Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tráfico de órgãos

Justiça condena 12 acusados de tráfico de órgãos em Pernambuco

A Justiça Federal de Pernambuco condenou 11 brasileiros e um israelita acusados de formar uma quadrilha em Pernambuco especializada em tráfico de órgãos humanos. A denúncia partiu do Ministério Público, após uma operação deflagrada no ano passado pela Polícia Federal que apontou conexões entre a quadrilha brasileira e receptores na África do Sul.

As vítimas eram abordadas em bairros pobres de Recife. Elas recebiam oferta em dinheiro para a retirada dos órgãos que, posteriormente, eram vendidos para o exterior, sobretudo países europeus. A cirurgias, segundo o MP, aconteciam na cidade de Durban, na África do Sul, para onde as pessoas eram levadas.

O Ministério Público afirma que, em dois anos, a quadrilha movimentou cerca de 4,5 milhões de euros com o negócio, incluindo os gastos com as pessoas que se submeteram à retirada dos órgãos.

A juíza federal de Pernambuco, Amanda Torres de Lucena, condenou o grupo por formação de quadrilha e aliciamento para transplantes ilegais.

Segundo o site Espaço Vital, entre os líderes da quadrilha estão o major da reserva do Exército israelense Gedálya Tauber e o capitão reformado da Polícia Militar de Pernambuco Ivan Bonifácio. Eles foram condenados a 11 e 10 anos de reclusão, respectivamente, e ainda terão de pagar multa.

Para os demais envolvidos no comércio ilegal de rins, as penas variaram entre um e oito anos de prisão. Para todos os casos ainda cabe recurso. As pessoas que venderam seus órgãos para o grupo foram liberadas após prestar depoimentos.

Revista Consultor Jurídico, 20 de dezembro de 2004, 15h42

Comentários de leitores

2 comentários

Realmente, creio que foi um grande esforço da E...

Rodrigo ()

Realmente, creio que foi um grande esforço da Exma. Juíza Federal para dar uma resposta imediata ao crime organizado internacional, ainda mais em um processo com inúmeros réus. Imagine a individualização da pena de cada um. Também queria parabenizar a Delegada de Polícia Federal Karla Matos que realizou todo o trabalho de investigacao, durante o período de greve da PF, e partindo apenas de uma vaga denúncia por e-mail. E é claro que a denúncia do órgão do MPF deve ter sido técnica e específica o suficiente para promover o resultado útil da ação penal. Foi um trabalho excepcional de todos.

Parabenizo a Justiça Federal na pessoa da Merit...

Gustavo Holanda Dias ()

Parabenizo a Justiça Federal na pessoa da Meritíssima Juíza Amanda Torres de Lucena pela decisão condenatória, ao meu ver, acertadíssima.

Comentários encerrados em 28/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.