Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

CPI da Loterj

Deputado diz que ex-chefe de gabinete mentiu no caso Waldomiro

Por 

O deputado estadual do Rio de Janeiro e presidente da CPI que investiga irregularidades na Loterj, Alessandro Calazans (PV), afirmou que a ex-chefe de gabinete da presidência do órgão, Ana Cristina Moraes Sena, teria mentido em seu depoimento dado à Comissão. Ela teria afirmado aos deputados que não era responsável por processos de licitação. Porém, a ex-chefe de gabinete da Presidência da Loterj, de acordo com documentos em posse da Comissão, assinou em 19 de novembro de 2002, contrato no valor de R$ 51 milhões da Hebara Distribuidora de Produtos Lotéricos S/A., como chefe de Gabinete. A assinatura está, segundo informação da assessoria de imprensa de Calazans, na folha 353 do processo E-04/Loterj/262-2002.

“Ela prestou essa informação em seu depoimento tentando se eximir de qualquer ligação com irregularidades cometidas pelo ex-subchefe de Assuntos Parlamentares do governo federal Waldomiro Diniz, quando este era presidente da Loterj, em 2001 e 2002. Ela incorreu no crime de falso testemunho e a CPI vai tomar as devidas providências”, afirma Calazans.

O deputado disse ainda que Ana Cristina confirmou ter sido ordenadora de despesas de 18 de novembro até o final de 2002, mas havia dito no depoimento que se limitava a questões internas. Calazans garante que Ana Cristina era funcionária de confiança de Waldomiro. “Ela entrou na Loterj em 2001, por indicação de Waldomiro Diniz, assumiu a chefia do gabinete em 2002 e foi com ele para o Palácio do Planalto em 2003. Para quem tinha tanta confiança do Waldomiro, o que ela diz saber é muito

Pouco”, acredita Calazans.

De acordo com informações divulgadas pelo gabinete do deputado, Ana Cristina disse que seu trabalho se limitava a receber processos, memorandos, ofícios e repassá-los ao presidente. Ela era também responsável pela agenda de Waldomiro, “mas garantiu que nunca fez qualquer contato com Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira”. (Com informações da assessoria do deputado)

Cristiane Crelier é repórter da Gazeta Mercantil.

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 2004, 17h56

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/04/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.