Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Protesto nacional

Ajufe apóia mobilização nacional de advogados públicos

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) afirmou, em nota oficial, que apóia as reivindicações das nove entidades representativas dos advogados da União, procuradores federais, procuradores da Fazenda Nacional e defensores públicos da União. Os advogados públicos fizeram, nesta quarta-feira (18/2), a primeira mobilização nacional.

"A evasão de bons quadros das carreiras jurídicas públicas que assistimos hoje, em conseqüência dos baixos salários, é uma realidade que precisa ser estancada com urgência, pois sobrecarrega ainda mais os já poucos advogados em serviço", afirma a nota assinada pelo presidente da Ajufe, Paulo Sérgio Domingues.

NOTA OFICIAL

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (AJUFE) manifesta seu integral apoio às reivindicações das nove entidades representativas dos Advogados da União, Procuradores Federais, Procuradores da Fazenda Nacional e Defensores Públicos da União que realizam hoje sua primeira mobilização nacional. Por meio de Atos de Cidadania em praça pública, em Brasília e nas capitais dos estados, os advogados públicos denunciam e buscam soluções para graves problemas institucionais da categoria, que colocam em risco a representação judicial e extrajudicial da União.

A AJUFE entende que a valorização do serviço público como um todo é essencial ao desenvolvimento do país. No caso específico dos advogados públicos, é imprescindível que haja um tratamento digno também por tratar-se de área fundamental da atividade estatal, uma vez que são eles que defendem os interesses do Poder Público - por exemplo, na cobrança da dívida ativa e na assistência jurídica aos necessitados.

A evasão de bons quadros das carreiras jurídicas públicas que assistimos hoje, em conseqüência dos baixos salários, é uma realidade que precisa ser estancada com urgência, pois sobrecarrega ainda mais os já poucos advogados em serviço.

Esperamos que a grande mensagem dessa mobilização nacional da categoria -- a de que o que está em jogo, afinal, é a qualidade da defesa dos entes públicos federais -- seja de fato recebida pelo governo.

Paulo Sérgio Domingues

Presidente da AJUFE

Revista Consultor Jurídico, 18 de fevereiro de 2004, 19h49

Comentários de leitores

3 comentários

Caro Emanuel: Não queremos férias de 90 dias...

Sandro C Silveira (Procurador Autárquico)

Caro Emanuel: Não queremos férias de 90 dias (pois já nos é muito difícil tirar a de 30 em razão do grande número de trabalho que possuímos). Não queremos, também, deixar de trabalhar segundas e sextas (a maioria de nós precisa inclusive dos sábados e domingos para cumprir os prazos que vencem nas segundas, já que a média de processo por procurador, em alguns lugares, chega a 15.000). Não queremos também trabalhar em escritórios particulares, pois o nosso tempo é todo necessário para defender os interesses do Brasil, impedindo que sonegadores e aproveitadores levem parte do orçamento, passando a conta para o povo. Lutamos por dignidade, por direitos tirados. Lutamos para evitar que o interesse em desmantelar a defesa do Estado vença. Lutamos para manter os bons profissionais onde estão, pois são eles a linha de frente que evita a atuação de sonegadores e aproveitadores, evitando, desta forma, que a conta acabe transformada em mais tributos para o povo pagar. Mas numa coisa eu preciso concordar com você, alguns brasileiros precisam acordar ... e buscar entender pelo menos um pouco sobre o que querem falar ...

O cargo de advogado público não é nenhuma boqui...

Evair Sampaio ()

O cargo de advogado público não é nenhuma boquinha. O caos na advocacia está armado e os únicos favorecidos com essa situação são os escritórios de advocacia privada e as empresas sonegadoras. O Sr. Julio Roberto talvez não saiba, mas há novos concursos todos os anos e ainda assim, não se consegue preencher os quadros da advocacia pública. Os novos entram totalmente desorientados, pois não sabem como funciona a Administração e tampouco os métodos de trabalho e as teses. Geralmente, quando os novos habituam-se ao trabalho e conseguem fazer um bom trabalho, já estão deixando a Advocacia pública. Excelente a oxigenação prevista pelo Sr. Julio...deve ser um gênio esse senhor.

Se os Juizes passam a apoiar movimentos politic...

Jose Aparecido Pereira ()

Se os Juizes passam a apoiar movimentos politicos de classes, justos ou injustos, quem vai julgar com a isenção necessária os abusos advindos dessess movimentos, os Juizes Internacionais!

Comentários encerrados em 26/02/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.