Consultor Jurídico

Outro dia

STF adia julgamento de doente mental presa há mais de 30 anos

Pedido de vista do ministro Sepúlveda Pertence interrompeu, nesta terça-feira (9/11), o julgamento do Habeas Corpus impetrado em favor de uma doente mental presa há mais de 30 anos. Diagnosticada como esquizofrênica, a mineira M.L.F. foi considerada responsável pelo afogamento de dois filhos e está internada no Hospital de Custódia e Tratamento de Franco da Rocha, em São Paulo.

Até agora Carlos Ayres Britto, Cezar Peluso e Eros Grau acompanham o voto do relator Marco Aurélio, que concedeu o HC. “Observa-se a garantia constitucional que afasta a possibilidade de ter-se prisão perpétua [no Brasil]”, afirmou o ministro. Ele citou o artigo 75 do Código Penal, segundo o qual o tempo de cumprimento das penas privativas de liberdade não podem ser superiores a 30 anos.

A defesa de M.L.F. sustenta que, “mesmo persistindo a doença mental e havendo necessidade de tratamento após declaração da extinção da punibilidade, este deve ocorrer em hospital psiquiátrico, cessada a custódia”. Os advogados também pedem que sua cliente seja transferida para hospital psiquiátrico da rede pública, onde deverá ser submetida a tratamento adequado, com a finalidade de futura transferência a colônia de desinternação progressiva. Ressaltam ainda que o longo período de internação mostrou-se “ineficaz”.

No Superior Tribunal de Justiça, o HC foi indeferido. Os ministros entenderam que a lei penal não prevê limite temporal máximo para o cumprimento de medida de segurança de internação, que fica condicionado ao fim da periculosidade de réus inimputáveis (não responsáveis por um ilícito penal).

HC 84.219

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 9 de novembro de 2004, 20h57

Comentários de leitores

2 comentários

Dr. Artur, infelizmente tenho que concordar com...

Lu2007 (Advogado Autônomo)

Dr. Artur, infelizmente tenho que concordar com o senhor. Acho que tem intromissão demais do Poder Executivo no Poder Judiciário. E tenho a sensação que ultimamente o STF está mais politico do que nunca, trazendo muita insatisfação as pessoas da área jurídica quanto as suas decisões. Além disso, eu li na revista época desta semana ( de domingo) que mulheres e filhas de alguns ministros do STF , religiosas, influenciaram estes ministros na hora de decidir sobre a liminar a respeito da interrupção da gravidez de fetos anencefalos. É realmente lamentável que um órgão deste porte deixe de tomar decisões tecnicas para se submeter a deisões politicas, religiosas, etc. Que grau de confiança teremos em relação a este Tribunal?

Ouso discordar do representante do Ministério...

Dermeval Ribeiro Vianna Filho ()

Ouso discordar do representante do Ministério Público. Deve-se ter em conta sempre a Constituição antes de aplicar qualquer preceito legal. Onde está a garantia da pessoa humana? É direito fundamental não ser submetido a tratamento degradante ou a prisão perpétua. Aliás, as medidas de segurança são impostas geralmente sem qualquer obediência ao devido processo legal, embora sejam penas privativas de liberdade, eis que, as vezes, não é facultado ao réu qualquer direito de defesa. Além do mais, não há definição do tempo de duração, o que é um descalabro. O simples fato de a pessoa ser portadora de um distúrbio mental não enseja a sua desconsideração como sujeito de direitos e deveres. E dentre estes estão todos aqueles previstos na ordem constitucional.

Comentários encerrados em 17/11/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.