Consultor Jurídico

Artigos

Retrospectiva 2005

Reforma do Judiciário consolidou papel da Justiça do Trabalho

por Dora Vaz Treviño

Revolução!

Essa é a palavra que melhor resume o que ocorreu com a Justiça do Trabalho no ano de 2005.

O substancial incremento que a Emenda Constitucional 45, de 2004 – a chamada “Reforma do Judiciário” – reservou à nossa competência jurisdicional, representou, talvez, a maior e mais formidável mudança que sofremos desde o ingresso dos tribunais e juízes trabalhistas como partícipes do Poder Judiciário nacional ou com a instituição do poder normativo para a solução dos conflitos coletivos.

Desde sempre — quiçá, desde sua constituição —, acusou-se o Judiciário Laboral de não acompanhar a evolução das relações de trabalho. Seriam os juízes e advogados trabalhistas responsáveis pela preservação de um arcabouço normativo arcaico, getulista, fascista, protecionista, ou qualificado com qualquer adjetivo pejorativo, ao gosto do autor da crítica?

Em certa dose, éramos culpados. Culpados pelo silêncio que, falsamente, avaliza a opinião pública. Ou, se falávamos, sussurrávamos, pois raramente éramos ouvidos. Sempre preferimos dar resposta, às críticas, com o trabalho, recebendo e julgando cada vez maior número de processos.

Mas, o silêncio quase nos custou muito caro.

Assim que o tema “Reforma do Judiciário” voltou à agenda nacional, no final da década de 1990, veio a público a intenção de extinguir a Justiça do Trabalho, incorporando-a à Justiça Federal. Ameaça real, patrocinada por importantes setores do Executivo, do Legislativo, do empresariado, e que encontrava eco até entre parcela significativa da magistratura.

Corta a cena!

Avançamos para dezembro de 2004.

Sete anos depois, é promulgada a EC 45. Parece que nosso trabalho silencioso fez muito mais barulho do que os artigos, reportagens e editoriais que pregavam o fim da Justiça do Trabalho: ela não só não foi extinta, como, muito pelo contrário, amanheceu em 2005 altamente prestigiada.

Da competência histórica, de julgar conflitos oriundos das vinculações de emprego (e, portanto, submetidos exclusivamente ao regime contratual da Consolidação das Leis do Trabalho), o Judiciário Trabalhista passou a julgar todos os feitos oriundos da relação de trabalho, incluindo, por exemplo, aqueles sobre representação sindical, de indenização por dano moral ou patrimonial e das penalidades administrativas impostas aos empregadores pelos órgãos de fiscalização das relações de trabalho.

A despeito dos que sopravam um certo muxoxo de misoneísmo e alguma dose de resistência de inconformados com o robustecimento dos tribunais trabalhistas, juízes, servidores, advogados deram conta, rapidamente, de absorver as novas competências.

Essa discussão chegou ao Supremo Tribunal Federal. No julgamento do Conflito de Competência 7.204, por unanimidade, os ministros do STF acompanharam o voto do ministro Carlos Ayres Britto reformulando entendimento anterior, para declarar que a competência para julgar ações por dano moral e material decorrentes de acidente de trabalho é da Justiça Trabalhista; não, do Judiciário Estadual.

É certo que tantas novas atribuições exigem contrapartida. Até o final de 2005, teremos recebido, no âmbito da 2ª Região da Justiça do Trabalho, cerca de 17% a mais de processos em comparação a 2004. São novas ações que tratam de temas que seriam julgados por outros Tribunais, ou, já em trânsito, oriundas do Tribunal de Justiça de São Paulo e do Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

Para dar conta deste acréscimo, os TRTs estão instalando Varas do Trabalho, criadas pela Lei n.º 10.770/03. Na 2ª Região, em 2005, inauguramos seis em Municípios da Grande São Paulo e da Baixada Santista. No dia 6 de janeiro, instalaremos mais 11 Varas do Trabalho, na Capital.

Até o final do próximo ano, a 2.ª Região contará com 163 (cento e sessenta e três) Varas do Trabalho.

Além disso, 2005 também foi o ano em que investimos na modernidade: se nos faltam meios para oferecer a estrutura ideal aos nossos órgãos jurisdicionais, a saída é investir na informática e na simplificação e racionalização dos procedimentos burocráticos.

