Consultor Jurídico

Comentários de leitores

6 comentários

Conheço um caso parecido ao qual já me fora ped...

OSA - ORGANIZAÇÃO SANTOS | Marcas & patentes (Advogado Sócio de Escritório - Propriedade Intelectual)

Conheço um caso parecido ao qual já me fora pedido orientações. É um assunto delicado de se tratar. Na minha opinião como advogado, temos que ver os dois lados. No caso que tenho o Réu comentara que tinha saído somente uma noite(confirmado pela Ré) qual haveria consumado o ato sexual e a mesma após 3 dias pós ato anunciou a grávidez e confessou um amor platônico pelo Réu, invocando-o a assumir uma união. O Réu por sua vez, sobre casamento marcado não aceitara tal coação, mesmo sobre ameaças (perceguições constantes, resultando a perda do emprego) assumiu uma incerta paternidade, uma vez que a Ré também mantinha relações com seu marido e outro amante. Passado-se 4 anos o assunto se repete mais uma vêz só que com outro cidadão. Assunto para se comentar: Sabemos que temos inumeros pais de familia na mesma proporção do problema, o caso que tenho está em andamento até hoje, isto sim com inumeras perdas de empregos, ameaças de terceiros e como se não fosse o suficiente o pagamento de alimentos pagos pelo Réu R$ 260,00 a Ré exige valores acima do pactuado (R$ 1.500,00 / R$ 500,00 / Cartões de crédito) para em troca manter sua familia em paz. Indguinação plena sobre pena de prisão ao elemento que tem a incerteza da paternidade e tenha sua familia constituida, uma vez que a Ré se recusa ao exame de DNA e o ameaça por meios não legai ao qual a justiça sequer tem o interesse de averiguar dando ai asas a imaginação de mulheres que tem como principal fundamento o uso de uma criança para angariar valores ora estatos.

Em relação ao comentário do Sr. Adão, quem aleg...

Augusto Roque de Castro (Outros - Internet e Tecnologia)

Em relação ao comentário do Sr. Adão, quem alega falsamente falta de recursos para pagar, uma vez desempregado passa a alegar verdadeiramente e aí é que o exequente não vê mesmo a cor do dinheiro.

Em relação ao comentário do Sr. Adão, quem aleg...

Augusto Roque de Castro (Outros - Internet e Tecnologia)

Em relação ao comentário do Sr. Adão, quem alega falsamente falta de recursos para pagar, uma vez desempregado passa a alegar verdadeiramente e aí é que o exequente não vê mesmo a cor do dinheiro.

Ora, ora...Sensatez a parte, se o cidadão, aind...

Marianna2010 (Serventuário)

Ora, ora...Sensatez a parte, se o cidadão, ainda em liberdade, não providenciou o pagamento da pensão ( e não justificou), o que o levou a ser penalizado com a prisão administrativa, "o pobre coitado" certamente irá fazê-lo agora? Se ele fosse responsável, certamente as coisas não teriam chegado onde chegaram. E note-se que ele tem emprego...

Adão Francisco de Oliveira - Assessor Jurídico ...

Adao Francisco de Oliveira ()

Adão Francisco de Oliveira - Assessor Jurídico - Cajamar - SP A decisão da ilustre Magistrada é digna de elogios. Permite que o cidadão que deixou de prover o sustento do filho, responda por seus atos. Entretanto, dá aos mesmo condições de continuar mantendo-o. Preso e sem condições de trabalhar é evidente que o alimentante não terá condições de saldar o débito. A decisão realmente é proferida por pessoa que vive a magistratura, respira magistratura, que aplica em seu dia-a-dia princípios cristãos.

A MAGISTRADA UTILIZOU COM PRECISÃO A OPÇÃO PARA...

falpre (Advogado Autônomo)

A MAGISTRADA UTILIZOU COM PRECISÃO A OPÇÃO PARA QUE O PRESO TRABALHE DURANTE O DIA. ISSO É QUE É UTILIZAR O BOM SENSO PARA REALIZAÇÃO DA JUTISÇA, POIS COM A LEGISLAÇÃO ATUAL O DEVEDOR DE PENSÃO ALIMENTÍCIA UMA VEZ PRESO, COMO PODERÁ PROVIR DINHEIRO PARA O ALIMENTADO.

Comentar

Comentários encerrados em 17/07/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.