Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Greve dos bancários

Bancário é indispensável mesmo com automatização de banco

Por 

Chamava um cabreiro a suas cabras para levá-las ao estábulo.

Uma delas, ao passar por um rico pasto se deteve, e o cabreiro lhe jogou uma pedra, porém com tão má sorte que lhe quebrou um chifre. Então o cabreiro lhe suplicou que não contasse ao patrão, ao que a cabra respondeu:

- Quisera eu ficar calada, mas não poderia! Bem claro está à vista meu chifre quebrado.

Nunca negues o que bem se vê.

(Esopo)

Propõe-se singela reflexão: poder-se-ia imaginar que, em passado recente, os bancários paralisassem suas atividades por um mês, sem que o comércio, a indústria, o terceiro setor, os cidadãos, todos os usuários do sistema cumulassem irreparáveis prejuízos e o País estagnasse?? Pois, ressalvados transtornos pontuais, situações específicas contornadas e algum desconforto inicial, nada ocorreu.

Não se está a discutir a legalidade e oportunidade do movimento; a contestar a sempre procedente luta por melhores condições de vida e de ganhos.

Nunca, como hoje, uma realidade foi, tão cruamente, desnudada. A atividade bancária, de transcendente necessidade para a movimentação da máquina dos negócios que a envolvem, sofreu radical mudança de vida em decorrência da automação e do aperfeiçoamento, constante, crescente e irreversível, dos meios e procedimentos empregados para mantê-la em diuturna operação.

Ah, pensar no bancário, empertigado em seu alvo colarinho e discreta gravata, sisudo, mas atencioso, atrás de um balcão de mármore, de um guichê de bronze ou debruçado sobre alta mesa inclinada que o permitisse, de pé, com caligrafia irretocável, os punhos cobertos de plásticos presos por atilhos (proteção contra a tinta de caneta ou respingos da gelatina), a lançar em grandes livros a movimentação das contas dos correntistas; a manusear fichas-razão manuscritas, que exigiam destreza, conhecimentos contábeis e estressante atenção; a dedilhar, sem olhar para o teclado, uma registradora barulhenta, enquanto a outra mão, com agilidade circense, contava grandes maços de moeda-papel; a carimbar, heroicamente, centenas de boletos com o ajuste correto da data e do valor, para, após, rubricá-los -- tudo tem o gosto nostálgico de uma página virada e de uma realidade que justificou a conquista de uma jornada de trabalho reduzida para seis horas diárias, motivando, por igual, um horário diminuto de atendimento ao público.

Agora, o povo, do mais categorizado depositante, ao mais simples dos consumidores, se auto-atende. Malgrado permaneça satisfazendo taxas de serviços, quem os presta é, pessoalmente, o correntista: faz seus próprios pagamentos (títulos, contas de consumo de energia, água, gás, condomínio, associações, impostos, encargos sociais e fiscais), retira extratos, executa operações, as mais variadas (transferências, aplicações, etc.), se abastece de cédulas de dinheiro e imprime o talonário dos seus cheques (cada vez menos utilizados). E as máquinas efetuam todos os registros eletrônicos dessas operações. Tudo isto é feito sem que se tenha qualquer contato com o bancário.

Os bancos são verdadeiras lojas de produtos, utilizadas para a venda de seguros, a colocação de empréstimos, a oferta de investimentos. Os serviços (pagamentos, saques, extratos, operações diversas) estão destinados aos postos, de freqüência exclusiva da população. De quando em vez há um vigia terceirizado, ou uma estagiária para prestar algum auxílio no manejo das máquinas.

O bancário desapareceu dos nossos olhos, deixando saudades nas moças casadoiras de então, que nele viam um bom e futuroso partido.

A greve mostrou que o banco é necessário, ainda no velho estilo, nos primeiros cinco dias úteis do mês para a satisfação de proventos de aposentadoria e de pensões; para o saque de depósitos do FGTS e de rendimentos do PIS. Esses misteres podem ser, à semelhança de outras e maiores dificuldades superadas, criativamente solucionados.

Qual a razão, portanto, para a jornada reduzida de seis horas, do horário diminuto de atendimento ao público, em desfavor de comerciários, industriários, prestadores de serviços diversos e demais atividades?? Não é hora de rever a legislação e adequá-la, isonomicamente, à realidade dos trabalhadores brasileiros??

