Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Isenção sexual

Bush multiplica verba para pregar abstinência sexual nos EUA

Na segunda-feira passada (9/2), os jornalistas Paulo Henrique Amorim e José Simão brincavam, no Monkey News: "Daqui a pouco o Bush vai isentar virgens e cristãos do imposto de renda". Com o atual andar da carruagem, não é improvável que a piada se torne realidade.

A notícia vem do site norte-americano Findlaw. Em vez de investir em programas de educação sexual e campanhas para o uso da camisinha, como forma de evitar a gravidez precoce, doenças sexulamente transmissíveis e a Aids, o governo Bush está quase triplicando os investimentos em seu programa que prega a abstinência sexual, batizado de "abstinence-only". Ainda que faltem evidências objetivas de que essa opção tenha efeitos práticos na saúde pública.

Um estudo feito por pesquisadores americanos do Centro Federal de Controle e Prevenção de Doenças sobre a queda das taxas de natalidade entre adolescentes dá conta de que os programas de prevenção devem enfatizar, além da abstinência, a contracepção.

"Ambos são importantes", afirmou John Santelli, um dos autores do estudo que ainda não foi publicado.

Em Minnesota, outro estudo revelou que a atividade sexual dobrou entre os estudantes da "high school" (equivalente ao segundo grau do Brasil) que participavam do programa de abstinência. A pesquisa independente, realizada pelo Departamento de Estado de Saúde, recomendou a inclusão de mais informações sobre contracepção.

Pesquisadores independentes que estudam o programa de abstinência disseram em seu primeiro relatório, feito há dois anos, que não há evidências de que ele dê resultados. E espera-se para breve uma nova pesquisa no mesmo sentido.

Apesar disso, o presidente Bush afirmou há pouco tempo: "Nós vamos dobrar o financiamento federal para o 'abstinence-only', assim as escolas poderam ensinar esse fato da vida: a abstinência para os jovens é a única maneira de evitar doenças sexualmente transmissíveis". Bush gastaria agora US$ 270 milhões comparados aos US$ 100 milhões anteriores.

Especialistas em educação sexual disseram que a mudança, junto com a verba adicional anunciada, são parte de uma apelação de Bush aos conservadores em ano de eleição.

Eles afirmam que a proposta da administração vai de encontro à pesquisa que credita à abstinência e à contracepção, combinadas, a redução de 30% na gravidez entre os adolescentes na década passada.

James Wagoner, presidente dos Advogados para a Juventude, um grupo que promove a instrução sobre o controle de natalidade e o uso de preservativos, disse que programas de abstinência somente servem para privar os adolescentes da informação sobre a eficácia do preservativo para impedir a propagação da Aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis. "Eles se transformaram em programas anti-camisinha", disse Wagoner.

Contudo, os defensores do programa de abstinência dizem que os jovens devem aprender a reprimir o sexo.

"As crianças na nossa sociedade estão saturadas de informação sobre contracepção e mensagens que incentivam o sexo ocasional, permissivo", disse Robert Rector, que ajudou a escrever o "abstinence-only" da administração Bush. Ele desconsidera o estudo de Minnesota por considerá-lo não científico.

Revista Consultor Jurídico, 15 de fevereiro de 2004, 17h59

Comentários de leitores

2 comentários

Sinceramente nunca li algo tão absurdo! Com cer...

Felipe Raphael Almeida Binotto ()

Sinceramente nunca li algo tão absurdo! Com certeza esse é o presidente mais demente que já governou um país. Com seu plano sublime, o que ele conseguirá é chegar a um extremo. Ou ao extremo de ocorrer um aumento nos casos de AIDS e gravidez precoce ou ao extremo inverso que a um longo prazo faltará mão de obra como acontece em países como a Suécia.

Interessante é ver que tais assuntos são tratad...

João Marcos Mayer (Advogado Assalariado - Ambiental)

Interessante é ver que tais assuntos são tratados como se fossem do outro mundo. A abstinência sexual é o único meio de não animalizar a vida humana. Vide continente africano que está afundando na praga da aids. Ali nem camisa, nem camisona, nem camisola, nem camisinha adiantam mais. A propaganda governamental, capitaneada pela oms é uma tremenda farsa, que abate todos os alicerces da nação, especialmente das nações que não têm história, nem fundamentos nacionais, têm apenas a família, cuidada a duras penas pela doutrina da igreja. Como a igreja caiu em desgraça pela pedofilia, já não vale o seu conselho, nem adianta o papa dar conselhos em vários idiomas. Ninguém ouve, só querem o papa para tirar fotografias para mostrarem para seus eleitores. A destruição dos fundamentos nacionais através de propagandas do tipo use camisinha nesse carnaval denota a crise de valores. Ninguém mais respeita ninguém, pois o que importa é apenas sexo e nada mais. Erigiram o sexo como fator de desenvolvimento e de entrada de divisas. Não que o sexo não seja importante, mas não é tudo aquilo que Freud indicava, há outras coisas mais importantes, como, por exemplo, o dinheiro e o poder. Logo, o eminentíssimo presidente Bush, nosso grande modelo, é quem tem razão. Ele pode imprimir as verdinhas à vontade.

Comentários encerrados em 23/02/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.