Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação nicotina

Empresário acusado de contrabando quer anular escuta telefônica

O Supremo Tribunal Federal recebeu pedido de habeas corpus em favor do empresário João Celso Minosso, acusado de contrabando de cigarros. A ação contesta decisão do Superior Tribunal de Justiça que reconheceu a legalidade de provas obtidas pela Polícia Federal na ação penal instaurada contra o empresário pela Justiça Federal do Paraná.

O empresário, também conhecido como Raposão, é um dos sócios-proprietários de uma empresa em Ciudad Del Este, no Paraguai, que seria a responsável pela distribuição de cigarros paraguaios contrabandeados para quase todo o território brasileiro. Os envolvidos foram presos pela Polícia Federal em novembro do ano passado na chamada Operação Nicotina, que começou com a apreensão de cigarros contrabandeados em Salvador (BA).

A defesa do empresário, que também é investigado pela Comissão Parlamentar de Inquérito da Pirataria, pretende excluir as interceptações telefônicas dos autos da ação penal que corre contra ele. Argumenta que houve a violação ao sigilo das comunicações telefônicas (artigo 5º, inciso XII). Os advogados enfatizaram que a interceptação telefônica, de acordo com a legislação brasileira, somente poderá ser decretada se não houver outros meios disponíveis de prova.

Sustentam, também, que o monitoramento de algumas linhas telefônicas foi feito sem autorização judicial, resultando na suspeição de todas as provas encontradas nos autos. Por fim, pedem o reconhecimento da nulidade das interceptações telefônicas para anular a ação penal desde o princípio e abrandar a prisão de Minosso.

HC 83.983

Revista Consultor Jurídico, 9 de fevereiro de 2004, 19h58

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 17/02/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.