Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Justiça ineficaz

Para 60% dos cariocas Judiciário é regular, ruim ou péssimo.

Por 

Apenas 19% da população carioca consideram o serviço prestado pela Justiça satisfatório -- 4% avaliando-o como ótimo e 15% como bom. Para a maioria dos moradores do Rio, porém, este serviço é apenas regular (34%). Para 26%, a Justiça é ruim (11%) e péssima (15%). Vinte e dois por cento disseram não ter opinião formada sobre o assunto. O resultado consta da pesquisa Gerp/Jornal do Brasil, realizada entre 19 e 22 de junho, publicada no JB deste sábado (3/7).

Numa média de 1 a 5, os serviços judiciais ficaram com uma nota 2,77, na faixa abaixo do regular (nota 3) e acima do ruim (nota 2). A média representou uma pequena melhora da imagem da Justiça em relação à versão anterior da pesquisa, realizada em fevereiro, quando o serviço mereceu a nota 2,47.

Ainda de acordo com a pesquisa, 60% da população associam Justiça a lentidão, 24% a burocracia, 7% a despesas, 6% a desconfiança e 6% a ineficiência, 3% a honestidade, 3% a eficiência e 2% a rapidez.

Mais do que refletir a imagem que se construiu ao longo dos anos sobre o desempenho da Justiça no Brasil, a pesquisa ilustra os obstáculos que a população enfrenta nos tribunais.

Aos 81 anos, a aposentada Alayde Brista já perdeu as contas de quantas vezes se deslocou de Jacarepaguá para acompanhar o andamento do processo que cuida do inventário do marido, morto há oito anos.

-- Até agora não consegui a transferência dos bens dele para o meu nome. É bem provável que eu morra antes de isso acontecer -- afirma Alayde, salientando que seu processo é simples, já que o casal não teve filhos.

A aposentada conta que a cada vez que comparece à Defensoria Pública, no Fórum, centro do Rio, novos documentos são requisitados com a promessa de que o processo se aproxima do fim.

-- Já ouvi promessas demais, quero mais agilidade. Antes, era atendida pela defensora, agora só falo com estagiários.

Na avaliação de Alayde, o termo que melhor define a Justiça brasileira é lentidão, mas ressalta que esse é o preço que se paga por um serviço gratuito.

-- Na última vez, esperei das 12h30 às 18h. Idoso não tem a preferência, tem que aguardar mesmo.

Para a vendedora Sivana Maria da Silva, a Justiça só é eficiente para os ricos.

-- Para os pobres, ela é péssima, morosa e burocrática.

Silvana aguarda o resultado de uma ação que tramita no Juizado Especial de Pequenas Causas, desde agosto do ano passado, contra uma empresa paulista. Ela conta que comprou à vista uma máquina de fazer fraldas, por R$ 3 mil, que nunca funcionou.

-- Além de perder o investimento, tenho que lutar para ter de volta o que é meu, sem saber se vou conseguir. Comprei uma máquina com defeito para trabalhar e agora estou sem nada -- lamenta.

Texto reproduzido do Jornal do Brasil (www.jb.com.br)

 é repórter do Jornal do Brasil

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2004, 15h39

Comentários de leitores

3 comentários

Para um país que enfrenta tantas dificuldades, ...

Nilomar Marques da Cunha (Praça da Marinha)

Para um país que enfrenta tantas dificuldades, com desemprego e injustiças sociais, é de estarrecer o que os juizes ganham (redundante para um país em que a justiça é conhecida internacionalmente, por seu andar de tartaruga), sendo que a maioria, ainda, dos juizes, mora ou têm prédios oficiais à sua disposição. Se juizes que ganham tão IMORALMENTE bem, o indíce de aceitação deveria ser bem maior dos 19%.

Na verdade, este departamento q chamamos de jus...

Roberto ()

Na verdade, este departamento q chamamos de justiça não passa de uma megalomaníaca burocracia. Sou vítima tambem dos caprichos de uma burocracia,que funciona bem para quem tem dinheiro e parentes la dentro. Vivo lutando pela guarda de minhas filhas,já provei toda negligência e incapacidade da genitora das crianças e a verdade que minhas filhas estão vivendo ao bel prazer de uma determinação judicial absurda.

Estou surpreso com a existência de pessoas que ...

LUÍS  (Advogado Sócio de Escritório)

Estou surpreso com a existência de pessoas que digam que o judiciário não é péssimo.

Comentários encerrados em 11/07/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.