Objetivando esse fim, instituímos a Unidade de Atendimento do Fórum Trabalhista Ruy Barbosa, que congrega os setores de Distribuição, Protocolo, Recepção, Expedição e Arquivo.

Aliada à instituição do pré-cadastramento das petições iniciais, a Unidade de Atendimento trouxe enorme alívio aos advogados trabalhistas que, anteriormente, precisavam enfrentar grandes filas para o protocolo de petições iniciais. Hoje, esse procedimento não leva mais que três ou quatro minutos.

Outra inovação foi a instituição do Sisdoc — Sistema de Protocolização de Documentos Físicos e Eletrônicos, para o envio de petições e documentos pela Internet, sem a necessidade de entrega posterior do original impresso em papel.

O sistema confirma o recebimento do documento diretamente pela vara, no ato da remessa. Os prazos começam a ser contados desse momento, que fica registrado na via impressa pelo computador de quem enviou a petição, com chancela de protocolo e certidão de recebimento. Em resumo: isso representa sensível redução no tempo de espera pela decisão do juiz no processo.

Outra vantagem é que, pelo “site” do Tribunal, é possível consultar o inteiro teor das petições e documentos enviados pelo Sisdoc: o advogado que representa o reclamante não precisar ir à Vara consultar o processo para conhecer a petição protocolizada pelo representante da reclamada.

No dia 16 último, inauguramos a CLT–Dinâmica, permitindo o acesso da legislação obreira, através de via eletrônica, a magistrados, advogados, servidores.

Ainda no corrente ano, o jurisdicionado tem acesso às sentenças, através da Internet.

Mais um fato relevante para o cenário do Judiciário Trabalhista em 2005 foi a instituição do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, do qual fazem parte ministros do Tribunal Superior do Trabalho e juízes de tribunais regionais do Trabalho. Os onze membros do Conselho têm a incumbência de expedir normas gerais de procedimentos nas áreas de administração, orçamento, gestão financeira e patrimonial dos 24 tribunais regionais do Trabalho e das 1.174 varas do Trabalho.

Esses, em linhas gerais, são alguns dos fatos relevantes que marcaram a Justiça do Trabalho em 2005.

Para nós, que dela fazemos parte, foi um ano inesquecível, que mudará, para sempre, o curso da nossa história.

Dora Vaz Treviño é juíza do Trabalho, presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (São Paulo).

Revista Consultor Jurídico, 31 de dezembro de 2005, 12h08

Comentários de leitores

1 comentário

Revolução?! DISTRIBUIÇÃO QUESTIONADA. TRT PA...

meira (Professor)

