Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bola sete

Carlinhos Cachoeira diz que é 'vítima' no caso Waldomiro

"Sou vítima e estou sendo caluniado." A afirmação é do empresário, Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Ele aparece nas gravações divulgadas pela revista Época, desta semana, negociando verba para campanha eleitoral do PT com o subchefe de Assuntos Parlamentares da Presidência da República, Waldomiro Diniz.

O vídeo mostra que uma parte do dinheiro seria destinada para Waldomiro -- homem de confiança do governo. Na época, ele presidia a Loterj (Loteria do Estado do Rio de Janeiro).

Em reportagem publicada na Folha de S. Paulo, na segunda-feira (16/2), o repórter Rubens Valente informou que o grupo de Cachoeira venceu a concorrência para prestar serviços para a loteria oficial na gestão de Olívio Dutra (PT), no Rio Grande do Sul. Em 2001, Dutra foi investigado por suposta conivência com o jogo do bicho.

Os advogados Ricardo Hasson Sayeg, Nelson Luiz Pinto e Celso D'Avila, do escritório Hasson Sayeg, Finkelstein, D'Avila e Nelson Pinto Advogados, assumiram a defesa do empresário.

Cachoeira disse que vai "colaborar ampla e irrestritamente com todas as investigações" sobre o caso.

Leia a nota enviada à revista Consultor Jurídico

Nota Oficial nº 01/2004

Esclarecimento Público

Tendo em vista a menção à minha pessoa nos meios de comunicação, venho pela presente, na condição de homem de bem, pai de família, com residência fixa e trabalho honesto, reafirmar à opinião pública que sou vítima e estou sendo caluniado, o que irei demonstrar perante a Justiça, com responsabilização civil e criminal de quem de direito, motivo pelo qual espero que os fatos noticiados sejam devidamente apurados e coloco-me totalmente à disposição das Autoridades Policiais e do Poder Judiciário, a fim de colaborar ampla e irrestritamente com todas as investigações que vêm sendo realizadas.

Anápolis, 17 de fevereiro de 2004.

Carlos Augusto de Almeida Ramos

Revista Consultor Jurídico, 17 de fevereiro de 2004, 17h41

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/02/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.