Consultor Jurídico

Comentários de leitores

7 comentários

Ô Ismerino. Teu comentário é razoável. Afinal t...

Ampueiro Potiguar (Advogado Sócio de Escritório)

Ô Ismerino. Teu comentário é razoável. Afinal tu és de Governador Valadares. Doidinho para ir trabalhar nos USA. Deixa de preguiça mental. Nós é que devemos consertar este país. A `ladruagem" está no Brasil inteiro. Numa relação de juizes que respondem inquérito, não há um sequer do RN. Nem do RS. Tudo é relativo. Queres ver: se o Nordeste e parte(?) do Norte for dada em pagamento aos americanos, primeiro, será que eles aceitam? segundo, a parte americana invadirá Minas e o resto. Tu ficarás numa boa. Valadarense fala inglês, pois não? Quanto à preguiça, uma aqui, outra acolá, dá-no-que-dá. Vamos trabalhar, Ismerino.No Brasil.

É por isso que estou seriamente inclinado a ir ...

João Marcos Mayer (Advogado Assalariado - Ambiental)

É por isso que estou seriamente inclinado a ir advogar no Iraque ou no Afeganistão. Lá, se as coisas não andarem .....

Se essa desembargadora viajasse o Brasil afora ...

Dalben (Advogado Autônomo)

Se essa desembargadora viajasse o Brasil afora ou lesse as noticias jurídicas se certificaria que nao é somente no Pará que a justiça se distanciou da população. Recente boletim publicado pela OAB nos informa que a justiça (?) em SP é cinco vezes mais lenta que a do RS, que por sua vez é mais lenta que a do RJ. O que se constata é que onde não existe obrigação de trabalho ou de mostrar eficiência, nem mesmo os juizes servem de exemplo a ser seguido. O correto seria impor sanções aos juizes que se distanciaram da sua funçao. Quiçá o recém criado Controle Externo do Judiciário sirva efetivamente para alguma coisa em prol do cidadão. Agora, também não adianta essa desembargadora soltar essa frase de puro efeito eleitoral, e na próxima eleiçao ser candidata a algum cargo politico. Assim já o fez uma juiza do Rio de Janeiro. Após ganhar alguma notoriedade em um único julgado, deixou de lado a magistratura e foi lá para Br'asilia , onde hoje reside confortavelmente na condição de deputada federal. E a justiça? acho que nunca mais ela tocou no nesse assunto, que, em todo caso, foi seu patamar eleitoral. Por enquanto é dificil ver sinceridade em tal assertiva. A nao ser que venha seguida de algo concreto em auxilio do jurisdicionado.

Ih! a coisa está mais feia do que pensava....já...

Alex Wolf (Estudante de Direito)

Ih! a coisa está mais feia do que pensava....já estão se comendo.....

No meu ponto de vista o Brasil, não tem mais je...

Ismerino José Mendes Junior ()

No meu ponto de vista o Brasil, não tem mais jeito, pode fechar para balnço, agora acusar Juiz de preguiçoso é fim da picada. Sabe o que poderia fazer, pegar a região nordeste´e parte da norte, desmembrá-la, e dar para o americano, em troca de nossa dívida externa, porque essas regiões só trazem tristeza, e roubalheira dos deputados, gente olha a quantidade de dinheiro, que já foi gasta neste nordeste em nome da água, gente a maioria das ladruagem de deputados é nordestino ou nortista nem o pt escapou, eu como brasileiro, estou ficando cansado, nem notícia mais eu vejo. Todo dia tem uma supeita de fraude, basta, estou cansado.

A justiça carece de instrumento de medição de p...

Mauro Garcia (Advogado Autônomo)

A justiça carece de instrumento de medição de produtividade confiáveis (também o M.P.). Uma declaração desta não tem qualquer proveito. Será que alguma das Excelências do Pará terá mais denodo no trabalho após este pito da Senhora Desembargadora? Por óbvio que não, mas se ela ao invés de falar ofenças gratuitas instituisse mecanismos eficientes de mensuração de produtividade, poderia separar o joio do trigo e fazer justiça aos que se empenham, e punir os tais preguiçosos. Senhora Desembargadora a palavra é administrar.

Já dizia Ruy Barbosa: "Não há tribunais que bas...

Luís da Velosa (Advogado Autônomo)

Já dizia Ruy Barbosa: "Não há tribunais que bastem, quando o dever se ausenta da consciência dos magistrados". Processo disciplinar neles, Exmª Corregedora!

Comentar

Comentários encerrados em 3/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.