Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Em busca de pistas

OAB-SP vai ajudar polícia a esclarecer mortes de advogados

Esclarecer as mortes de nove advogados, assassinados todos neste ano, se tornou ponto de honra para a seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil. Na próxima quinta-feira, dia 25, uma reunião entre um representante da OAB-SP e do Governo do Estado irá discutir procedimentos conjuntos que serão adotados com o objetivo de esclarecer os crimes.

De um lado da mesa estará o presidente da Comissão Especial de Acompanhamento de Inquéritos dos Advogados Vítimas de Homicídios da OAB-SP, Eduardo César Leite. Na outra ponta reúne-se o secretário-adjunto de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Marcelo Marins de Oliveira. O delegado-geral da Polícia Civil, Marco Antônio Desgualdo também acompanhará o encontro na sede da secretaria estadual de Segurança Pública.


"Temos nove assassinatos de advogados em 2004 e apenas um caso esclarecido", afirma Leite para quem a maioria dos homicídios está relacionada com o exercício profissional. "Vamos acompanhar as investigações, participar na produção das provas e nas diligências”.

HISTÓRICO

Em janeiro, o advogado José Henrique de Lima foi morto em Ferraz de Vasconcelos. Em fevereiro a advogada Maria Luiza Machado foi assassinada em Cotia. No mês de agosto o advogado Cézar Augusto Galvão foi morto em Osasco e Rogério Tadeu de Carvalho em Franca. Em junho Cláudio Delmolin Oliveira e seu sócio, Ivan Rosa Ruiz, foram mortos em Santo André. No mesmo mês, Dorgival Rodrigues dos Santos foi assassinado em Paulínia. Em maio, mais duas mortes: Walter de Carvalho, em Santos e Silvana Barbosa de Carvalho, em São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 23 de novembro de 2004, 19h49

Comentários de leitores

1 comentário

Sou a favor da concessão do porte de arma para ...

Luís da Velosa (Advogado Autônomo)

Sou a favor da concessão do porte de arma para o advogado. Os policiais mais despreparados os possui, juízes, promotores, membros da Defensoria Pública e, o que é pior, os bandidos e seguranças desqualificados andam armados e não possuem porte de arma. Pode? Gostaria de saber quantos políticos, no Congresso Nacional, nas Assembléias Legislativas e Câmaras de Vereadores, andam portando armas. Mais tarde, quero saber, ainda, quantos estarão presos por portar armas, municiadas ou não. E mais: se os fazendeiros, membros dos movimentos para a reforma agrária, índios, traficantes de armas, vão estar desarmados. Até legista possui porte de arma! Puxa vida! O negócio é apocalíptico. E as chamadas armas brancas, deixaram de matar? Nos EEUU, em qualquer latada, se adquiri armas. Aliás, sabem de uma coisa? O Paraguai e outros países vão saldar as suas dívidas vendendo, no contrabando, armas aos brasileiros.

Comentários encerrados em 01/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.