Consultor Jurídico

Recomendação a juízes

Ministro sugere que juízes destaquem honorários em sentenças

Retornar ao texto

Comentários de leitores

7 comentários

Posso adiantar aos colegas que se indispõem co...

ATHENIENSE (Advogado Sócio de Escritório)

Posso adiantar aos colegas que se indispõem contra o critério censurado que o Presidente Busato, na ultimja semana, levou ao Presidente do STJ a mnifestação do Conselho Federal, destinada a evitar que se consume mais esta providência lesiva aos interesses da classe. Vamos aguardar o resultado.

Senhores, Parece-me que os responsáveis por es...

José Fernandes da Silva (Advogado Autônomo - Civil)

Senhores, Parece-me que os responsáveis por esse procedimento desconhecem a realidade do dia-a-dia dos advogados. Eu, por exemplo, contrato meus honorários verbalmente, isto é, somente elaboro contrato quando o cliente prefere assinar. Nos longos 20 anos de profissão, jamais tive qualquer problema, seja de minha parte, seja para os clientes. A partir dessas "orientações", terei que burocratizar minha atividade elaborando contratos de honorários, ou então, deixar que o valor da condenação seja depositado pelo total na conta do meu constituinte e depois obter dele o pagamento da parte que me pertence. É genial quem inventa essas coisas! Que Deus os proteja e não caiam de quatro, se não...

Senhores, Parece-me que os responsáveis por es...

José Fernandes da Silva (Advogado Autônomo - Civil)

Senhores, Parece-me que os responsáveis por esse procedimento desconhece a realidade do dia-a-dia dos advogados. Eu, por exemplo, contrato meus honorários verbalmente, isto é, somente elaboro contrato quando o cliente prefere assinar. Nos longos 20 anos de profissão, jamais tive qualquer problema, seja de minha parte, seja para os clientes. A partir dessas "orientações", terei que burocratizar minha atividade elaborando contratos de honorários, ou então, deixar que o valor da condenação seja depositado pelo total na conta do meu constituinte e depois obter dele o pagamento da parte que me pertence. É genial que inventa essas coisas! Que Deus os proteja e não caiam de quatro, se não...

Para passar por cima de um ato jurídico perfeit...

Luís Eduardo (Advogado Autônomo)

Para passar por cima de um ato jurídico perfeito e acabado (procuração ao advogado com poderes para receber e dar quitação) o STJ edita uma Resolução. Para apartar os honorários dos advogados faz uma recomendação. E se o MM. Juiz da causa não acolher a recomendação, como é que fica o infeliz do advogado, mais 15 anos de recursos só para levantar o que é seu? Será que querem liquidar com a advocacia; a parte entra com a própria ação e ai os juízes decidem com celeridade, porque n ao há "tantas razões de direito e fatos"a serem apreciadas? Será que isso acaba com a morosidade da Justiça? OAB cadê você???????????????????????????? P.S.: alguém tem dúvida que muitos juízes não vão acolher a "recomendação"?

A situação dos Advogados neste pais em...

Carlos Nelson Nunes Picanço ()

A situação dos Advogados neste pais em relação a nossa Justiça de modo geral é penosa, pagamos caro pela lentidão e morosidade do poder judiciário, quando passamos varios anos batalhando com uma Ação para so depois de muito tempo recebermos de 05 a no maximo 15 por cento de honorarios, pois os juizes quase nunca deferem honorarios de 20 por cento principalmente em causa cujo o valor seja superior a R$ 10.000 (dez mil reais). Isso é uma vergonha e precisa mudar JÁ!.

É estranho que nesta terra brasilis, quem nada ...

João Marcos Mayer (Advogado Assalariado - Ambiental)

É estranho que nesta terra brasilis, quem nada tem a vem com honorários é que se intromete para baixar e para atrapalhar o recebimento. Estão nossos amados comparsas cheios das idéias de Molière e de outros escritores franceses, que colocaram nas mentes dos seus pósteros que os advogados são ladrões. O fato é que a inveja dos dignos funcionários do poder estatal não pode ver um honorário mais polpudo ou menos para rebaixá-lo ao nível de sua própria idéia e de seu nível. Infelizmente a lei processual não é favorável aos advogados. Não deveria haver palpite algum de terceirtos, muito mais de magistrados, na fixação de honorários, que é assunto de cliente e patrono. Os advogados não se metem na fixação dos salários, quer dos MPs, quer dos magistrados ou de qualquer civil servant. Logo, não deveria haver interferência alguma dos ilustres Meretíssimos ou Excelências no dinheiro recebido em razão do seu suor e das suas lágrimas (dos advogados, é óbvio). Digno é o trabalhador do seu salário. Os juízes, nem os ministros não são partes na relação cotratual dos serviços cliente - advogado. Onde está a OAB Nacional, que agora quer fiscalizar a dívida externa, para fazer valer o direito de receber honorários dignos, principalmente dos bancos e das seguradoras que enganam o consumidor????? Abaixo o rebaixamento das indenizações a valores aviltantes. O Ministro Pargendler é um Ministro Esclarecido e Iluminado.

Honorários de sucumbência deveria ser abolido. ...

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório)

Honorários de sucumbência deveria ser abolido. Juizes nada tem a haver com honorários contratados. Quem deve pagar honorários é o cliente. Não é um terceiro, o juiz, que deve fixá-los. O valor deve ser combinado entre o cliente e o advogado. Juiz, que não gosta de fixar honorários e, quando fixa, o valor é ridículo, não deve se intrometer sobre o "quantum"e sobre a forma de pagamento de honorários. Outro problema a ser resolvido é a limitação de 20% (vinte por cento) previsto no CPC. A contratação de honorários deveria ser livre e sem limites como em paises do primeiro mundo. Aliás, aqui, no Brasil, os honorários na Justiça Trabalhista já estrapolam os 20 % (vinte por cento) e na justiça comum é normal a participação superior do advogado, principalmente quando este financia a causa, o que hoje é comum, em razão do custo elevado das custas processuais e da demora na solução das causas. Enfim, vamos aguardar nossa chegada ao primeiro mundo. Ainda estamos no 5º mundo.

Comentar

Comentários encerrados em 17/11/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.