Revolução?! DISTRIBUIÇÃO QUESTIONADA. TRT PAULISTA É INVESTIGADO SOB SUSPEITA DE FRAUDE - O Ministério Público Federal está investigando o Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo por suspeita de fraude na distribuição de 22 processos entre 1994 e 2004. Há indícios de que os sistemas informatizados do órgão, onde é feita a distribuição dos autos, foram manipulados para definir antecipadamente o juiz ou colegiado que atuaria em determinados casos. As informações são da jornalista Andréa Michael em reportagem publicada na edição deste domingo (16/10) do jornal Folha de S.Paulo - CONJUR 15.10.2005 LEIA A DECISÃO QUE PROIBIU MARCELINHO CARIOCA DE ESTREAR NO SANTOS - A juíza do Tribunal Regional do Trabalho, Maria Aparecida Pellegrina, suspendeu a liminar obtida pelo jogador Marcelinho que permitia sua transferência para outro time, liberando o de compromisso com o Corinthians - "Ex positis", reitere-se, concedo parcialmente a liminar, em caráter precário e provisório, apenas para vedar a participação do atleta, Marcelo Pereira Surcin, no jogo marcado para amanhã, quinta-feira, dia 06/09/2001 - São Paulo, 05 de setembro de 2.001. MARIA APARECIDA PELLEGRINA Juíza relatora - CONJUR 06.09.2001. TUNEL DO TEMPO. JUÍZA REPELE IRREGULARIDADE NO CASO MARCELINHO CARIOSA. A investigação sobre o TRT paulista que o Ministério Público Federal vem divulgando pela Folha de S.Paulo levou o tribunal ao passado, ao tempo em que o juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto era o principal personagem do noticiário brasileiro. Desta vez, contudo, o tribunal parece disposto a enfrentar as acusações em público. A presidente do TRT, Dora Treviño, já deu entrevistas e lançou uma nota pública nesta segunda-feira (17/10). Também a ex-presidente do tribunal, Maria Aparecida Pellegrina, veio a público para refutar as insinuações feitas a seu respeito: “Rechaço e repudio ilações baseadas em acusações anônimas”, reagiu a juíza - CONJUR 06.09.01. RETROSPECTIVA 2005 - CONFIRA AS PRINCIPAIS AÇÕES JULGADAS POR STF, STJ e TST - Por fim, outra decisão de destaque se deu em relação ao ex-juiz Nicolau dos Santos Neto. A ação penal que tramitava na Corte Especial do STJ contra o juiz aposentado foi remetida ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em São Paulo - CONJUR 01.01.06. FOGO CRUZADO. JUIZ QUE PROCESSOU CORREGEDOR POR NEPOTISMO É AFASTADO. Désia, que é mulher de Carlos Cândido Sotero da Silva, corregedor do TRT, foi nomeada por Cruz Neto em 1996 para ocupar cargo comissionado no gabinete do marido. A nomeação já foi anulada pelo Tribunal de Contas da União, por decisão relatada pelo ministro Ubiratan Aguiar, acórdão 88/2005 da 2ª Turma, do processo 2448/2003, que considerou o ato do juiz Eurico Cruz Neto uma afronta ao princípio constitucional da moralidade administrativa - CONJUR 20.12.05. NEPOTISMO TRIANGULAR. JUIZ É PROCESSADO POR CONTRATAR A MULHER DO COLEGA. por Maria Fernanda Erdelyi. O ex-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas) que nomeou a mulher do corregedor do mesmo tribunal para cargo de confiança violou o princípio da moralidade administrativa previsto no artigo 37 da Constituição - CONJUR 14.09.05. DENÚNCIA REJEITADA. JUÍZA DO TRT-SP SE LIVRA DE ACUSAÇÃO DE PRECONCEITO.A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça decidiu rejeitar a denúncia contra a juíza do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (São Paulo), Maria Aparecida Pellegrina. Ela negou a inscrição definitiva, em concurso para juiz, a um candidato com paralisia cerebral. Segundo ele, Maria Aparecida Pellegrina agiu com preconceito, em 2003. O STJ entendeu que ela não deve responder ação por esse motivo - CONJUR 05.05.05. OBRAS EM FÓRUM. JUSTIÇA REBATE INFORMAÇÃO SOBRE SUSPEITA DE IRREGULARIDADE. O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo rebateu a informação sobre suspeita de irregularidade em obras do fórum trabalhista. Depois do escândalo que levou o ex-presidente do TRT paulista, Nicolau dos Santos Neto, à prisão, as obras estão novamente no alvo do Ministério Público Federal - CONJUR 26.07.04. NEPOTISMO NO JUDICIÁRIO. MULHER DE JUIZ CEARENSE TENTA EVITAR EXONERAÇÃO. A mulher do presidente do TRT da 7ª Região (Ceará) entrou com pedido de Mandado de Segurança no Supremo Tribunal Federal para evitar a sua exoneração. Ela ocupa cargo em comissão no tribunal e deve ser exonerada, de acordo - CONJUR 05.12.05. REBELIÃO NA JUSTIÇA. CORREGEDORES-GERAIS DE JUSTIÇA QUEREM RESISTIR AO CNJ.O Conselho Nacional de Justiça pode ter de mostrar, em breve, se tem força para colocar o setor administrativo do Judiciário nos eixos ou se o cumprimento de suas decisões será facultativo. Isso porque os corregedores-gerais de Justiça se mostram dispostos a confrontar o órgão de controle do Poder Judiciário - CONJUR 12.11.05. MUDANÇAS NO JUDICIÁRIO. JUSTIÇAA FUNCIONA COMO ÓRGÃO FINANCIADOR DE CALOTEIROS. ConJur — É possível perceber um certo desapontamento das pessoas com os resultados da reforma do Judiciário. Essas pessoas estão erradas ou realmente dava para esperar algo que não aconteceu? - CONJUR 04.12.05. Ufa, depois de tanta "revolução", é melhor não falar mais nada... Professora Karen

Comentários encerrados em 08/01/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.