Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Câmara de gás

Justiça nega pedido de Ministério Público contra extermínio de cães

O pedido do Ministério Público contra a forma com que os animais capturados nas ruas de Belo Horizonte são sacrificados foi julgado improcedente. Na decisão, o juiz da 6ª Vara da Fazenda Pública Municipal de Belo Horizonte, Judimar Martins Biber Sampaio, considerou a falta de estrutura para abrigar o elevado número de cães capturados e encaminhados ao Centro de Zoonoses de Belo Horizonte e o alto índice de animais infectados.

Entendeu, porém, que a política adotada pela Administração deveria ser reavaliada. Mas ressaltou que essa avaliação não passa pela imposição jurisdicional, mas sim pelo comprometimento político da população, das sociedades protetoras dos animais e do MP para o convencer os governantes a respeito da necessidade de adoção de ações para diminuir o problema.

Na ação civil pública, o MP alegou que a prefeitura, através do Centro de Zoonoses, tem sacrificado animais domésticos capturados nas ruas da cidade através de asfixia em câmara de gás, sem sedação prévia e sem a constatação de que sejam portadores de zoonoses.

Requereu que não fossem abatidos os animais sadios, sob pena de multa de R$ 1 mil por cada animal abatido, e que aqueles portadores de zoonoses não fossem para a câmara de gás sem prévia e adequada sedação. Pediu, ainda, o tratamento adequado dos animais recolhidos nas vias públicas, sadios ou não.

O município se defendeu argumentando que animais domésticos não são protegidos pela legislação e enfatizando o interesse sanitário na não proliferação de cães.

Ao analisar o pedido, o juiz informou que, de acordo com documento solicitado ao município, 22.439 cães foram sacrificados em 2003. Também no documento, destacou o juiz, ficou claro que o município possui uma infra-estrutura para abrigar cerca de 270 cães, sendo nove canis de captura onde serão acomodados por dois dias úteis, cada um com capacidade para aproximadamente 30 cães que são remanejados até a última cela de confinamento para serem sacrificados.

Ressaltou também que o expressivo número de exames de sangue positivos realizados para decidir sobre o sacrifício dos animais, 8.077 por ano, indicaria média mensal de 673 animais portadores de Leishmaniose visceral, ou aproximadamente 26 animais infectados por dia, que seriam levados à câmara de gás por monóxido de carbono.

Para o juiz, só a constatação de tamanho número de animais infectados já indica que a cidade de Belo Horizonte é região endêmica de Leishmaniose canina, com graves riscos de infecção à população em geral.

O juiz citou estudos que indicam a eliminação dos cães infectados como uma das medidas de prevenção pública da leishmaniose, lembrando que as considerações do Ministério Público a respeito do meio cruel de sacrifício dos cães não ficou totalmente demonstrada, mesmo porque o monóxido de carbono tem efeito narcótico capaz de inibir a violência da morte.

O magistrado ponderou que o Poder Público poderia melhor se orientar no assunto, buscando novas tecnologias. No entanto, acrescentou que "a política de extermínio da população animal encarcerada é alternativa adotada tanto pela norma de contenção como pela norma técnica, sendo certo que as sociedades e associações de proteção dos animais vêm tentando minimizar a questão fornecendo ótimos elementos para a composição de uma nova abordagem da questão política a orientar o controle de zoonoses". (TJ-MG)

Revista Consultor Jurídico, 5 de março de 2004, 17h04

Comentários de leitores

3 comentários

Se o município não tem condições de atender est...

Rainis Lejins ()

Se o município não tem condições de atender este problema que diz ter, é preciso reavaliar este prefeito, veterinário chefe da zoonose,o juiz que autoriza o extermínio e mandar todos eles para camara de gaz. É bom mandar cães para camara de gaz, eles não sabem se defender. O difícil é este juiz mandar criminosos para camara de gaz, ele não tem peito para fazer isso porque sabe que tera o troco.Mande a projenitora também, assim não tera mais um juiz para exterminar animais. Rainis- Jundiaí SP-Auxiliar de enfermagem

Se esse juiz entende que a câmara de gás não é ...

Wilson Túllio Andrade ()

Se esse juiz entende que a câmara de gás não é tão cruel assim, por que então não direciona para ela seus filhos e parentes mais próximos. Afinal, nada há nela de cruel, segundo tal magistrado. São decisões como essa que fazem com que a população perca totalmente a crença no ideário de justiça e, bem assim, a confiança nos integrantes do Poder Judidiário. Tenho certeza que o MP interporá de imediato o recurso cabível de tal decisão negativa obtusa, obtendo sua reforma junto ao Tribunal competente, bem como, a concessão imediata da antecipação dos efeitos da tutela recursal vindicada (efeito ativo).

o juíz que negou a proibição á morte destes pob...

Leslie Szabo ()

o juíz que negou a proibição á morte destes pobres animais é que deveria ser enviado á câmara de gás juntamente com seus entes queridos...este tipo de gente vale bem menos que um cão!!

Comentários encerrados em 13/03/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.