Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Honorários advocatícios

Súmula aprovada pelo STJ contraria Estatuto da Advocacia

O Superior Tribunal de Justiça aprovou quarto novas súmulas. Uma delas manda compensar honorários advocatícios quando houver sucumbência recíproca, o que contraria o Estatuto da Advocacia. As súmulas refletem a unificação do entendimento sobre vários assuntos julgados pelas Turmas, Seções e Corte Especial.

A primeira a ser aprovada, por unanimidade, foi a de número 303, que trata de honorários advocatícios. Ela tem o seguinte enunciado: "Em embargos de terceiro, quem deu causa à constrição indevida deve arcar com os honorários advocatícios”.

Em seguida, foi aprovada a Súmula 304: "É ilegal a decretação da prisão civil daquele que não assume expressamente o encargo de depositário judicial".

A de número 305 também trata de prisão civil: "É descabida a prisão civil do depositário quando, decretada a falência da empresa, sobrevém a arrecadação do bem pelo síndico".

A última a ser aprovada foi a de número 306: "Os honorários advocatícios devem ser compensados quando houver sucumbência recíproca, assegurado o direito autônomo do advogado à execução do saldo, sem excluir a legitimidade da própria parte". Esse verbete contraria expresso entendimento do Conselho Federal da OAB.

O ministro Pádua Ribeiro foi o relator dos quatro projetos, transformados em Súmulas. Segundo o Espaço Vital, apenas a última, de número 306, não foi aprovada por unanimidade. O ministro Peçanha Martins tinha entendimento divergente e ficou vencido.

Leia o que o Estatuto da Advocacia dispõe sobre os honorários

CAPÍTULO VI

DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

Art. 22 - A prestação de serviço profissional assegura aos inscritos na OAB o direito aos honorários convencionados, aos fixados por arbitramento judicial e aos de sucumbência.

§ 1º - O advogado, quando indicado para patrocinar causa de juridicamente necessitado, no caso de impossibilidade da Defensoria Pública no local da prestação de serviço, tem direito aos honorários fixados pelo juiz, segundo tabela organizada pelo Conselho Seccional da OAB, e pagos pelo Estado.

§ 2º - Na falta de estipulação ou de acordo, os honorários são fixados por arbitramento judicial, em remuneração compatível com o trabalho e o valor econômico da questão, não podendo ser inferiores aos estabelecidos na tabela organizada pelo Conselho Seccional da OAB.

§ 3º - Salvo estipulação em contrário, um terço dos honorários é devido no início do serviço, outro terço até a decisão de primeira instância e o restante no final.

§ 4º - Se o advogado fizer juntar aos autos o seu contrato de honorários antes de expedir-se o mandado de levantamento ou precatório, o juiz deve determinar que lhe sejam pagos diretamente, por dedução da quantia a ser recebida pelo constituinte, salvo se este provar que já os pagou.

§ 5º - O disposto neste artigo não se aplica quando se tratar de mandato outorgado por advogado para defesa em processo oriundo de ato ou omissão praticada no exercício da profissão.

Art. 23 - Os honorários incluídos na condenação, por arbitramento ou sucumbência, pertencem ao advogado, tendo este direito autônomo para executar a sentença nesta parte, podendo requerer que o precatório, quando necessário, seja expedido em seu favor.

Art. 24 - A decisão judicial que fixar ou arbitrar honorários e o contrato escrito que os estipular são títulos executivos e constituem crédito privilegiado na falência, concordata, concurso de credores, insolvência civil e liquidação extrajudicial.

§ 1º - A execução dos honorários pode ser promovida nos mesmos autos da ação em que tenha atuado o advogado, se assim lhe convier.

§ 2º - Na hipótese de falecimento ou incapacidade civil do advogado, os honorários de sucumbência, proporcionais ao trabalho realizado, são recebidos por seus sucessores ou representantes legais.

§ 3º - É nula qualquer disposição, cláusula, regulamento ou convenção individual ou coletiva que retire do advogado o direito ao recebimento dos honorários de sucumbência.

§ 4º - O acordo feito pelo cliente do advogado e a parte contrária, salvo aquiescência do profissional, não lhe prejudica os honorários, quer os convencionados, quer os concedidos por sentença.

Art. 25 - Prescreve em cinco anos a ação de cobrança de honorários de advogado, contado o prazo:

I - do vencimento do contrato, se houver;

II - do trânsito em julgado da decisão que os fixar;

III - da ultimação do serviço extrajudicial;

IV - da desistência ou transação;

V - da renúncia ou revogação de mandato.

Art. 26 - O advogado substabelecido, com reserva de poderes, não pode cobrar honorários sem a intervenção daquele que lhe conferiu o substabelecimento.

Revista Consultor Jurídico, 4 de novembro de 2004, 11h47

Comentários de leitores

5 comentários

Colegas: O que diz o EOAB? Contratemos nosso...

Sandra Paulino (Advogado Autônomo)

Colegas: O que diz o EOAB? Contratemos nossos honorários profissionais por escrito. Certo. E quanto à sucumbência? É matéria processual, certo? E para que servem os Tribunais? Será possível que toda vez que algum despacho ridículo seja proferido (por razões humanas, claro, já sabemos que juiz é o advogado que não deu certo pq não teve competência pra montar sua própria banca e ser bom o suficiente pra ser disputado e cobrar o que quiser...) vamos ficar reclamando? Recorramos, de acordo com as leis processuais e façamos nossa parte em alto e bom som, que é possível, em quase todos os processos a sustentação oral, da qual a maioria corre, pq não sabe fazer, não sabe falar, não sabe defender O SEU DIREITO. Abs. Sandra Paulino

Mas, olha, não obstante o quão absurdo ser a sú...

Alexandre Domingues Martins Bandeira ()

Mas, olha, não obstante o quão absurdo ser a súmla aprovada, nós, advogados, somos culpados por isso. Sabe por que? Os advogados de grandes escritórios simplesmente estupraram esse instituto, o da sucumbência. Porque muitas vezes são sócios de seus clientes, ou para fazer um agrado ao cliente, praticam muitas vezes exposto na súmula. Além disso, quantos os aki presentes executam os honorários em nome próprio, arcando com as despesas judiciais sozinhos, e não jogando na conta do cliente? Numa execução de sentença favorável, quem entra com duas execuções? Eu faço isso, mas sei que sou exceção. Na medida em que cobramos nossos honorários em nome de nosso cliente, o juiz, que não está ligado na nossa realidade está vendo joão cobrando honorários de seu advogado, e não o advogado. Poxa, os honorários são de quem? Portanto digo, bem feito a classe. Quem manda não agir da maneira correta? Nós demos a corda e subimos na cadeira. Eles apenas chutaram o banco.

Em outro momento em que comentava uma notícia r...

Francis Bragança de Souza dos Anjos (Advogado Associado a Escritório)

Em outro momento em que comentava uma notícia relativa a Magistratura, lembrei que primeiro ela o alvo de enfraquecimento, agora, somos nós... Depois quem será?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/11/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.