Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Alegação rejeitada

Empresário condenado em Curitiba não consegue HC no Supremo

O empresário Júlio Cézar Salomão não conseguiu Habeas Corpus no Supremo Tribunal Federal. Ele foi condenado pela Justiça Federal pelo crime de falsificação de documento. O pedido do empresário foi negado pelo ministro Celso de Mello.

A defesa sustentou que Júlio Cézar teve sua defesa limitada pela Justiça Federal de Curitiba. Argumentou que ele não teve a oportunidade de se defender em audiência de interrogatório. "A autodefesa, que se dá somente quando do interrogatório, sequer foi inicialmente exercitada, e, diga-se, por motivo que somente pode ser imputado ao Juízo [Justiça Federal]", afirmou a defesa.

O relator, ministro Celso de Mello, ponderou que existem evidências nos autos de que o empresário, embora intimado pessoalmente, optou por não responder ao interrogatório judicial, em duas diferentes oportunidades. "Daí a advertência desta Suprema Corte, no sentido de que 'Não importa nulidade ao processo penal a falta de interrogatório do réu, quando causada por sua própria conduta esquiva'", sustentou o ministro, ao negar o pedido de liminar.

HC 85.293

Revista Consultor Jurídico, 21 de dezembro de 2004, 18h05

Comentários de leitores

1 comentário

O Ministro Celso de Mello, ao meu ver, agiu cor...

Daniel ()

O Ministro Celso de Mello, ao meu ver, agiu corretamente. Todos tem o dever de colaborar com o Poder Judiciário para o descobrimento da verdade. Sinceros parabéns Sr. Ministro Celso de Mello!

Comentários encerrados em 29/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.