Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

País de doutores

Num país de analfabetos, quem sabe ler é chamado de doutor

Por 

Recentemente, chamou-me a atenção à solução de determinada demanda judicial que tramitou na Corte fluminense envolvendo magistrado que pleiteava tratamento formal de doutor por parte dos funcionários do condomínio onde residia. O colega que julgou o caso negou-lhe a tutela jurídica solicitada, alegando que, embora se tratasse de um juiz digno, merecedor de todo o respeito, não poderia ostentar tal faculdade, pois doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico utilizado apenas quando se apresenta tese a uma banca e esta a julga merecedora de um doutoramento. Emprega-se apenas às pessoas que tenham tal grau.

Agiu corretamente o juiz sentenciante. O mestre Houaiss, em seu dicionário, ensina que doutor é “aquele que, numa universidade, foi promovido ao mais alto grau depois de haver defendido tese em alguma disciplina literária, artística ou científica”.

Na prática, entretanto, chamamos o juiz, o deputado, o delegado, o promotor, etc., mesmo sem aquela mais alta graduação universitária, de doutor. Por quê?

A lei não confere aos detentores desses cargos públicos a denominação de doutor. A linguagem técnica, recomendável até por uma questão de etiqueta, indicaria chamá-los apenas por senhor seguido da indicação do cargo, ou seja, senhor juiz, senhor deputado e assim por diante.

Semelhante costume atinge aos profissionais da saúde. Chama-se o médico de doutor, mesmo aqueles que não possuem doutorado.

A explicação para a prática em análise é facilmente encontrada. Em um país em que o analfabetismo e a pobreza atingem níveis escandalosos, criou-se o entendimento comum de que, quem consegue concluir um curso superior, qualquer que seja, torna-se doutor.

Com isso, o surgimento desordenado de faculdades privadas — as faculdades de Direito, por exemplo, são quase incontáveis —, às vezes sem o mínimo critério quanto à qualidade do ensino, nos transformará no país dos doutores. Quero deixar claro que não sou contra a democratização do ensino superior, muito pelo contrário, apenas acho que essa democratização deve ter como corolário a produção científica e não a produção de bacharéis e diplomas, com a única finalidade de alimentar a vaidade inerente a natureza humana.

Pior ainda são os doutores do capital, aqueles que ostentam o título pela força da riqueza, mesmo sem nunca terem freqüentado uma faculdade, demonstrando a arrogante supremacia do dinheiro sobre a produção do gênio humano.

Conheci grandes doutores que nunca exigiram tal titulação, se vestiam com roupas simples, seguiam rotina espartana e nunca compraram na Daslu, mas que contribuíram sobremaneira para a melhoria da sociedade.

O certo é que nos valorizamos mais a forma do que o conteúdo. Odiosa praxe inerente a um país provinciano que incorpora em um mesmo território extremos inexplicáveis. Trafegamos pela Bélgica, quando nos referimos à futilidade e bens de consumo e por Serra Leoa, país africano dos mais miseráveis, quando queremos identificar a pobreza.

Temos que ter consciência que independente do título que se pavoneia somente o produto do gênio humano é eterno. As bolsas da Daslu não resistirão à primeira festa de emergentes enquanto que as sinfonias de Mozart e Beethoven ecoarão pela eternidade.

 é juiz de Direito e professor universitário.

Revista Consultor Jurídico, 28 de agosto de 2005, 10h29

Comentários de leitores

2 comentários

Caríssimo Juiz de Direito: Seu artigo honra ...

Gilberto Andrade (Advogado Sócio de Escritório - Comercial)

Caríssimo Juiz de Direito: Seu artigo honra a magistratura, pela exacerbação da humildade em contraposição à vaidade inerente àqueles que ostentam um pseudo-título, vez que Doutor, como bem aduzido no artigo, são aqueles que defenderam a respectiva tese perante uma banca examinadora. Ademais, tenho para mim que os verdadeiros Doutores,são aqueles formados pela Universidade da Vida - A única que conta.

Caro Senhor Juiz de Direito, Prof. Victor André...

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Caro Senhor Juiz de Direito, Prof. Victor André Liuzzi Gomes: Estou realmente admirado com seu breve comentário. Bem escrito, objetivo, sincero e correto. Eu, que sou Advogado, sempre pensei que o famoso decreto imperial que deu existência às Faculdades de Direito de São Paulo e Olinda, fosse o vilão deste, eu diria, costume. Claro que é um costume, muito mais exigido por médicos até. Tenho visto, inclusive, fisioterapeutas, psicólogas,fonoaudiólogos, etc, escrevendo em suas "placas profissionais", o nome precedido do título "Dra. ou Dr.". Mas, tal como o senhor, penso que o respeito, aquele respeito necessário em todas as relações humanas, é muito mais importante que o título. E isto, caríssimo Professor, infelizmente o homem "moderno" tem deixado de lado. Um abraço.

Comentários encerrados em 05/09/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.