Consultor Jurídico

Crime hediondo

STF nega progressão para juiz condenado por crime hediondo

O juiz Marcos Antônio Tavares condenado por homicídio qualificado a 13 anos e seis meses de prisão pelo assassinato de sua ex-mulher não conseguiu a progressão de seu regime prisional para o semi-aberto. O ministro Carlos Velloso, do Supremo Tribunal Federal negou o pedido do juiz de liminar em Habeas Corpus.

O crime de homicídio qualificado (artigo 121, parágrafo 2º do Código Penal) é classificado como hediondo conforme prevê a Lei 8.072/90. O artigo 2º, parágrafo 1º dessa lei obriga o cumprimento das penas em regime integralmente fechado. No Supremo Tribunal Federal, a constitucionalidade desse dispositivo da Lei dos Crimes Hediondos está sendo discutida em plenário no HC 82.959.

O juiz está preso no Regimento de Polícia Montada 9 de Julho da Polícia Militar de São Paulo. A defesa alegou na ação que o impedimento imposto pela Lei dos Crimes Hediondos compromete o princípio da individualização da pena, previsto no artigo 5º, inciso XLVI da Constituição Federal.

HC 87.427




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de dezembro de 2005, 21h54

Comentários de leitores

1 comentário

Espero que o STF decida da mesma forma com rela...

Edgard Cruz Coelho (Juiz Estadual de 2ª. Instância)

Espero que o STF decida da mesma forma com relação aos sequestradores de Oliveto, condenados por pena superior ao dobro desta (30 anos), mas agraciados por decisão do STJ.Também espero que o M.P. recorra deste benefício para que o STF possa corrigir tal discrepância e dar uma resposta à sociedade.

Comentários encerrados em 28/12/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.