Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Portaria baixada

Tacrim paulista cria ouvidoria para facilitar comunicação

O Tribunal de Alçada Criminal do Estado de São Paulo deve ter uma ouvidoria para facilitar a comunicação entre usuários e servidores. O entendimento é do presidente do Tacrim, José Renato Nalini, que baixou a Portaria GP n°2/2004, na semana passada.

A ouvidoria visa, entre outras coisas, orientar jurisdicionados quanto ao funcionamento administrativo e jurídico do Tacrim.

Leia a Portaria:

O presidente do Tribunal de Alçada Criminal do Estado de São Paulo, juiz José Renato Nalini, no uso de suas atribuições regimentais e

considerando

I - a importância do fortalecimento das instituições judiciárias como garantidoras do Estado Democrático de Direito, através da valorização da cidadania e do respeito aos direitos fundamentais;

II - o compromisso deste Tribunal com a racionalização de procedimentos, a plena informatização e a adoção das modernas ferramentas da qualidade para assegurar uma Justiça organizada, eficiente e transparente;

III - a conveniência de ser instituído um meio de comunicação permanente entre o cidadão e o Tribunal, para o recebimento de sugestões, críticas e elogios, com vistas ao crescente aprimoramento dos serviços prestados; e

IV - o resultado positivo decorrente de funcionamento experimental, por meio do sítio do Tribunal de Alçada Criminal na internet, permitindo constatar significativo interesse da coletividade e a adequada definição dos procedimentos internos para satisfação das demandas.

Resolve

Artigo 1º - Criar a ouvidoria do Tribunal de Alçada Criminal do Estado de São Paulo, nos termos que seguem.

Título I)

DA OUVIDORIA DO TRIBUNAL DE ALÇADA CRIMINAL

Artigo 2º - São objetivos da Ouvidoria:

I - possibilitar a comunicação entre os usuários e servidores e a direção do Tribunal;

II - orientar os usuários acerca das atribuições legais e do funcionamento administrativo e judiciário do Tribunal;

III - receber sugestões, críticas, elogios, dúvidas e outras manifestações, com vistas ao aprimoramento da prestação dos serviços;

IV - auxiliar na identificação de problemas e de soluções;

V - contribuir para a transparência e eficiência do serviço público; e

VI - colaborar para o fortalecimento institucional do Poder Judiciário.

TÍTULO II)

DAS ATRIBUIÇÕES

Artigo 3º - À Ouvidoria do Tribunal de Alçada Criminal compete:

I - receber e registrar todas as manifestações recebidas, buscando respondê-las sempre que possível; e

II - registrar e encaminhar as manifestações sobre quaisquer atos praticados ou de responsabilidade dos setores integrantes deste Tribunal ao Secretário-Diretor Geral, que as analisará e, quando for o caso, determinará ao setor competente que tome as providências ou preste os esclarecimentos que se fizerem necessários.

Artigo 4º - São deveres da Ouvidoria:

I - responder as manifestações, com clareza e objetividade, em até 30 (trinta) dias úteis, contados a partir da data de registro;

II - informar o usuário quanto às providências ou soluções efetivamente tomadas em relação à manifestação apresentada; e

III - apresentar informativo mensal e relatório anual das atividades desenvolvidas pela Ouvidoria, além de sugestões que possam ser adotadas, sempre visando à qualidade do serviço prestado.

TÍTULO III)

DO FUNCIONAMENTO

Artigo 5º - A Ouvidoria vincula-se ao Gabinete do Secretário-Diretor Geral, funcionando no horário das 10 às 18 horas, de segunda a sexta-feira.

Artigo 6º - As atribuições da Ouvidoria são exercidas por servidores indicados pelo Secretário-Diretor Geral e aprovados pelo Presidente, sob a orientação de Comissão de Juízes.

TÍTULO IV)

DAS MANIFESTAÇÕES

Artigo 7º - O usuário pode se manifestar através dos seguintes meios:

I - correio eletrônico;

II - telefone/fax;

III - carta;

IV - formulário impresso disponível em local de fácil acesso e identificação; e

V - atendimento pessoal.

Artigo 8º - As manifestações dos usuários são classificadas como dúvidas, elogios, reclamações ou sugestões.

Artigo 9º - A identificação pessoal do usuário é opcional, garantindo-se o regular andamento a todas as manifestações.

§ 1º - Apenas manifestações identificadas serão respondidas.

§ 2º - O usuário informará o melhor meio para que a Ouvidoria possa contatá-lo, escolhendo entre mensagem eletrônica, telefone, fax ou carta.

Artigo 10 - O registro das manifestações conterá os seguintes dados:

I - número de identificação;

II - data de registro;

III - forma de recebimento (carta, fax, fone, mensagem eletrônica, pessoal);

IV - classificação (dúvida, elogio, reclamação, sugestão);

V - assunto;

VI - descrição; e

VII - nome do atendente.

TÍTULO V)

DA RESPONSABILIDADE

Artigo 11 - Os servidores que tenham acesso às manifestações recebidas pela Ouvidoria zelarão pelo sigilo das informações nelas constantes.

Artigo 12 - Todos os servidores responsáveis pelas unidades integrantes da Secretaria do Tribunal, sempre que solicitados, prestarão apoio e apresentarão os esclarecimentos necessários às atividades da Ouvidoria, buscando:

I - garantir livre acesso às informações; e

II - encaminhar à Ouvidoria informações claras, respostas objetivas ou relato dos acontecimentos, informando as providências tomadas para a solução do problema, que serão repassadas ao usuário.

Parágrafo único - O prazo para tramitação interna é de até 4 (quatro) dias úteis para cada setor administrativo, respeitado o prazo máximo de 30 (trinta) dias úteis para resposta ao usuário.

Artigo 13 - O direito à informação será sempre assegurado, salvo nas hipóteses de sigilo.

TÍTULO VI)

DISPOSIÇÕES FINAIS

Artigo 14 - Os casos omissos serão resolvidos pelo Presidente.

Artigo 15 - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.

REGISTRE-SE, PUBLIQUE-SE e CUMPRA-SE.

São Paulo, 14 de janeiro de 2004.

(a) JOSÉ RENATO NALINI

Presidente

(TACrim)

Revista Consultor Jurídico, 19 de janeiro de 2004, 16h37

Comentários de leitores

1 comentário

Parabens, Mestre NALINI, sempre inovando para o...

Sartori (Advogado Autônomo - Criminal)

Parabens, Mestre NALINI, sempre inovando para o aperfeiçoamento, transparência e funcionamento da justiça. Parabnes ao TACRIM, o melhor tribunal da Federação e do Brasil.

Comentários encerrados em 27/01/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.