Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bola na trave

Ronaldo não consegue indenização de R$ 1 mi em ação contra Contigo

Por 

O craque Ronaldo perdeu uma partida na Justiça para a revista Contigo, da Editora Abril. O juiz Carlos Alexandre Böttcher, de São Paulo, negou indenização de R$ 1 milhão para o jogador de futebol, que alega ter sido ofendido em reportagem sobre crise conjugal com Milene Domingues. O casal está separado atualmente.

Ronaldo ainda pode recorrer da sentença de primeira instância. O advogado Michel Assef -- que representa Ronaldo -- foi procurado pela revista Consultor Jurídico três vezes na tarde desta terça-feira (30/3), mas não retornou as ligações. O celular dele estava desligado no fim da tarde.

O jogador não gostou da reportagem de capa intitulada "Separados sob o mesmo teto -- Ronaldo e Milene tentam driblar a crise em público. Mas na intimidade estariam vivendo cada um na sua."

Contigo afirmou ainda: "Amigos e mídia tentaram cessar o diz-que-diz de que o casal estaria rompido sob o mesmo teto, tentando fazê-lo parecer unido em público. Mas Milene e Ronaldo não desmentem o boato de separação".

A revista também transcreveu trechos de uma entrevista gravada para o programa de Xuxa em que Ronaldo se descreveu como um "bom partido". De acordo com Contigo, a apresentadora se mostrou surpresa com a resposta e disse: "Você é casado, garoto!". Ele alegou na Justiça que Contigo publicou uma reportagem "irresponsável".

A revista foi representada pelo do escritório Lourival J. Santos Advogados. A defesa alegou que Contigo apenas se limitou a narrar os fatos e "teve o cuidado de usar os verbos no condicional, já que se tratava de suposição envolvendo o autor." Também argumentou que a revista não reproduziu nada de inverídico e que fãs de Ronaldo se interessam por notícias como essa.

O juiz acatou os argumentos de Contigo. Segundo ele, a revista "publicou reportagem a partir de dados colhidos de entrevista concedida pelo próprio autor a outro veículo de imprensa, além de amigos e familiares, tendo por objeto suposta crise conjugal, verificando-se que a reportagem teve o intuito meramente narrativo e não extrapolou a garantia constitucional da liberdade de imprensa". Ele acrescentou que Contigo "tem como tema fatos relacionados ao mundo artístico e às celebridades, categoria esta na qual pode ser inserto o autor como conhecido jogador de futebol de fama mundial".

Para o juiz, "é comum que o famoso se torne notícia e atraia para si os holofotes da mídia, estando sujeito a interesse maior do público, sobretudo em relação a sua vida pessoal". Segundo Böttcher, no programa de Xuxa, Ronaldo "respondeu a várias perguntas de forma incompatível a um recém-casado satisfeito com o matrimônio, contribuindo ele próprio a disseminar a suposta crise no casamento".

O jogador foi condenado a pagar R$ 15 mil de honorários advocatícios, além de custas judiciais e despesas processuais.

Processo nº 004.02.019782-2

 é editora da revista Consultor Jurídico e colunista da revista Exame PME.

Revista Consultor Jurídico, 30 de março de 2004, 17h49

Comentários de leitores

5 comentários

Que a revista Contigo é vulgar e de péssimo gos...

Ana Carolina Caires Rodrigues ()

Que a revista Contigo é vulgar e de péssimo gosto, todo mundo sabe. Mas ninguém duvida que o Sr. Ronaldo é um "galinha", incapaz de constituir uma família decente. E este ainda é capaz de pedir indenização, por ter aventuras com mulheres oportunistas ,que pensam que são celebridades por ser rotuladas com o nome de "Ronaldinhas". RIDÍCULAS!!!

Aliás, até hoje não consegui saber o que este p...

João Marcos Mayer (Advogado Assalariado - Ambiental)

Aliás, até hoje não consegui saber o que este perna de pau Ronaldinho fez que o tornou ídolo. Talvez o excesso de propaganda, a Nike e outros bichos mais. Assim qualquer um vai para cima. E também desce. Ainda bem que não há juízes idiotas que se deixam levar por esses falsos ídolos. Parabéns à Jornalista Débora Pinho, que fulminou o craquento.

O senhor Emanuel Messias Teixeira de Medeiros, ...

Fmdsouza (Advogado Autônomo - Empresarial)

O senhor Emanuel Messias Teixeira de Medeiros, deve estar sofrendo de alguma anomalia mental! Quem quer saber do que fez ou deixou de fazer um procurador federal? Ainda mais, onde se estar a tratar de comentários ao Sr. Ronaldo ? Problema da procuradoria meu caro! Que aliás, até hoje não entendi o porque do tal procurador geral, se qualquer um deles faz o que bem entende. Alí, é um antro de insubordinação, não há hierarquia - há é anarquia. Haja visto, a desculpa que tal procurador geral deu há poucos minutos ao jornal nacional. Nos poupe, senhor Emanuel. Nos poupe.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/04/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.