Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vitória eleitoral

Eros Grau restabelece mandatos de João e Janete Capiberibe

O ministro do Supremo Tribunal Federal Eros Grau concedeu, nesta quarta-feira (17/11), uma liminar para suspender a decisão do Tribunal Superior Eleitoral que cassou os mandatos do senador João Capiberibe e de sua mulher, a deputada Janete Capiberibe, ambos do PSB do Amapá. Eles foram cassados pelo TSE por compra de votos.

Com a liminar, eles podem permanecer em seus cargos até que o Supremo julgue o mérito do recurso contra a cassação. De acordo com a Agência Globo, o advogado dos parlamenatres, Paulo Costa Leite, avisou que não vai desistir fácil de garantir a permanência dos dois.

A notícia da concessão da liminar foi divulgada no Congresso Nacional pelo senador Antonio Carlos Valadares (PSB-Sergipe).

Ao conceder a liminar que suspendeu a decisão do TSE - e mantém os parlamentares em seus cargos até o julgamento do mérito -- Eros Grau argumentou que "no que tange à fumaça do bom direito, tenho-a como presente. Aparentemente não há coesão nos depoimentos. Manifesta-se, no entendimento do Ministro Celso de Mello em seu voto no acórdão, atacado pelo recurso extraordinário, situação de conflito probatório".

O presidente interino do TSE e ministro do Supremo, Carlos Velloso havia negado nesta terça-feira (16/11) o efeito suspensivo da cassação, pleiteada pelos parlamentares e também comunicou ao Tribunal Regional Eleitoral do Amapá a sua decisão.

Eros Grau também contestou a constitucionalidade do artigo 41- A da Lei nº 9.504/97 - a Lei Eleitoral - que estabelece a cassação de candidaturas no caso de compra de votos em espécie ou do uso da máquina pública com o mesmo objetivo.

Ao votar contra a cassação do casal Capiberibe, em abril passado, o ministro Celso de Mello, havia argumentado que se trata de "um terreno movediço demais para se adotar uma decisão tão drástica que é a cassação de mandatos".

Revista Consultor Jurídico, 17 de novembro de 2004, 15h54

Comentários de leitores

7 comentários

É lamentável a decisão do Min Eros Grau, porqua...

Djalro Dutra ()

É lamentável a decisão do Min Eros Grau, porquanto só serve para demonstrar que de fato existem pessoas que seus interesses estão acima da lei. Suspender uma decisão que foi amplamente debatida por uma Corte Superior especializada não importa apenas numa temeridade, mas, num retrocesso da cidadania e numa afronta a dispositivo legal que reflete a maior manifestação legislativa do povo brasileiro. A decisão não fere somente à vontade da lei, mas, constitui-se num estimulo à classe politica para continuar manipulando a vontade das pessoas carentes e incautas, que não tem ainda uma consciencia politica. Não tenho nada contra a pessoa do Senador Capeberibe e sua Esposa Deputada Janete Capeberibe, mas, o que estar em discurssão é um possivel retrocesso de uma legislação que tem como objetivo fundamental inibir esta pratica tão reprovável da compra de votos, da imposição do voto, que sem dúvida retira a legitimidade do mandato do eleito. Fico triste como cidadão e perplexo como advogado que eventualmente milito no foro eleitoral Djalro Dutra

Concordo com o colega. A decisão é rídicula mes...

Gustavo82 (Advogado Autônomo)

Concordo com o colega. A decisão é rídicula mesmo. Deixa-me perplexo um Ministro do STF declarar que a compra de votos se trata de "um terreno movediço demais para se adotar uma decisão tão drástica que é a cassação de mandatos". Que há de mais grave no processo eleitoral do que essa prática? Sem a cassação, vigora a impunidade.

Concordo com o colega. A decisão é rídicula mes...

Gustavo82 (Advogado Autônomo)

Concordo com o colega. A decisão é rídicula mesmo. Deixa-me perplexo um Ministro do STF declarar que a compra de votos se trata de "um terreno movediço demais para se adotar uma decisão tão drástica que é a cassação de mandatos". Que há de mais grave no processo eleitoral do que essa prática? Sem a cassação, vigora a impunidade.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/11/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.