Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mulher de César

Favor que a mídia faz ao MP pode ser cobrado no futuro

Por 

O Ministério Público do Estado de São Paulo produziu, em conjunto com uma agência de publicidade, uma série de três vídeos institucionais, cada um com trinta segundos, na qual procuram defender a idéia de que devem atuar na investigação criminal. Sob o slogan “com o Ministério Público não tem mistério”, os vídeos já foram exibidos, em gesto bastante altruísta, gratuitamente, pela Rede Globo de Televisão. A campanha vai além e promete contar com a cooperação de uma estrela global. Conforme afirmações do promotor Roberto Livianu, publicadas na Revista Consultor Jurídico de 6 de julho, há, ainda, acordos de exibição gratuitos com grandes cadeias de cinema de São Paulo.

Tal fato é bastante preocupante, sobretudo, se verificarmos que se trata de uma campanha da própria instituição (Ministério Público), ou seja, está longe de ser uma simples campanha de associações ou entidades defensoras das prerrogativas dos promotores e procuradores. A situação se complica ainda mais, ao verificarmos que está sendo veiculada gratuitamente por uma grande rede de comunicação.

Não há como negar que a pior situação possível ocorre quando órgãos fundamentais à Justiça se deixam cair na armadilha de se comprometer com veículos de comunicação. Enfim, o presente caso produziu uma mácula difícil de ser apagada: o comprometimento da isenção do próprio Ministério Público, enquanto instituição. Já dizia Maquiavel a respeito do perigo das alianças: “Um príncipe deve ter o cuidado de não se aliar com um mais poderoso, se não quando for impelido pela necessidade, porque, vencendo, se tornará presa do aliado; e os príncipes devem evitar a todo custo estar à mercê de outro.” Acho difícil que o favor de hoje não seja a obrigação de retribuir amanhã.

Até certo ponto é explicável que redes de cinema estejam de bom grado se prontificando a ajudar o MP a veicular a campanha, afinal, quem não quer agradar o fiscal da lei? Mas por que estas redes de cinema não se mostram tão dispostos a veicular campanhas de doação de sangue, aleitamento materno? E se, amanhã, resolverem exibir gratuitamente os feitos de ex-prefeitos ou políticos, em pleno período eleitoral? Está o MP dando o exemplo?

Alguém poderia argumentar que o profissionalismo dos membros do MP seria suficiente para evitar qualquer troca de favores. Contra tal assertiva, convém lembrar uma passagem do historiador romano Suetônio, na qual narra um fato que teria ocorrido com Caio Júlio César:

“Quando foi chamado a servir como testemunha contra Público Clódio, acusado de sacrilégio por ser amante de sua mulher Pompéia, respondeu que de nada sabia, apesar de sua mãe Aurélia e sua irmã Júlia terem dito toda a verdade aos mesmos juízes. Perguntaram-lhe, então, por que havia repudiado a mulher. Ele respondeu: ‘Porque os meus devem estar isentos não só do crime, mas, também, da suspeita’” (Suetônio, A vida dos doze Césares, São Paulo: Ediouro, 2002, p. 73)

Enfim, como a mulher de César, não basta apenas ser honesta, deve parecer honesta. O fato do Ministério Público do Estado de São Paulo estar realizando acordos com redes de cinema e de televisão faz com que os casos futuros, nos quais eventualmente tais redes devam figurar no pólo passivo de alguma ação pública, estejam eivados da suspeita de leniência.

O presente debate deixou de ser jurídico e se tornou político. Tal fato tem como corolário o comprometimento cada vez maior da percepção de isenção deste tão importante órgão com que conta a democracia brasileira, na medida em que faz alianças tão perigosas. Melhor seria se a campanha fosse paga com o dinheiro dos próprios procuradores e promotores, uma vez que o debate diz respeito à defesa de suas prerrogativas. O interesse público pede isso.

 é delegado de Polícia Federal.

Revista Consultor Jurídico, 11 de julho de 2004, 21h18

Comentários de leitores

17 comentários

Já disseram alhures que quando a política entra...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Já disseram alhures que quando a política entra no tribunal a justiça sai correndo pela porta dos fundos. Com certeza, a chegada da imprensa "moderna" junto com o M.P. nos tribunais, da mesma forma, afugentará a justiça de maneira mais aguda, acentuando o indisfarçável medo que grande parte dos juízes têm da dupla de namorados prestes ao enlace. Aí ninguém segura! Por certo, lá na frente, os perspicazes jornalistas partirão para o divórcio, deixando o consorte na rua da amargura. É esperar para ver.

Engraçado o rumo que estes comentários tomaram,...

Daniela Câmara Ferreira ()

Engraçado o rumo que estes comentários tomaram, como se se tratasse de uma discussão corporativista, dos "contra-MP" e os "pró-MP". Longe disso. O que o texto coloca, com muita propriedade, que uma empresa está patrocinando a propaganda institucional do Ministério Público. E esta empresa está longe de ser filantrópica. De resto, concluam o que quiserem. Daniela Câmara Ferreira, Procuradora Federal - SP

O texto é relevante. De fato, a não ser que sej...

Daniela Câmara Ferreira ()

O texto é relevante. De fato, a não ser que sejamos todos ingênuos e desconsideremos que a Rede Globo é uma empresa e tem por fim o lucro, ninguém faz nada de graça sem pedir algo em troca.... Inocentes, despertai do sono profundo... Daniela Câmara Ferreira - Procuradora Federal - SP

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/07/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.