Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

O rato roeu

Francesa deve ser indenizada por achar rato em lata de legumes

Após descobrir um rato morto no meio do que seria seu almoço - uma lata de legumes em conserva --, uma dona de casa francesa deve receber 800 euros (cerca de R$ 3.000) da empresa Bonduelle. A decisão foi tomada na segunda-feira (9/2), pela corte de Montpellier, no sul da França.

Em fevereiro de 2002, ao despejar o conteúdo de uma lata de legumes em conserva em uma frigideira, a dona de casa viu um rato. Passado o susto, relatou o ocorrido à empresa, que ofereceu como reparação a escolha de algumas novas latas de legumes, um livro de receitas e um vale-compras para a aquisição de uma nova frigideira. Descontente, a francesa recorreu à Justiça.

Os juízes decidiram que o caso merecia uma reparação maior. Segundo a decisão, "a presença de um animal morto em uma lata de gêneros alimentícios é passível de punição". (Bluewin)

Revista Consultor Jurídico, 10 de fevereiro de 2004, 11h55

Comentários de leitores

2 comentários

Pelo valor da condenação subsume que o dano foi...

Benedito de Jesus Martins Cabral Junior (Advogado Assalariado - Consumidor)

Pelo valor da condenação subsume que o dano foi decorrente da consumidora ter comprado uma lata de legumes e ao abri-la encontrou carne. Mas não era uma lata de legumes?

Se faz premente a intervenção da OAB junto ao M...

Sandra Castro ()

Se faz premente a intervenção da OAB junto ao Ministério da Educação no sentido de coibir a proliferação dessas que são rentáveis indústrias de bacharéis. Nesse sentido, a conduta da Ordem é meritória e convém congratulações. Contudo, o mesmo esforço deveria ser empreendido quanto a fiscalização dos cursos já reconhecidos e sua qualidade de ensino. Demais disso, a OAB carece de um comprometimento maior com seus inscritos que vêem-se a cada dia mais e mais cerceados em seu campo de trabalho, haja vista a disseminação de escritórios experimentais vinculados às faculdades e a ostensiva captação de clientes levada a efeito a olhos vistos na região central da cidade sem qualquer controle da OAB. Soma-se a esse quadro grotesco o oferecimento de cursos de capacitação e reciclagem, pela própria ordem, de ótima qualidade, há que se reconhecer, porém, não raro, com custos inacessíveis ao jovem advogado, à pequena banca e também ao advogado empregado, uma vez que em grande parte são matutinos, ou seja, em plena jornada de trabalho.

Comentários encerrados em 18/02/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.