Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Violência policial

Justiça Global divulga relatório sobre violência policial no Rio

A Justiça Global vai apresentar um relatório com dados da violência policial nos últimos anos e tratar de temas como execuções sumárias, na quinta-feira (21/10), durante audiência da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, em Washington, nos Estados Unidos. No Brasil, o relatório será divulgado em evento simultâneo, às 10h, no Conselho Regional de Serviço Social, no Rio de Janeiro.

“Relatório Rio: Violência Policial e Insegurança Pública”, publicado em inglês e português, faz uma análise da atuação da polícia e das autoridades da área de segurança pública no Rio de Janeiro nos últimos anos, que têm tratado a violência policial como sinônimo de eficiência no combate à criminalidade. Aborda ainda a conivência do poder judiciário com as arbitrariedades cometidas durante as ações policiais.

Dividido em três capítulos, o relatório também trata de questões como os autos de resistência, o crime de associação ao tráfico e dos mandados de busca e apreensão itinerantes e genéricos, além de trazer estatísticas da violência policial nos últimos anos e casos emblemáticos de execuções sumárias e de tortura.

Participarão da audiência em Washington representantes da Justiça Global, do governo federal e membros da Comissão Interamericana. No Rio de Janeiro, a divulgação contará com a presença de representantes da Justiça Global, de familiares de vítimas da violência policial e de especialistas, como João Luis Pinaud, ex-secretário de Direitos Humanos do Rio de Janeiro.

Serviço

Lançamento do “Relatório Rio: Violência Policial e Insegurança Pública”

Data: quinta-feira, 21 de outubro de 2004.

Local: Rua México, 41, 12º andar, Rio de Janeiro, Brasil

Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA,

Washington, D.C

Horário: 10h

Informações: Centro de Justiça Global

Brasil: (11) 32669072/ 91149249/ (21) 78121870 com Sandra Carvalho ou Tatiana Lichtig

(21) 7811 1587/ 99876541 com Andressa Caldas

Washington: (00 xx 1 617) 669 8606 com Marcelo Freixo e James Cavallaro

Revista Consultor Jurídico, 20 de outubro de 2004, 12h23

Comentários de leitores

2 comentários

Tenho esperanças de entender algum dia a real m...

Aurilio (Funcionário público)

Tenho esperanças de entender algum dia a real motivação destas ONGs. Qual o motivo de publicar com estardalhaço um apanhado de casos policiais, pinçados aqui e ali, e batizando-os de relatório ou mesmo pesquisa? O que na verdade se esconde por trás deste grupo de pessoas que se auto-proclamam defensores dos direitos humanos? Saberiam eles definirem corretamente a origem, e o que são os direitos humanos? Muito provavelmente não, o que me faz acreditar na existência de grupos que tentam e conseguem, se locupletarem financeiramente através da manipulação de dados, forjando perante uma sociedade ignorante, a posição de paladinos da justiça. Neste espaço resta-me apenas um pouco mais de 1800 caracteres, logo não posso prosseguir como gostaria. Para os que buscam a verdade, sugiro a leitura sobre o surgimento do Humanismo e do Iluminismo, e sua contribuição para a reforma protestante. Uma olhadinha na obra do filósofo italiano Pico della Mirandola (Oração pela dignidade do homem, 1496), também vai ajudar. Acabo de tentar ler o tal relatório da Justiça Global, e para minha supresa a página na internet foi sabotada por um "hacker". Tanto faz. Imagino os absurdos lá contidos e a ginástica que foi necessária para apresentar os policiais do Rio de Janeiro como demônios foragidos do inferno e que por aqui perambulam matando e torturando. A desmedida violência dos marginais que se tornaram os donos do pedaço é ignorada completamente pela Justiça Global. A enfâse em casos interpretados pela ONg conforme seu interesse e ainda não esclarecidos, será por si só, o caminho para o seu desmascaramento.

Humm, violência policial.... e a dos bandidos c...

Alex Wolf (Estudante de Direito)

Humm, violência policial.... e a dos bandidos como fica? Estes têm os Direitos Humanos para lhes proteger. Em vez de cacetete, que tal dar um botão de rosa para os policiais combaterem os bandidos..... ora só que conversa fiada...

Comentários encerrados em 28/10/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.