Consultor Jurídico

Artigos

O Iraque é aqui

“Operação Anaconda se demonstra uma verdadeira cobra cega”

Comentários de leitores

7 comentários

Se for verdade que a Polícia Federal incluiu um...

Silvia F. Tomacchini ()

Se for verdade que a Polícia Federal incluiu uma pessoa morta há vários anos como chefe da quadrilha, prendeu por vários dias uma pessoa pensando que era outra, trocou nomes, afirmou que outra ganhou passagens aéreas sem provas, de fato não há como se elogiar um trabalho desses. A acusação indiscriminada de inocentes merece o repúdio de todos aqueles que lutam pela prevalência de um Estado guiado pela lei e não pela barbárie. Parabéns ao dr. Romualdo.

Realmente, só no Brasil existe tanta defesa de ...

Dacira Calixto Campos (Escrivão)

Realmente, só no Brasil existe tanta defesa de direitos humanos quando se trata de figurões, não lembro de ter lido tantos artigos defendendo os pobres diabos que estão amontoados em presídios superlotados, apenas por terem cometidos pequenos delitos. É natural que em uma grande investigação como a anaconda, possa haver erros e divergências. Mas pela primeira vez no Brasil estamos assistindo a uma grande investida contra o crime organizado e isto deve estar contrariando os interesses de muita gente. Mas o que mais me admira são as pessoas que criticam as ações da Justiça e do Ministério Público, baseados apenas nas leituras de artigos publicados por uma imprensa que nem sempre prima pela imparcialidade ou será que essas pessoas tiveram acesso aos autos!

Conheço o Dr. Romualdo e sei de sua luta na ...

Samira F Huris ()

Conheço o Dr. Romualdo e sei de sua luta na defesa dos direitos humanos. Sei que ele não escreveria esse artigo se não estivesse convencido da grave agressão aos irmãos juízes. A reportagem da revista Isto É revelou a verdadeira face dessa anaconda - cobra-cega -, que acusou inocentes. Li a resposta dessa mesma revista à carta enviada pelos procuradores envolvidos. Tive mais certeza ainda da irresponsabilidade da acusação. Os procuradores deveriam explicar por que tentam barrar um inquérito que apura grampos ilegais, requisitado pelo próprio MPF. Deviam vir a público, como fizeram no início, para explicar à sociedade brasileira quais acusações pesam contra os juízes, e não generalizar como fizeram até agora. Que sentença foi vendida? Que vantagem receberam? Ora,as próprias testemunhas da acusação disseram não ter apurado nada contra eles, conforme noticiou a Isto É. Os policiais admitiram que não investigaram para não prejudicar a investigação! Esse mesmo Consultor noticiou trechos do depoimento do policial que admitiu não ter sido ameaçado. Será que a Santa Inquisição ressurgiu sem aviso prévio? Será que ainda existe um judiciário brasileiro independente, ou está ele prostrado pela pressão da mídia e da fúria acusatória do Ministério Público. E ainda querem ter poder de investigação!!! Tenham a santa paciência!

Só quem não conhece o submundo do crime poderia...

Marcelo (Servidor da Secretaria de Segurança Pública)

Só quem não conhece o submundo do crime poderia escrever um artigo tão impreciso. Se uma pessoa comenta ao telefone ter recebido algum material oriundo de crime (contrabando) e em busca domiciliar a prova do crime é ali encontrada (no caso em tela um televisão), dizer que a investigação baseou-se tão somente em escuta mostra no minimo desconhecimento. O habeas corpus referido no artigo foi concedido pelo min Marco Aurelio, já tendo sido prontamente pelo relator, o Ministro (esse com "M" maiusculo) Joaquim Barbosa. Fora outros argumentos que não me perderei em contestar, afinal esse juizes eram realmente um show de eficiencia para determinadas "defesas" que agora deixarão de ser tão profícuas assim.

O Ministério Público tem prestado inestimáveis ...

Marcio de Oliveira Maia ()

O Ministério Público tem prestado inestimáveis serviços à sociedade, não há dúvidas. Mas o artigo do advogado, corregedor do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP e conselheiro da OAB-SP, deve ensejar profunda reflexão. Tive a oportunidade de ler outros artigos, inclusive reportagens (Istoé, "A gula da cobra", n. 1809), que seguem a mesma linha do artigo acima. Mais recentemente li também um artigo, escrito por um membro do Ministério Público, publicado no Observatório da Imprensa - http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=281CID003 - que segue também a mesma linha. Então algo está errado nesse processo. Lamentavelmente erros podem acontecer (e tudo aponta para isso em relação aos juízes Mazloum e outros acusados), mas devemos confiar no Judiciário e no Ministério Público para que inocentes não sejam condenados. Seria trágico.

Discordo totalmente do artigo apresentado. Dada...

Marco A. Oliveira ()

Discordo totalmente do artigo apresentado. Dada a magnitude da operação e o número de pessoas envolvidas, é óbvio que apareceriam imperfeições na investigação, que deverão ser corrigidas sob pena dos réus serem beneficiados. E ainda há a complexidade das condutas a dificultar ainda mais o trabalho investigativo. Pelo que se sabe, não houve apenas escutas mas farto material foi apreendido nas buscas, em diversos locais, comprovando-se as inúmeras imputações. Se houvesse apenas uma investigação às cegas, a denúncia não teria sido formulada e, ainda mais, recebida por órgão colegiado, do Poder Judíciário (e isento) em relação a maioria dos réus, POR UNANIMIDADE. Se há uma conspiração contra os réus, que se diga quem são os conspiradores e os motivos para isto. Ora, até julgamento final, os réus são inocentes. E também insuspeitos são a Polícia Federal e o MPF, até prova em contrário. Ou não?

Excelente o artigo do Dr. Romualdo Galvão Dias....

Jefferson ()

Excelente o artigo do Dr. Romualdo Galvão Dias. Acho que ele acertou em cheio. De fato, essa operação anaconda parece que veio com o intuito de apagar o caso Celso Daniel e ainda facilitar a reforma do Judiciário a todo custo, mesmo que parece isso fosse necessário sacrificar pessoas inocentes. Essa operação anaconda é uma vergonha nacional.

Comentar

Comentários encerrados em 29/06/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.