Qual a razão de proliferarem, com sucesso, milionárias demandas trabalhistas de bancários nas quais auferem horas extras abusivas que, como viu-se, não têm amparo na realidade ??

O Judiciário, com o auxílio dos próprios bancos (preocupados, mais com números e relatórios de administração de um “passivo social”, menos com resultados, desinteressados em documentar esse retrato, agora revelado nos 30 dias de paralisação) preso à verdade dos autos que apresenta invariáveis e inverossímeis testemunhos industriados, não está atento e inserido no contexto da vida (a missão de buscar a verdade real).

Que atividades levariam um bancário de agência de pequeno porte ou de posto de atendimento (locais que mais proliferam) a ter trabalho por 10 ou mais horas diárias, quando, ao longo de 30 dias, sem qualquer labor, esse esforço não foi sentido, exigido ou reclamado ??

Nunca negues o que bem se vê. (Esopo)

 é juiz aposentado do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 19 de outubro de 2004, 14h55

Comentários de leitores

3 comentários

Por que se deseja tanto que o tão "dispensavel"...

Fernando Alcantara (Advogado Autônomo - Comercial)

Por que se deseja tanto que o tão "dispensavel" bancário tenha sua carga de trabalho aumentada? Ora, o auto-atendimento 24h está à sua disposição... Talvez a razão para a proliferação de tantas milionárias demandas trabalhistas seja que a necessidade da revisão não seja exclusivamente para adequação da carga de trabalho dos bancários, mas sim da tão arcaica legislação trabalhista, com seus julgamentos cercados por testemunhas mentirosas que saem impunes de seus falsos testemunhos. Quem dera a justiça mostrasse os mesmos sinais de eficiências da categoria bancária e pudesse proporcionar aos nossos magistrados trabalhistas que não tivessem que levar seus processos para despachar em casa....

Sou funcionário do BB em São Luis-MA e fiz uma ...

Igor Pereira (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Sou funcionário do BB em São Luis-MA e fiz uma análise um pouco diferente da interpretação do senhor Carlos Papaleo. È verdade que a automatização dos processos de atendimento bancário reduziu muito a necessidade do atendimento pessoal do bancário, por isso os bancos são os maiores investidores em tecnologia no país. Porém a greve dos bancários fracassou não foi pelo uso intensivo do auto-atendimento, e sim pela pequena adesão a greve no país. Somente as capitais dos estados e algumas pouquissimas cidades do interior conseguiram aderir a greve, sendo que nas cidades em que si diziam em greve havia, na verdade, uma paralização branca. Isto é, dentro das agencias "em greve" funcionava um comite(os gerentes de conta, da agencia, de administração ect.) que não estavam no ponto eletrônico, mas estavam trabalhando na chave de acesso do gerente da agencia que não pode fazer greve. Isso fazia funcionar os caixas eletronicos, saques, depósitos, compensação etc. Foi isso que fracassou a greve, pois os depositos foram processados, os caixas abastecidos e os cheques foram compensados. Não existe automatização que prescinda de uma manutenção diaria dos funcionarios. Só para completar, quero dizer que os banco anunciavam aos gritos que a greve não atingia 40% do efetivo funcional. Portanto, não foi a automação que soçobrou a greve dos bancários, mas a pequena adesão e a adesão branca.

A verdade é a seguinte: pagamos um monte de tar...

Lu2007 (Advogado Autônomo)

A verdade é a seguinte: pagamos um monte de tarifas para estes banqueiros e nem sabemos para que servem porque cada vez mais, mais tarifas de vários nomes são cobrados. Se dispensaram tantos funciónários e colocaram máquinas para trabalhar, estas tarifas deviam é estar diminuindo!!! Além disso, o governo devia obrigar os bancos a ter um número mínimo de funcionários e força-los a participar da redução de desemprego que devasta o país. O governo fica onerando o funcionário publico, a classe média, através de tributos, e com os banqueiros, que ganham fortunas, o governo não tem a coragem de se impor. Pois os bancos deviam ser os maiores responsáveis em dar emprego. Porque se fazem fortuna as nossas custas deviam dar sua parcela de retribuição à população: dar mais empregos.

Comentários encerrados em 27/10/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.