Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acesso barrado

Carentes não podem entrar pela porta principal de Fórum em MS

Os usuários da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul estão proibidos de entrar pela porta principal do prédio para atendimento no Fórum de Campo Grande. A determinação foi dada pela direção do Fórum, segundo a OAB nacional.

Na semana passada, cerca de 70 pessoas -- entre defensores públicos e cidadãos que precisavam do serviço público de advocacia --, levaram o caso para a OAB-MS. Eles não puderam entrar no prédio por causa de uma determinação do juiz Julizar Barbosa.

O juiz nega que esteja discriminando os clientes da Defensoria Pública ao proibir que eles usem a entrada principal do fórum para ter acesso ao local onde ficam os defensores, segundo a OAB nacional. "Discriminação é quando você trata desigualmente os iguais. Tratar os desiguais desigualmente não é discriminação", definiu.

De acordo com a OAB, ele diz que não há porque os clientes da Defensoria entrarem pela porta principal, pois o prédio onde ficam os defensores públicos não faz parte do edifício do Fórum. "Eles têm prédio próprio e entrada própria". O magistrado afirma que a porta que existe com acesso à Defensoria é para uso dos profissionais e para o acesso às varas onde são feitas as audiências.

Para resolver o impasse, o procurador-geral da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul, Cid Barbosa, se reúne nesta segunda-feira (22/11) com o diretor do Fórum, juiz Julizar Barbosa.

Revista Consultor Jurídico, 22 de novembro de 2004, 11h41

Comentários de leitores

27 comentários

Quando estamos no 1º ano de DIREITO , a pimeira...

Claudia ()

Quando estamos no 1º ano de DIREITO , a pimeira coisa que nos é passada e que devemos pensar bem na conseguencia dos nossos atos e que devemos ter noção de justiça e tratar TODOS com igualdade e isso inclui tratar desiguais e os iguais da mesma maneira , não fazer um separação que justifique uma determinação absurda ! Creio que os mesmos valores não foram passados para o EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ de DIREITO!

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR "TODO PODEROSO" JU...

Maria de Lourdes da Silva Motta ()

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR "TODO PODEROSO" JUIZ DE DIREITO, vulgo "julizar barbosa" - você não merece sequer ter seu nome escrito com letras maiúsculas - que pacere ter vindo a este mundo a partir de um ser muito especial; sua alimentação com certeza não deve incluir: arroz, feijão, carne, verduras, frutas etc., e, quando chegar sua hora de deixar este mundo, com certeza não vai para o mesmo buraco que nós, pobres mortais. Eu só lamento, MERITÍSSIMO, de não poder te dizer tudo o que penso de sua atitude ridícula olhando nos seus olhos,mas gostaria de lembrá-lo de que você está ocupando tão importante cargo, justamente para fazer justiça aos menos favorecidos pela vida, esses mesmos que você quer manter escondidos. Os ricos não vão até o forum em busca de justiça: eles "compram". Basta ver o exemplo da venda de sentenças pelo EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR "TODO PODEROSO" JUIZ DE DIREITO "rocha mattos" Se os pobres deste País te incomoda, lute para mudar pelo menos um pouco a vida deles, ou então se manda. Alie-se ao "Bush", e quem sabe ele te confere poderes suficientes para executá-los de vez. É por essas e outras que costumo dizer: "QUANTO MAIS EU CONHEÇO O SER HUMANO, MAIS EU GOSTO DOS MEUS CACHORROS VIRA-LATAS" O dia que o ser humano for capaz de amar seu próximo como um cachorro ama seu dono, então transformaremos este mundo nojento num paraíso. AINDA TEMOS A OUSADIA DE ACHARMOS QUE FOMOS FEITO À IMAGEM E SEMELHANÇA DE "DEUS".

Parabéns Pelo seu comentário Rudinei, achei exc...

Ubiratan Stevaux Medeiros ()

Parabéns Pelo seu comentário Rudinei, achei excelente. Realmente nada a comentar sobre essa atitude ridícula. Será que ele também entrará cm ação pedindo para que todos da sua rua ou edifício, o chamem de Excelência???

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/11/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.