Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sul América

Carro dirigido por terceiro não desobriga seguradora de indenizar

A Sul América Companhia Nacional de Seguros foi condenada a pagar R$ 25 mil para a família de um homem que morreu em acidente de trânsito. Do total, R$ 12,5 mil será destinado para a mulher dele e R$ 6.250,00 a cada um dos dois filhos. A decisão é do juiz Jerry A.Teixeira, da 10ª Vara Cível de Brasília. Ainda cabe recurso.

Segundo os autos, o veículo em que estava André Luiz de Azevedo, na data do acidente -- 12/12/01 -- foi segurado pela Sul América em um contrato feito pelo dono anterior. O contrato previa indenização adicional, no valor máximo de R$ 25 mil, por acidentes pessoais de passageiros.

A seguradora se negou a efetuar o pagamento. Argumentou que a Voga Consultoria e Informática Ltda, inicialmente dona do carro, não havia comunicado a transferência do veículo a terceiros, obrigação que consta na apólice do seguro.

Para a família da vítima, este tipo de cobertura adicional é um verdadeiro seguro de vida, não interessando quem seja o segurado. Também alegou que a falta de comunicação da transferência não exime a seguradora do dever de pagar o que foi contratado. Segundo os autores da ação, devem ser observadas as disposições do Código de Defesa do Consumidor.

De acordo com o juiz, o mero descumprimento da cláusula contratual citada, por si só, não exclui a ré da responsabilidade pela cobertura contratada. Segundo ele, a seguradora deveria demonstrar algum prejuízo decorrente dessa falta de comunicação, o que na realidade não aconteceu.

Para o juiz, essa cláusula se encontra no rol das cláusulas abusivas, portanto deve ser considerada nula de pleno direito. Segundo ele, o Código de Defesa do Consumidor considera abusiva toda cláusula que preveja impossibilidade, exoneração ou atenuação de responsabilidade do fornecedor de produtos ou serviços.

No entendimento do juiz, a comunicação exigida pela seguradora deve servir apenas para efeitos administrativos, mas jamais para exclusão de responsabilidade. "Era o veículo que se encontrava segurado, independentemente de quem era o condutor, conforme ficou acertado no próprio contrato, quando se fez referência ao perfil dos condutores. Esse inclusive é o entendimento majoritário da Corte Distrital", registrou o juiz.

O magistrado rebateu a afirmação da seguradora, quanto ao fato de nunca ter havido sinistro, no período em que carro esteve nas mãos da empresa. Para ele, nada altera o dever da seguradora em indenizar.

Processo nº 2002.01.1.031222-4

Revista Consultor Jurídico, 26 de janeiro de 2004, 11h07

Comentários de leitores

2 comentários

O ínclito julgador monocrático aplicou bem o Di...

Francisco Milton Rotband (Advogado Autônomo)

O ínclito julgador monocrático aplicou bem o Direito aos fatos.è cediço e curial que o contrato firmado entre as partes pertence ao grupo dos CONTRATOS POR ADESÃO. Destarte, as cláusulas lá insertas não são de caráter absoluto, vez que essa espécie de contrato não é revestido de um dos requisitos primordias - a bilateralidade -. O segurado ao firmá lo, adere as decisões unilaterais da seguradora. E, conforme assevera o douto magistrado prolator do decisum, tais cláusulas são repudiadas pelo CDC, como já o eram pelo Código Civil. Após esse prévio comentário com relação ao instrumento, passaremos a análise do aspecto processual. É sabido e consabido que em matéria de seguros a responsabilidade da seguradora é OBJETIVA.Destarte, caso procedesse a validade da cláusula que avocara para eximir -se, entedemos que é de sua obrigação INDENIZAR AS VÍTIMAS E POSTERIORMENTE INGRESSAR COM AÇÃO REGRESSIVA EM FACE DA SEGURADA, que em tese teria descumprido cláusula contratual.Mas usar tal argumento para desvincular =se da obrigação assumida é utopia. Isto posto, corretaq a decisão prolatada

Eu entendo que independente do negocio unilater...

Adelmo ()

Eu entendo que independente do negocio unilateral não exime a responsabilidade da seguradora em pagar a indenização, com fulcro no art. 776 CC a seguradora tem que pagar em dinheiro o prejuízo conforme o risco assumido, agora o que a seguradora poderia ter feito é deduzir algum tipo de desconto que ele recebeu na época da contratação do seguro agora se negar a pagar não! ' Tratando desse assunto quero ressaltar que as seguradoras diante do descaso do Estado com a segurança Pública, condicionam inúmeras regras quando contratamos um seguro uma delas é o 'perfil' que você relaciona os seus costumes que você tem com o automóvel, quem dirige com mais freqüência que horário etc. caso o sinistro não ocorra nos moldes relacionados a seguradora simplesmente se nega a pagar mesmo que seja por força maior isso é um absurdo!!!

Comentários encerrados em 03/02/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.