Consultor Jurídico

Notícias

Saída prevista

Nelson Jobim deixa o STF para se filiar a algum partido

Agora é oficial. O ministro Nelson Jobim, presidente do Supremo Tribunal Federal, deixa o tribunal em março. A assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal confirmou a pretensão de Jobim de deixar a Corte, mas não suas intenções políticas.

Segundo informações do Blog do Josias, Jobim comunicou sua saída para o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conversa reservada antes do Natal. Para Jobim se candidatar para concorrer nas próximas eleições, ele tem de se filiar a algum partido até 3 de abril. Críticos afirmam que a saída de Jobim do Supremo para a política coloca em suspeição sua atuação como juiz.

No ano que vem, Lula terá de nomear outros dois ministros: um para a vaga de Carlos Velloso, que se aposenta compulsoriamente em janeiro, e outro para o lugar de Jobim. Com isso, Lula terá indicado seis ministros do STF, a maioria absoluta. Ele já nomeou os ministros Carlos Ayres Britto, Cezar Peluso, Eros Grau e Joaquim Barbosa.

Embora Lula ainda não tenha escolhido os dois novos ministros, as vagas devem ser ocupadas por um político vinculado ao PT e por uma mulher, ainda segundo informações de Josias de Souza. Entre os políticos, os nomes favoritos são dos deputados federais Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) e Sigmaring Seixas (PT-DF) e do ex-ministro da Educação e ex-presidente do PT Tarso Genro.

Já as mulheres devem ser escolhidas entre Maria Lúcia Karan, juíza aposentada e coordenadora do IBCCrim — Instituo Brasileiro de Ciências Criminais no Rio de Janeiro, e Misabel Abreu Machado Derzi, chefe da Procuradoria-Geral da prefeitura de Belo Horizonte.

Carreira política

Nelson Jobim, que já foi deputado federal durante dois mandatos pelo PMDB e ministro da Justiça, pretende voltar à carreira política. Não se sabe, no entanto, se ele se filiará a um partido para concorrer à Presidência da República (provavelmente, o próprio PMDB) ou se se aliará a Lula para ser candidato a vice.

Revista Consultor Jurídico, 30 de dezembro de 2005, 12h38

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/01/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.