Consultor Jurídico

Linhas cruzadas

Deputado do PT pediu ao MP a mesma investigação feita pela Kroll

-- Doc.08 -- Nota jornalística publicada pela Revista Panorama, na Itália, em agosto de 2.001, a respeito da participação de Andréa Calabi neste evento:

“Ex-presidente do BNDES é um homem próximo ao ministro da Saúde, José Serra, e tornou-se representante dos interesses da Telecom Italia. QUANDO CALABI ESTAVA NO BNDES ELE FEZ DE TUDO PARA NEGAR À SOLPART, A HOLDING QUE CONTROLA A BRASIL TELECOM, UM EMPRÉSTIMO PEDIDO PELA EMPRESA. E TAMBÉM A TELECOM ITÁLIA, QUE DETÉM UMA COTA DA SOLPART, COLABOROU NESTA ESTRATÉGIA DE ASFIXIA FINANCEIRA NA ESPERANÇA DE COLOCAR EM DIFICULDADES O SÓCIO-BRASILEIRO. AGORA QUE CALABI APARECE EM CENA COMO UM DOS HOMENS DA TELECOM ITÁLIA, O FATO TRANSFORMOU-SE EM ESCÂNDALO PARA OS JORNAIS BRASILEIROS.”

-- Doc.09 -- nota jornalística da lavra da renomada jornalista Miriam Leitão, publicada no jornal “O Globo” de 14 de julho de 2000, onde se lê:

“-O Ministério das Comunicações quer que o imbróglio da CRT seja resolvido dentro das próximas horas. Numa reunião ontem com a Brasil Telecom deu prazo para que ela compre a empresa dos espanhóis ou desista do negócio.

- A Anatel contratou a Arthur Andersen para saber, afinal, quanto vale a CRT.”

-- Doc.10 – matéria publicada pelo Correio Braziliense, em notícia divulgada pelo jornalista Cláudio Humberto, em 27 de novembro de 2001, ou seja, mais de um ano após a aquisição da CRT, que o Ministério Público estaria investigando as relações entre a Telecom Itália e o financiamento de campanha para a Diretoria da Previ:

“Sai de baixo

O Ministério Público investiga o envolvimento da empresa Telecom Itália e seus representantes no Brasil, no financiamento ilegal na campanha para compor a diretoria do Previ, o bilionário fundo dos funcionários do Banco do Brasil. Será o próximo grande escândalo na República. Andréa Calabi deve por suas ralas barbas de molho.”

-- Doc.11 -- Matéria jornalística publicada pelo jornal italiano Corriere della Sera em 20 de junho de 2003 revela o escândalo do caso Telekon Serbia.

Em junho de 1997, o governo de Belgrado teria vendido 29% das ações da empresa de telefonia estatal para a Telecom Itália, por um valor surpreendentemente superior ao da avaliação.

Em fevereiro de 2001, sobreveio à tona o escândalo. Um consultor financeiro da empresa revelou que várias autoridades do governo de Slobodan Milosevic receberam propina proveniente desta operação, dentre eles o próprio ditador teria angariado cerca de 200 bilhões de liras.

Informa a matéria jornalística que teriam sido movimentadas importâncias em 18 bancos, situados entre Suíça, Noruega, San Marino, Principado de Mônaco, Áustria e Munich.

.Embora ainda esteja pendente de investigações, nota-se, às escâncaras, a incrível similitude entre os episódios, pois em ambos os casos há o pagamento de um notório sobre-preço pela aquisição, com pressão governamental para a concretização do negócio.

A diferença é que, em relação à Telekom Servia, as investigações se encontram adiantadas, com a comprovação do favorecimento de autoridades públicas, com a percepção de propinas.

Doc.12 – Matéria jornalística sobre a compra das ações da Seat Pagine Gialle (páginas amarelas)- a Telecom Itália comprou as ações por US$ 116 milhões.

Doc.13 – Matéria jornalística sobre a compra de ações da Globo.com – em 2001, a Telecom Itália, sob o comando de Roberto Colannino pagou US$ 810 milhões por apenas 30% do site da Globo.

Segundo Ângelo Benessia, ex-Presidente do Conselho Fiscal da Telecom Itália, esta aquisição teria sido superfaturada, pois a Globo.com fora adquirida a peso de ouro.

Doc.14 – Matéria jornalística informando que, em razão de suspeitas de práticas irregulares, Juan Villalonga também deixou a Presidência da Telefônica de Espanha e está sendo investigado em inúmeros procedimentos na Espanha.

Doc.15 – livro publicado na Itália revelando detalhes das relações de corrupção entre Colannino e os anteriores detentores do Governo Italiano. Intitula-se “ L’ Affare Telecom – Il caso político-finanziario piu clamoroso della Seconda Repubblica” de autoria de Giuseppe Oddo e Giovanni Pons e possui um capítulo inteiro destinado ao episódio da aquisição da CRT.

Todavia, inexplicavelmente, a farta prova documental acostada a esta Representação e acrescida por novos documentos anexados pelo Recorrente, não mereceram a serena apreciação pelo digno Procurador da República, ora Recorrido.

De fato, vale a pena registrar, que no texto da Promoção de Arquivamento, digitada em 33 laudas, não se constata qualquer menção à prova documental trazida pelo Recorrente.

Restringe-se o digno Procurador da República a desqualificar a matéria jornalística publicada pela Revista Isto É Dinheiro e a considerar como indestrutíveis os documentos apresentados, de forma espontânea, pelo Sr. Carmelo Furci (Telecom Italia).




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de julho de 2004, 10h51

Comentários de leitores

3 comentários

É esse poder de investigação que o MP tanto def...

João A. Limeira ()

É esse poder de investigação que o MP tanto defende? INVESTIGAÇÃO SEM CONTROLE DÁ NISSO.

eu não acredito que a esquerda brasileira estej...

Cláudia ()

eu não acredito que a esquerda brasileira esteja colaborando com silvio berlusconi e com o tio sam!!!!!!!!!!!!! telekom serbia é jogo de berlusca - cia para atacar romano prodi e a esquerda italiana, a qual estava no governo italiano por ocasião do negócio com a iugoslávia.

O representante do MP Federal deve ter cometido...

Gilberto Aparecido Americo (Advogado Autônomo - Criminal)

O representante do MP Federal deve ter cometido um pequeno equívoco, talvez até por excesso de investigações, mas nada obsta que a "tunga"de 250 milhóes de dólares seja convenientemente apurada. Há rumores de que o valor foi remetido ao exterior. Como os fatos são relativamente recentes é só perseguir "las ganancias", como dizem os latinos de lingua espanhola, que saberemos o(s) nome(s) do(s) felizardo(s). Os perdedores, para variar, somos nós, as vitimas da "globalização"(as bolas eternas, sempre chutadas por sapatos de cromo alemão), pobres mortais responsáveis pelos pagamentos de toda sorte de tributos utilizados na manutenção do conforto e satisfação da gula dos capitalistas internacionais e tupiniquins de sempre. Que tal uma CPI instaurada com a finalidade de lavar a honra do ministro "alemão" Gushiken ? Mãos à obra Deputado Cardozo. Por que náo voltar aos tempos de oposição ao Maluf. Bons tempos aqueles, deputado! Não? Gilberto Aparecido Américo advogado

Comentários encerrados em 01/08/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.