comunadas com as do MARCELO TADEU BORRIZINE, a respeito do magistrado (“matar a Therezinha Cazerta”) e que este não o fez, imputando-lhe crime, quer esclarecer junto à Polícia Federal, mais uma vez, acerca dos fatos mentirosos plantados pelo Senhor Idalécio contra este magistrado em conluio com o preso MARCELO TADEU BORROZINE, cujas mentiras deu ensejo a instauração de procedimento investigatório sobre crime e que a pessoa “delatora”, MARCELO TADEU BORROZINE, pessoa de confiança do Senhor Idalécio, disse mentiras a serem desmentidas pelo próprio FABIANO DE OLIVEIRA COSTA, tal como afirma o documento juntado.

Vê-se, daí, que há vontade deliberada de comunicação falsa de crime por parte da direção em conluio com o MARCELO TADEU BORROZINE para plantar crime em desfavor do magistrado por causa dessa notícia de crime de furto naquele local, desmascarando aqueles seres sórdidos que lá administram em nome do Governo do Estado – verdadeiros animais!

Na verdade, o magistrado jamais planejou qualquer tipo de crime em desfavor da magistrada Therezinha Cazerta e bem afirma o custodiado que ainda tem o que revelar acerca da verdade e da verdade sobre MARCELO TADEU BORROZINE e a direção deste estabelecimento penal.

Soma-se, ainda, ao fato, de que MARCELO TADEU BORROZINE, usado pela direção do estabelecimento prisional é pessoa de caráter duvidoso e tem o hábito de plantar mentiras convenientes para alcançar as transferências desejadas pelas direções dos estabelecimentos prisionais por onde tem passado em desfavor dos presos desafetos. Os documentos ora juntados demonstram a veracidade das alegações.

Assim é que, com tais assertivas, quer demonstrar o magistrado que as afirmativas tem o condão de perseguição pessoal porque tem conhecimento de fatos desabonadores das condutas da direção daquele estabelecimento prisional na pessoa da Diretora CLAUDINÉIA APARECIDA VELOSO SANTOS e IDALÉCIO (diretor de disciplina penal), sem exclusão de outros que não pode declinar os respectivos nomes, mas, que são os responsáveis pela cozinha da prisão.




Topo da página

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 11 de fevereiro de 2005, 19h44

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 19/02/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.