Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Inferno astral

MP quer que Maluf devolva US$ 600 milhões ao município

Por 

O ex-prefeito de São Paulo, Paulo Salim Maluf, indiciado pela Polícia Federal por cinco crimes, vai amargar na próxima semana um novo revés. Desta vez, na área cível. Ele será denunciado pelo Ministério Público de São Paulo por improbidade administrativa. A informação é do promotor Sílvio Marques, primeira autoridade a ter sustentado que Maluf manteria no exterior pelo menos US$ 200 milhões, supostamente oriundos de lavagem de dinheiro gerado em superfaturamento de obras públicas.

"São ações cautelares, de improbidade administrativa. Acusamos Maluf de desvio de verbas na construção da avenida Águas Espraiadas (hoje Roberto Marinho) e no túnel Ayrton Senna. Em três anos levantamos mais de 200 mil cópias de documentos, inclusive bancários, que constituem a prova material desse desvio", disse Silvio Marques à revista Consultor Jurídico.

O promotor sustenta que Maluf será denunciado com base na Lei 8.429/92, que prevê punições para improbidade administrativa. O MP pretende vindicar à Justiça que o ex-prefeito "devolva o dinheiro desviado num valor três ou quatro vezes aquele manipulado", ou seja, quase US$ 600 milhões, mais "a suspensão dos direitos políticos de Maluf por dez anos".

O Ministério Público apresentou, em 14 de julho, dois laudos periciais que apontam como legítima a assinatura do ex-prefeito Paulo Maluf em dois documentos remetidos ao Brasil pela Justiça suíça.

Os peritos Edmundo Braum, da Academia de Polícia, e Ricardo Molina, da Universidade de Campinas (Unicamp), analisaram uma carta redigida em inglês e destinada ao banco UBS de Zurique, em 16 de dezembro de 1996, na qual supostamente Maluf doa o saldo de uma conta bancária na Suíça aos seus quatro filhos. Além disso, passou pela perícia um cartão de abertura de conta assinado pelo ex-prefeito.

A conta tem o ex-prefeito como beneficiário e foi aberta em 5 de julho de 1985, no Citibank de Genebra, na Suíça. A conta tinha o nome de Blue Diamond, que em junho de 1994 foi alterado para Red Ruby. De acordo com o cartão, Maluf tinha poder para movimentar a conta sozinho, uma vez que podia assinar sem a necessidade da rubrica de outra pessoa.

O ex-prefeito manteve a conta até janeiro de 1997. Depois, os recursos foram transferidos para Jersey, paraíso fiscal no canal da Mancha, onde estão bloqueados pela Justiça.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 13 de outubro de 2004, 16h02

Comentários de leitores

7 comentários

Esse indivíduo, Paulo Maluf, que sabe -se lá po...

Lu2007 (Advogado Autônomo)

Esse indivíduo, Paulo Maluf, que sabe -se lá porque ainda tem gente que vota neste sujeito, está agora com 73 anos, viveu muito bem até agora, numa baita de uma mansão, com viagens etc, etc.......quer dizer, ele viveu com esse dinheiro nosso no melhor estilo e agora no final da vida só que vai pagar? Não é justo!!!!!

Matéria publicada no www.primeiraleitura.com.br...

Manuel Sabino (Bacharel - Administrativa)

Matéria publicada no www.primeiraleitura.com.br: Ministério Público pede bloqueio de bens de Maluf e de sua família; ação quer devolução de recursos que podem chegar a R$ 5 bi; ex-prefeito nega acusação e vê motivação política O Ministério Público de São Paulo entrou na Justiça, nesta terça, com um pedido de bloqueio dos bens da família do ex-prefeito Paulo Maluf e de algumas empreiteiras envolvidas em suposto esquema de desvio de dinheiro de obras públicas e remessas ilegais para paraísos fiscais. A ação denuncia Maluf sob a acusação de improbidade administrativa e solicita a devolução de cerca de R$ 1,8 bilhão que teriam sido desviados durante sua gestão na Prefeitura de São Paulo (1993-1996). Com multas e correções, esse valor pode chegar a R$ 5 bilhões. O ex-prefeito nega qualquer irregularidade. Em nota divulgada nesta terça, seu assessor de imprensa, Adilson Laranjeira, acusa o promotor Sílvio Antônio Marques de ser “ligado aos tucanos” e agir “para beneficiar a candidatura de José Serra, depois de Maluf manifestar apoio à candidata apoiada pelo presidente Lula”. Também nesta terça, a Justiça aceitou denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal contra Maluf por evasão de divisas. Na semana passada, o ex-prefeito e seu filho Flávio haviam sido indiciados pela Polícia Federal por formação de quadrilha, sonegação fiscal, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e peculato. Mas o promotor Pedro Barbosa remeteu à Justiça denúncia apenas por evasão de divisas porque havia a possibilidade de esse crime prescrever. Deve ser feita ainda uma outra denúncia, abrangendo as demais acusações e envolvendo Flávio Maluf.

Importante é tambem analizar as contas da globo...

Reginaldo - Advogado Trabalhista (Advogado Associado a Escritório)

Importante é tambem analizar as contas da globo do projack do Rio de Janeiro, onde o governo emprestou dinheiro do povo e até agora ninguem fala nada pq? pq? pq????? so fala do Paulo Maluf,

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/10/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.