Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Extrema-unção

Paciente a quem Maluf cumprimentou morre de infecção generalizada

O paciente a quem o candidato a prefeito de São Paulo, Paulo Maluf, deu a mão ontem, na UTI do Hospital e Maternidade Voluntários, morreu nesta sexta-feira (16/7). A direção do hospital assumiu a responsabilidade pela autorização dada ao candidato para a visita.

Segundo o departamento jurídico do hospital, José Matias da Silva, o paciente, fora alvo de "uma bala perdida durante um assalto". Internado na segunda-feira, ele estava na Unidade de Terapia Intensiva do hospital em um quadro de infecção generalizada quando recebeu a visita de Maluf.

Segundo o hospital, já se sabia que o quadro de saúde de Matias da Silva era irreversível. A visita teria sido autorizada para atender o pedido do paciente, já moribundo.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), contudo, instaurou sindicância contra o hospital por ter permitido a entrada de Maluf e mais cerca de 30 pessoas entre médicos, jornalistas, assessores, fotógrafos e cinegrafistas na UTI.

Segundo o diretor do órgão, Nacime Salomão Mansur, apenas um familar do paciente pode visitar a UTI e o horário deve ser pré-determinado. Mansur classificou a situação como "absurda e sem precedentes".

A assessoria de imprensa do Conselho informou que a coleta de provas para descobrir se houve "indício de infração" ética já foi iniciada. Caso a conduta irregular fique comprovada, será aberto um processo contra o hospital no Conselho de Medicina.

Procurado por este site, Paulo Maluf não foi localizado em seu comitê por encontrar-se em campanha..

Em nota à imprensa, a diretoria do Hospital e Maternidade Voluntários confirmou expressamente que a visita do candidato foi autorizada. Diz também que a entrada de Maluf na unidade foi em atendimento ao pedido do paciente, que soube da presença do candidato no local.

Leia a íntegra da nota

Em referência à declaração do Sr. Paulo Salim Maluf, quanto à autorização pela Instituição, à visita na Unidade, confirmamos que foi autorizada.

Entretanto, salientamos que este evento deveu-se à solicitação do paciente Sr. José Matias da Silva, que soube por comentários da enfermagem que o ex-Prefeito estaria visitando o Hospital.

O Sr. José Matias encontrava-se internado na Unidade em decorrência de ferimento por projétil de arma de fogo durante um assalto no qual foi vitimado.

Apresentava quadro de infecção generalizada e em situação de instabilidade hemodinâmica aguardando condições clínicas para procedimento cirúrgico, que foi realizado às 22h20, vindo a falecer às 5 horas de hoje. (16/07/04).

Salientamos que nenhuma norma técnica da Unidade foi violada.

Atenciosamente.

A Diretoria

Revista Consultor Jurídico, 16 de julho de 2004, 15h38

Comentários de leitores

28 comentários

Eu acompanho a vida política do Sr. Paulo Maluf...

A.G. Moreira ()

Eu acompanho a vida política do Sr. Paulo Maluf, desde o tempo da Revolução de 64, quando ele teve a coragem patriótica de enfrentar a ditadura, derrotando, politicamente, na Convenção da ARENA, o indigitado pelo absoluto poder e, portanto, virtual Governador de São Paulo, Sr. Laudo Natel. Naqueles tempos, poucos homens, foram tão corajosos ! A bem da verdade, em todo o país, eu só encontro um nome, pela sua coragem de correr riscos e patriotismo, capaz de se igualar ao Sr. Paulo Maluf : Este HOMEM foi o Dep. Federal, Sr. ALENCAR FURTADO, que, para ser coerente com o que pregava, com o povo e com a sua alma, imolou-se politicamente, mas não aceitou a subserviência do seu Partido MDB, que coexistia, pacificamente, com a ditadura . Mas, homens como estes, têm de ser afastados para o ostrascismo político, banidos da vida pública, para que os que fazem da política uma Profissão e um meio de vida, não tenham que imitá-los ou segui-los, com atitudes de elevada nobreza e de despreendimento. Ou, então, quando estes indivíduos resistem a todo o tipo de pressões ( tando de fora, quanto de dentro ) e não se afastam da vida pública, passam a ser rotulados de bandidos, ladrões, imorais, satânicos, etc., para que o povo não lhes dê crédito, nem votos, como é o caso do estigmatizado Sr. Paulo Maluf. Afinal, imitar o Sr. Alencar Furtado, "não é boa política", porque é arriscado e,também, porque não dá lucro nem segurança no "emprego" : Coisas de Tiradentes, Sócrates, etc.. Mas, por outro lado, imitar o Sr. Paulo Maluf, significa muito despreendimento, muita abnegação, muito patriotismo, e muito estômago de avestruz. Sabem porque ? : Porque ele tem um péssimo hábito : Não costuma receber pagamento pelos serviços prestados ao país e à nação . Este altruismo não combina com a política ! O homem é Prefeito e não quer receber salário; é Deputado, mas também,não recebe salário (ou se recebe doa à filantropia); é Governador e não recebe proventos. - Meus amigos, já pensaram se os nossos políticos tivessem que seguir este homem ? - Seria difícil e nada lucrativo. - Portanto, este tipo de homem, tem de ser combatido, satanizado e enxotado da vida pública . Desde o dia em que o Sr. Paulo Maluf derrotou o Sr. Laudo Natel, naquela convenção, eu, ainda me lembro de ouvir dizer : " Maluf ganhou, mas não vai levar " . - A perseguição começou : Puseram desde o S.N.I. , Receia Federal, etc., até todo o tipo de investigação, para vasculhar a vida pregressa do homem.-

Lendo a manchete, parece até gozação. Certament...

Aline Fallaci ()

Lendo a manchete, parece até gozação. Certamente a história ainda vai dar muito o que falar. O paciente morreu, é a palavra de Maluf e a palavra da direção do hospital, que contam. Paulo Maluf atender a um pedido de uma pessoa à beira da morte, até aí tudo bem, mas, daí levar cerca de 30 pessoas para uma U.T.I, ainda com o consentimento do hospital, isso sim é o pior dos fatos.

Depois de eleitos nem na calçada passam, quanto...

Marcos Freitas ()

Depois de eleitos nem na calçada passam, quanto mais dentro para saber o que se passa com a saúde publica. Mais de um ente não é possivel visitar o paciente, mas como os politicos são pessoas publicas e precisam divulgar suas "boas ações" em época de eleição, para eles tudo é possivel.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/07/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.