Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Presente grego

STJ mantém prisão de acusado pela Operação Cavalo de Tróia

O escrivão da Polícia Civil Haroldo Batista Macedo Júnior, acusado de integrar a organização criminosa especializada em fraudar correntistas de bancos, descoberta pela Operação Cavalo de Tróia, continuará preso. Ele teve liminar negada pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Edson Vidigal.

Macedo Júnior está preso preventivamente desde novembro do ano passado. Segundo a sua defesa, devido ao estado atual do processo, o acusado não põe risco à instrução criminal, "já na fase da colheita da prova defensiva, bem como o arrefecimento do ânimo da opinião pública a forçar a garantia da ordem pública". Os advogados alegam, ainda, não existir qualquer sinal de ameaça à aplicação da lei penal, em especial pela situação do policial, que é servidor público estável, pai e arrimo de família, com residência fixa e sem antecedentes criminais.

Para o ministro Vidigal, o pedido de liminar confunde-se com o próprio mérito do Habeas Corpus, cuja análise é da competência da Turma julgadora. Assim, pediu informações ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que negou o primeiro pedido de HC feito por Macedo Júnior, e determinou o encaminhamento do caso ao Ministério Público Federal para que opine sobre o assunto. Somente após o retorno e terminado o recesso forense, o mérito será apreciado.

Operação

A quadrilha desbaratada pela Operação Cavalo de Tróia é formada por hackers que enviavam e-mails com vírus para usuários da internet, através dos quais conseguiam identificar as senhas e os extratos bancários dos correntistas. Com esses dados, a quadrilha fazia saques, transferência de contas e ainda enviava dinheiro para laranjas.

A Polícia Federal já prendeu vários hackers envolvidos com operações de fraudes bancárias. As prisões foram no Pará, Ceará, Tocantins e Maranhão. A operação reuniu 160 policiais. A PF apreendeu carros e computadores mas ainda está fazendo um balanço final. Coordenada pela Superintendência da PF no Pará, a Cavalo de Tróia prendeu supostos integrantes também no Piauí, Maranhão e Goiás, onde havia ramificações da quadrilha. Todos os acusados seriam levados para Belém.

Revista Consultor Jurídico, 24 de dezembro de 2004, 12h26

Comentários de leitores

1 comentário

Celso Pereira da Silva - Trabalhista - Campo Gr...

Raul Magnus Fava ()

Celso Pereira da Silva - Trabalhista - Campo Grande-MS, utilizando email de Raul Fava. Acho que hackers somente podem ser libertados, como nos Estados Unidos, com vigilância de que não utilizarão computador.

Comentários encerrados em 01/01/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.