Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falta regulamentação

Não há previsão legal para adicional de risco para vigilante

Não há previsão legal que garanta adicional de risco de vida para quem trabalha como vigilante. O entendimento é da 5ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho.

Os ministros acolheram recurso da empresa Norsegel — Vigilância e Transportes de Valores Ltda, do Amazonas, e modificaram decisão de segunda instância que garantiu a um ex-empregado o direito ter incluído no cálculo de sua rescisão contratual o adicional de risco de vida de 30% sobre seu salário pelo uso de arma de fogo no serviço. A decisão foi unânime.

De acordo com o relator do recurso, ministro João Batista Brito Pereira, embora a Constituição de 1988 assegure aos trabalhadores adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, ainda não há lei que discipline normas de acesso a esse direito. A Lei 7.102/93, que regulamenta a profissão do vigilante, não o contempla com o direito ao adicional de risco de vida. As informações são do TST.

Para o ministro Brito Pereira, a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região impõe obrigação que não encontra respaldo legal e, por isso, afronta a Constituição. “A jurisprudência desta Corte vem se firmando no sentido de considerar indevido o adicional de periculosidade aos vigilantes, com fundamento de que o artigo 7º, inciso XXIII, da Constituição, é norma de eficácia contida e depende de regulamentação específica, porquanto em seu texto está previsto que os adicionais ali referidos serão concedidos na forma da lei”, disse o relator.

No recurso ao TST contra a decisão do TRT da 11ª Região, a defesa da empresa alegou que, em razão da falta de regulamentação, o Tribunal Regional jamais poderia ter garantido o direito ao empregado.

RR 30.493/2002-002-11-00.5

Revista Consultor Jurídico, 22 de agosto de 2005, 11h56

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 30/08/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.