Consultor Jurídico

Rastros da cobra

Ministro da Justiça e antecessor são citados em relatório da Anaconda

Retornar ao texto

Comentários de leitores

8 comentários

O texto fere frontalmente a técnica jornalístic...

Crítico (Jornalista)

O texto fere frontalmente a técnica jornalística. Parcial, azedo, rancoroso, para dizer pouco. É o jornalismo em causa própria...

As simples conjecturas, alegações e insinuações...

Gesiel de Souza Rodrigues ()

As simples conjecturas, alegações e insinuações que integram o Relatório Final da denominada "Operação Anaconda" comprometem sobremaneira o rigor técnico que deve permear tal ato. Certamente a midia desinformada e desinformadora terá substancioso material para suas manchetes do dia. Sabe-se que para o processo judicial é necessário a comprovação de elementos extremes de dúvidas. Ao que parece o tal relatório se ressente disso. Simples menção a esse ou aquele advogado, ou essa ou aquela petição não pode, sob pena de se cometer os maiores absurdos possíveis, servir como fundamento para possível instauração de ação penal. Não se está com isso fazendo defesa apaixonada e inconseqüente de tais profissionais, mas sim defendendo valores maiores dispostos na Carta Maior. Se tais ocorrências se verificaram espera-se ansiosamente que as provas sejam contundentes para que ocorra efetiva condenação. Entretanto, se apenas se fez menção, não se apurou com a acuidade necessária a inserção de tais profissionais no relatório é ato de maldade inominável. Sabe-se, por certo de ouvir falar, que determinados advogados possuem "caminhos" facilitadores dentro dos tribunais. Se isso efetivamente existe (e não tenho como saber - veja-se que falo em "ouvir falar"), não se pode afirmar, mas que por certo coisas estranhas acontecem nos corredores e nos gabinetes e que precisam de uma investigação séria não me resta dúvida. Podemos estar diante de momento importante de moralização de nossa história que por vaidade pessoal ou outros motivos mesquinhos não resultarão em nada. Vamos aguardar.

A julgar pelo que certas (a maioria imoral) pes...

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A julgar pelo que certas (a maioria imoral) pessoas fazem quando detêm o poder nas mãos, nada mais me surpreende... (a) Sérgio Niemeyer

O que nos parece é que houve, muito mais, o des...

Ferdinand Ramos Padredi ()

O que nos parece é que houve, muito mais, o desejo de se desviar a atenção para aqueles que nada tinham a ver com tudo o que foi publicado. Aliás, lembra-nos em muito o que já ocorreu num passado recente, com a Escola Base, de São Paulo, quando os seus proprietários foram execrados por denúncias infundadas. Essas investigações que prometiam ser sérias poderá levar os denunciados para o mesmo caminho daqueles educadores que tiveram suas vidas arruinadas. A diferença é que naquele caso as denúncias partiram de crianças que, como agora, também foram levadas a sério.

Imaginem se o processo não corresse sob segredo...

Luís Eduardo (Advogado Autônomo)

Imaginem se o processo não corresse sob segredo de Justiça, o que ia acontecer com os nomes do ascensorista, do garçom, engraxate, porteiro do prédio, etc, que serviram às pessoas efetivamente integrantes do processo? Já dizia a avó de muita gente: Cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém.

Competente, como sempre, a matéria do brilhante...

Ruy Nogueira ()

Competente, como sempre, a matéria do brilhante Cláudio Júlio Tognolli. Seguramente servirá para ajudar na elucidação de fatos que interessam á opinião pública e ao Brasil. A mera citação de nomes honrados como o de Márcio Thomaz Bastos e da advogada Dora Cavalcanti Cordani, não os compromete em absolutamente nada. Dora é uma das mais talentosas e sérias profissionais da nova geração e de há muito - talvez desde Vicente Rao - o Brasil não se servia de um jurista da envergadura moral e da competência como a de Thomaz Bastos à frente de sua pasta.

Lamentável mesmo é a omissão dos "grandes" órgã...

Carlos Eduardo de Almeida (Jornalista)

Lamentável mesmo é a omissão dos "grandes" órgãos da imprensa que não publicam nada quando aparece o nome de gente famosa e que as vezes até trabalham ou trabalharam para eles. Não sou favorável à execração pública irresponsável como estão fazendo nessa operação, mas omitir informação é grave também. Lí na Revista IstoÉ que o Ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos disse que havia um monte de conversas dele com os juízes acusados e com os delegados presos, não saiu uma linha nem no relatório da federal e nem na imprensa. Lí hoje que os perítos da policia federal estão protestando que não receberam as imagens que a Globo mostrou e mostra todos os dias. O que está acontecendo? Quem vai controlar a Polícia Federal nesse caso da Anaconda? As autoridades da OAB, Justiça e Imprensa não estão fazendo nada contra os abusos e o dia em que o nome de algum deles for sitado de maneira irresponsável irão lamentar. Ia me esquecendo da vergonha jurídica maior : O processo da tal anaconda corre sob segredo de justiça que tem uma pena para os transgressores maior que a dos crimes apurados. Belo ordenamento jurídico o nosso.Pimenta nos olhos dos outros é refresco.

Essa investigação da Polícia Federal que pareci...

Rose Carlos de Araujo ()

Essa investigação da Polícia Federal que parecia uma coisa séria ,já saturou a paciência de muita gente e está ultrapassando por demasia os ordenamentos jurídicos. No início essa Operação Anaconda foi comemorada como uma grande medida punitiva contra a corrupção que assola nosso miserável país ,e o que se vê agora é os investigadores da PF , talvez levados pelo sucesso na mídia, abusando das suas prerrogativas , acusando a tudo e a todos , apenas por uma conversa telefônica , a qual é noticiada editada, truncada e com assuntos que nada colaboram para a comemorada elucidação da corrupção encontrada. Pode-se ler na brilhante matéria do jornalista Tognolli que o relatório final que deveria ser sério apresenta questões pessoais e íntimas, que podem ser questionadas por alguns, mas que em nada colaboram para que possamos saber sobre a tal "organização criminosa". Acusar por acusar é fácil e desastroso, uma vêz que noticiada a suspeita publicamente , o suspeito ( seja quem for, famoso ou não )estará acabado por todo o resto de sua vida, mesmo que venha a provar sua inocencia daqui a dois ou três anos. Tudo leva a crer que os investigadores da Polícia Federal apresentam trechos de conversas das pessoas que não gostam ou que preferem , omitindo as gravações na íntegra e ainda (de acordo com a Coluna do Claúdio Humberto de hoje) escondendo coisas dos amigos da "corte" que aparecem aos montes nos grampos efetuados durante um ano e meio em vários juízes federais, delegados, advogados e policiais. Essa Operação Anaconda, antes comemorada e elogiada, está se transformando em uma comédia grega recheada de interesses espúrios , políticos e no mesmo tráfico de influência que antes investigava com pompa e alarde. No Brasil tuda acaba em Pizza e na falta de vergonha.LAMENTÁVEL !

Comentar

Comentários encerrados em 6/02/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.